Arquivos de sites

Às Contas Com os Números da Banca

Hoje, com base em notícias que fui recolhendo no espaço do último mês, vou fazer as contas às contas dos lucros da banca em 2010, algo que faço regularmente para ajudar todos a entenderem um pouco melhor que crise lá para aqueles lados é apenas uma palavra de circunstância, de retórica, pouco mais que retórica política e publicitária, porque a realidade é esta e bem diferente: (Em euros)

  • Banco BIG — 20,5 milhões
  • Montepio Geral — 37,72 milhões
  • Banco Pastor — 62 milhões
  • Maiores bancos comerciais de Moçambique — 83,7 milhões
  • BPI — 184,8 milhões
  • Caixa Geral de Depósitos — 250,6 milhões de euros
  • BCP — 301,6 milhões
  • Banesto — 460,1 milhões
  • BES — 510,5 milhões
  • Popular — 590 milhões
  • Credit Suisse — 637 milhões de euros
  • Banco Sabadell — 968 milhões
  • La Caixa — 1,3 mil milhões
  • Commerzbank — 1,4 mil milhões
  • Société Générale — 3,92 mil milhões
  • Barclays — 4,23 mil milhões
  • 3 maiores bancos japoneses — 4,5 mil milhões
  • BBVA — 4,606 mil milhões
  • Itau — 5,91 mil milhões
  • BNP Paribas — 7,8 mil milhões
  • Santander — 8,18 mil milhões
  • Maiores bancos russos — 13 mil milhões
  • TOTAL: 58.952,520 milhões de euros!

O lucro de apenas 30 bancos, aproximadamente, no ano de 2010… apenas 30 bancos, sem os americanos e sem milhares que pululam pelo mundo fora!!!
Quem desejar tentar extrapolar este valor para a totalidade do mundo… que o faça… aviso apenas que poderão chegar a um valor total que poderá ser absolutamente irreal para o nosso mundo…

Pessoalmente não conheço outro sector empresarial no mundo que registe lucros tão imensos, e principalmente quando o sector retractado não produz absolutamente nada a não ser dívida para o restante do mundo…
Quer dizer, talvez o mercado de venda de armas e o de droga consigam superar os seus números… talvez…

E o que dizer deste mesmo sector, que se banha em lucros abismais, ser um dos que menos impostos paga no mundo ocidental?(Escrevi “dos que menos impostos paga” e não “o que menos impostos paga” porque o tráfico de droga não paga impostos…)

E o que dizer que nós, os Zé Povinhos, tivemos de salvar este sector da ruína financeira? Mas que ruína financeira qual carapuças! Este sector é ele a ruína financeira do mundo! E enquanto não for tratado como tal, muitas mais ruínas ir-se-ão abater sobre este mundo… e isso é certinho como o destino, a não ser que os Zé Povinhos do mundo deixem de providenciar guarida de silêncio às acções dos bananas que os defendem com unhas e bolsos!

Notícias de Apoio:
Notícia do Jornal de Negócios – Banco BIG aumenta lucros em 66% mas reduz dividendos a metade
Notícia do Expresso – Moçambique: Lucros dos maiores bancos comerciais cresceram 18% para 83,7ME — KPMG
Notícia do Diário Económico – Lucro do Commerzbank excede expectativas
Notícia do Jornal I – Lucro do BNP Paribas sobe 34,5% para 7,8 mil milhões de euros em 2010
Notícia do Pravda – Russian banks earned record profits in 2010
Notícia do Diário Económico – Lucro do Barclays sobe 36% e bate previsões
Notícia do Jornal de Negócios – Lucros do Société Générale crescem quase seis vezes em 2010
Notícia do OJE – Lucro do Banco Pastor cai 38,6% para 62 milhões
Notícia do Jornal de Negócios – Lucros da CGD descem 10% com perdas na bolsa a pressionar (act)
Notícia do Diário Económico – Lucro do Credit Suisse desilude analistas
Notícia do NIKKEI – 3 Megabanks’ Combined Net Profit Rose 150% In April-December
Notícia do Diário Económico – Santander lucra mais de 8 mil milhões em 2010
Notícia do Público – Lucros do BBVA cresceram 9,4 por cento em 2010 para recorde de 4606 milhões de euros
Notícia do Jornal de Negócios – Popular com lucros de 590 milhões em 2010
Notícia do OJE – Lucro do BCP sobe 34% para 301,6 milhões e supera estimativas
Notícia do Sol – Lucro do BES desce 2,2% em 2010
Notícia do Sol – Lucros do BPI sobem 5,6%
Notícia do OJE – Lucro do Banco Sabadell cai 27,3% em 2010 devido a aumento de provisões
Notícia do Diário Económico – Lucros do espanhol La Caixa caíram 13,4% em 2010
Notícia do OJE – Lucro do Banesto cai 17,8% em 2010, para 460,1 milhões
Notícia do Diário Económico – Lucros do Montepio Geral ficam estagnados em 2010
Notícia do Diário de Notícias – Itau regista maior lucro da história do sector bancário

Anúncios

O Ouro Negro da Terra das Focas

Rússia e Noruega acordam sobre a divisão do Árctico. Rússia e Canadá disputam os fundos marinhos do Árctico.

Está aberta a corrida ao ouro negro da terra das focas…

O Homem e a sua ânsia incomensurável por mais e mais, vai uma vez mais destruir, consumir e violar o espaço onde irá meter o pé. Desta vez é para os mares gélidos do Árctico, uma das últimas fronteiras de recursos naturais por explorar no planeta, onde se supõe que existam aproximadamente 400 mil milhões de barris de petróleo…

Ora então, fazendo contas a 80 milhões de consumo diário actual no mundo… dá para suprir a demanda mundial por petróleo durante aproximadamente 13 anos… um número jeitoso…
Se levarmos em conta que a procura irá continuar a aumentar, talvez dê para 10 anos… se levarmos em conta que em média 20% do existente em cada poço deixa de ser de exploração viável, talvez 7\8 anos…

Valerá realmente a pena os riscos que irão ser tomados?

Enquanto isso, Rússia e Noruega já chegaram a acordo em relação às áreas que são de um e de outro… quase… porque a Noruega também se juntou ao grupo de discussão entre a Rússia e o Canadá na disputa por uma das áreas mais ricas em hidrocarbonetos por explorar no mundo, Lomonosov Ridge.

Para além de termos três matronas para a mesma poltrona, um dos pontos importantes a salientar é:
Se já assistimos a todos os problemas que acontecem com as explorações em alto mar, como será juntar esses riscos do alto mar ao gelo no alto mar?
Como será construir uma plataforma “segura” sobre o gelo quando o gelo não é terra e se desloca?

Bem actualmente ainda não foi desenvolvida tecnologia para explorar sobre o gelo, mas como por lá há dinheiro a rodos e como as ânsias de ganância do Homem tornam-o engenhoso, mais tarde ou mais cedo uma engenhoca irá ser desenvolvida.
Qual o principal problema nisso?
Bem… quer dizer… o principal problema será que o teste à engenhoca irá ser realizado em produção real… ou seja… se nunca antes foi testada como se poderá saber que riscos acarretará tal engenhoca?

Mas e então e as extremas temperaturas negativas que por lá se fazem sentir?
Pois é… como por a funcionar um processo industrial intensivo sobre tais condições?
Os metais quebram sobre tais condições, o que nos pode dizer indirectamente que o pão nosso de cada dia da exploração no Árctico poderá ser “sujo”… mas o Homem há-de conseguir desenvolver engenhocas para dar a volta a isso, nem que seja às custas de algo…

E agora imaginemos o provável pior cenário que por lá poderá acontecer… escrevo provável porque se em condições menos exigentes já acontece o que acontece, o que acham que irá (quase) inevitavelmente acontecer?
Imaginemos que isso acontece em pleno Dezembro, sem sol, um frio de rachar e sem linhas navegáveis para lá chegar…
Como acham que irá ser?
Um belo espectáculo certamente…

E agora o factor que poucos consideram quando analisam a questão da exploração de hidrocarbonetos nos pólos.

Já pensaram bem na quantidade de energia que terá de ser investida para retirar do solo a energia que irá ser vendida para os mercados do mundo?
Na minha opinião, o retorno de energia será algo na melhor da hipóteses de 3\1 ou 2\1… ou seja, lembram-se dos 13 anos, que depois passaram a 10 e depois a 7\8, e se desses 7\8 anos ainda tivermos de descontar que por cada três barris de petróleo extraídos um será para continuar a alimentar a exploração… 1\3 de 7\8 anos são pouco mais de 2 anos de energia para a humanidade…

Portanto todo este artigo foi escrito de forma a tentar fazer compreender que a lógica de exploração do Árctico não é fomentada pela extrema necessidade de combustíveis fósseis que aflige a sociedade moderna, o que é uma verdade, é uma lógica fomentada apenas pela ânsia de ganância do Homem… dinheiro, dinheiro, dinheiro… não se vê nada mais para além do dinheiro, dinheiro, dinheiro…

Quando ouvirem novamente dizer: “Ainda existem 400 mil milhões de barris de petróleo por explorar no Árctico“, lembrem-se que esse é apenas o número em bruto e que a realidade irá ser substancialmente diferente disso… tal como daqui para a frente a realidade das focas irá ser substancialmente mais “suja”…

Notícia do Jornal de Negócios – 40 anos depois, Rússia e Noruega chegam a acordo para dividir o Árctico
Notícia do Russia Today – Russia and Canada bicker over Arctic seabed
Notícia da NewScientist – Russia and Norway slice up the Arctic
Notícias de apoio:
Notícia da National Geographic – Ice, Cold, Ecological Risks May Hamper Arctic Oil Rush
National Master – Oil > Consumption (most recent) by country
The Encyclopedia of Earth – Energy return on investment (EROI)

Central Nuclear Flutuante

Chernobyls a flutuar em breve.

Centrais nucleares flutuantes… hmmm… que brilhante ideia das mentes mais brilhantes que flutuam no mundo moderno… digno do pensamento: “Vamos fazer figas para que nada corre mal com esta bomba ambulante de destruição e poluição.
Verdadeiramente inacreditável… ou não…

Por volta de 2012 a Rússia espera ter operacional a sua primeira central nuclear flutuante de forma a levar energia eléctrica até áreas inacessíveis… como aos pólos para ajudar a indústria petrolífera na exploração dessas terras inóspitas… a última fronteira para os combustíveis fósseis

Que dizer de tal coisa?
Absolutamente inquantificável o risco dantesco que apresenta tal solução!

Num mundo que navega à deriva das mentes financeiras e bélicas só nos faltava mesmo isto… são verdadeiramente brilhantes estes seres!

Para além de poderem ajudar na exploração dos combustíveis fósseis nos pólos, irão também servir (dizem eles) para abastecer as centrais de tratamento de água doce no médio-oriente, região que se vê a braços com a escassez desse bem essencial à sobrevivência…
Este tipo de coisas monstruosas tem sempre um fundo de bom e ficamos então a saber que isto será usado para matar a sede dos povos no Médio-Oriente…
Atenção que isto é apenas o embrulho que irão usar para vender esta tecnologia aos Zé Povinhos do mundo através dos seus veículos de publicidade: os meios de comunicação social.
E já agora… numa região apinhada de grupos e contra-grupos alcunhados de terroristas, acho que é mesmo a ideia mais brilhante deixar lá à mão de semear a mãe de todas as bombas… hmmm… verdadeiramente brilhante…

Esta, na sua essência, é apenas mais uma história dos interesses que interessam desenvolver no mundo… muito bom… muito bom mesmo…

Notícia do The New York Times – ‘Floating Chernobyls’ to hit the high seas

Os Alimentos e o Preço da Discórdia

Aumentam os receios de uma escassez na oferta de alimentos. Preço da carne em máximos dos últimos 20 anos.

Antes de penetrar mais fundo nas ramificações deste problema, vou pegar num dos principais objectivos para a existência da mOsca.
O artigo que abriu as hostilidades por cá foi exactamente sobre este tema: O Assassino Silencioso. Um dos principais objectivos da mOsca é o tentar antever tendências globais/locais que nos poderão afectar negativamente no futuro, objectivo parcialmente atingido neste tema.

Agora ao que interessa e deixando para trás a auto-glorificação e os objectivos atingidos.

A Rússia e mais recentemente Moçambique e a revolta popular, são as faces visíveis de um problema que já o era antes de começar a ganhar espaço de parangona nos meios de comunicação para as massas. Parte da essência do problema está descrita no artigo O Assassino Silencioso ao qual temos de juntar as políticas de financiamento internacional à produção de biocombustíveis que estão a ocupar terrenos que anteriormente serviam para a agricultura, e ainda outros factores que irei nomear mais abaixo.
É tão fácil “culpar” apenas o bloqueio da Rússia às exportações como a causa para o aumento do preço dos alimentos a nível global. É tão redutora essa visão que é quase como dizer que sem nuvens não chove.

Se a culpa é da limitação que a Rússia está a impor às exportações de trigo, porque está o arroz a subir? Porque está o café a subir? Porque está a carne a subir? Porque está o cacau a subir? Porque estão tantos alimentos a subir que nada têm a ver com a seca na Rússia?
Podemos então convictamente afirmar que a culpa não é da seca na Rússia.

Outro factor menos conhecido é o aumento do preço dos fertilizantes, devido ao aumento do preço do petróleo e principalmente ao aumento do preço do fósforo.
O fósforo é apenas e só o componente mais importante para a produtividade agrícola mundial e é um elemento que está a caminhar a passos largos para a sua depleção no planeta.

Temos também o esgotamento dos solos.
Os métodos de produção intensiva da agricultura moderna conduzem a um rápido esgotamento dos solos. As práticas ancestrais de rotatividade de colheitas passaram de “moda”, agora as monoculturas são rainhas e elas drenam os solos dos seus nutrientes deixando-os comercialmente inviáveis, ou levando a que estes tenham de sobreviver à custa de cada vez mais fertilizantes.

Outro dos factores apontados é o aumento da população no planeta. Por muito importante que seja esta análise, não é, nem tão cedo será, a principal causa para o aumento dos preços.
O perigo e facilitismo de tentar abordar esta questão contemplando apenas este prisma conduz a uma visão totalmente distorcida da questão. As áreas do planeta em que a população mais tem crescido são áreas em que a fome e a extrema pobreza mais abundam – no mundo chamado desenvolvido a população tem vindo a diminuir. Portanto, é plausível concluir que não é directamente reflectido num aumento exponencial do consumo nem dos preços –  a nível global.
Acho que será mais honesto dizer que o aumento da população mundial tem conduzido a mais fome e a mais pobreza no mundo… não é directamente atribuível à escassez de alimentos, principalmente porque os preços dos alimentos já eram incomportáveis para essas populações antes sequer de existir a questão dos preços dos alimentos no mundo ocidental.

E para fechar os factores, o aumento da procura dos mercados emergentes – China e Índia, principalmente.
Esta irá ser a par do aquecimento global a causa mais vezes invocada para o aumento dos preços… pensem aquilo que quiserem, para mim estes irão ser os bodes expiatórios das políticas dos mercados financeiros…
No cerne desta questão está a mesma política que tem vindo a destruir o sector agrícola um pouco por todos os países desenvolvidos no mundo: o desinvestimento na agricultura em benefício da industrialização e serviços de todos os sectores das sociedades desenvolvidas… Portugal é um excelente exemplo dessas políticas. Não é por falta de terrenos agrícolas que Portugal não produz mais, é por directrizes políticas de desinvestimento no sector agrícola, apenas isso…

Juntemos então os factores:

– Esgotamento dos solos.
– Aumento do preço dos fertilizantes.
– Produção de Biocombustíveis.
– Aumento da população mundial.
– Quebras nas colheitas devido a intempéries.
– Aumento da procura nos mercados emergentes.
– Especulação de preços.

Se retirarmos da equação o aumento da população mundial, as quebras nas colheitas devido a intempéries, e o aumento da procura nos mercados emergentes, acho que fica a nu a fórmula de produção alimentar usada neste mundo moderno.
O Homem ao desassociar-se da terra e da natureza embarcou num caminho de tentativa de exploração abusiva das riquezas do planeta.
O esgotamento dos solos com monoculturas, que necessitam de cada vez mais fertilizantes apenas para tentar manter os níveis de produção, faz disparar os preços dos alimentos.
O investimento em politicas, que considero quase insanas, de subsídios aos biocombustíveis em desfavor da produção de alimentos tem vindo a aumentar a pressão sobre os preços dos alimentos.
E juntamos a isto mais uma das imagens de marca das ditas sociedades desenvolvidas, a especulação monetária desregulada, livre para qualquer um poder “brincar” com a fome, e temos o circuito fechado.
Esta politiquice rafeira de desinvestimento na produção alimentar local em favor de políticas de valor questionável é a verdadeira causa de todas as causas que se possam imputar ao aumento dos preços dos alimentos.

Uma vez mais, quando as instituições internacionais não abordam as questões no seu âmago, todas e quaisquer soluções que emanem dos seus painéis de cientistas – que invariavelmente são corruptíveis a interesses financeiros – apenas adiam a necessidade de tomada de medidas que se foquem no raiz do problema, ajudando também de forma directa ao aumento dos preços.

Infelizmente, por norma, terão acontecer mais umas quantas centenas de milhares de mortos devido à fome, mais umas quantas revoluções populares, até que se volte a colocar um efémero travão nestas políticas… digo efémero porque mal os Zé Povinhos do mundo se esqueçam do que aconteceu, volta tudo ao ponto em que estava antes e talvez somado com mais umas políticas rafeiras sustentadas apenas pela ânsia de ganância de mais uns quantos interesses financeiros…

Notícia da CNN – Fears grow over global food supply
Notícia do Diário Económico – Preço da carne está em máximos de 20 anos
Notícias de apoio:
Notícias do The Guardian – Food prices to rise by up to 40% over next decade, UN report warns
Notícia do Pravda – Experts Predict Global Hunger Riots Amid Food Prices Hysteria
Notícia do The New York Times – Peak Phosphorus
Notícia do Sustainable Phosphorus Future – The Story of Phosphorus: 8 reasons why we need to rethink the management of phosphorus resources in the global food system
Notícia do The Guardian – Food supplies at risk from price speculation, warns expert

Agora é Que Ficamos a Conhecer Chernobyl

Os efeitos de Chernobyl poderão perdurar séculos.

Quase um quarto de século depois do acidente de Chernobyl é que os cientistas começam a ter uma noção mais avalizada dos efeitos da radiação.

Cientistas publicaram no mês passado informação que contradiz os estudos anteriores e a ideia vigente de que o pior já tinha passado.

A população animal na área está em declínio. O governo alemão mais que quadruplicou os apoios pagos ao abate de javalis contaminados com radioactividade, nos últimos dois anos. Médicos na Ucrânia e Bielorússia afirmam que os casos de cancro, as mutações e as doenças sanguíneas estão a aumentar, associados a Chernobyl. Houve um aumento de crianças com defeitos à nascença devido à exposição continuada a baixos níveis de radiação.

Estes problemas são contraditórios com o estudo apresentado pela OMS (Organização Mundial de Saúde), AEA (Agência de Energia Atómica) e ONU – olha ela outra vez.
Qual a razão de ser recorrente as constantes contradições dos estudos independentes dos estudos das organizações mundiais oficiais?
Serão os cientistas independentes apenas e só uma cambada de amadores que não sabem o que fazem? Ou será que as instituições mundiais praticam a ciência do engano e do silêncio?
Pessoalmente acredito mais na segunda hipótese, agora quanto a vocês…

Os últimos estudos apontam também para que as partículas radioactivas lançadas na atmosfera tenham sido subestimadas em cerca de 30%. A Agência Internacional Para o Estudo do Cancro da ONU afirma que morreram 16 mil pessoas com cancro, enquanto a Academia Russa de Ciências afirma que pereceram 140 mil na Ucrânia e na Bielorússia e 60 mil na Rússia (A Comissão Ucraniana estima 500 mil).
Mais um pouco de desequilíbrio… ou são trapezistas ou então os números não batem mesmo …

Estes pequenos(?) exemplos servem de amostra da conduta contraditória entre estudos das organizações mundiais e os estudos independentes. Para variar a ONU anda lá a passear a sua mais que habitual forma de publicidade política, onde ou é tudo tão negro que mais parece que o mundo vai acabar, ou então que a coisa é muito menos negra que o esperado, o surpreendente é que quase sempre os seus estudos ou sobrevalorizam a questão em estudo ou então desvalorizam-la… números baterem certo com os estudos independentes, isso é que já é uma cantiga muito mais rara…

Para fechar gostava de relembrar que parte da floresta que rodeia Chernobyl foi consumida pelos incêndios deste verão na Rússia.
Como as organizações mundiais nos dizem que o pior já passou, não deve haver o que temer, correcto?……….

Notícia da Inter Press – Chernobyl Effects Could Last Centuries

Piers Corbyn “Esmaga” o Aquecimento Global

A onda de calor na Rússia foi devido a alterações dramáticas na actividade solar.

Ainda ontem escrevi sobre os efeitos do sol no clima, quase premonitório, e não é que hoje sai uma entrevista que considero das mais violentas em relação à ciência usada para estabelecer o CO2 como a causa principal do aquecimento global.

Piers Corbyn:

“Sim. A nossa previsão para a Europa e para a zona ocidental da Rússia antevia uma onda de calor, especialmente na Europa de Leste e na zona ocidental da Rússia. E também previmos quando iria terminar e terminou quando tínhamos previsto.” (Respondendo se a onda de calor na Rússia tinha sido prevista pelo seu modelo)

“Foi causada por mudanças dramáticas na actividade solar (…) que conduziram a alterações na corrente «jet stream» (Corrente de jacto) (…) as cheias no Paquistão também cessaram em consonância com a data que tínhamos previsto.” (Em resposta a quais as causas)

“O que estamos a assistir é a uma actividade solar muito intensa e isso afecta a precipitação de partículas do sol em direcção à Terra, as quais modificam a ionosfera, o que por si altera os padrões de circulação no planeta, que são conhecidos como «jet stream»” (Estão relacionadas as cheias no Paquistão e onda de calor na Rússia?)

“Analisemos os factos. (…) Estas coisas já aconteceram no passado, particularmente a onda de calor e as cheias no Paquistão aconteceram há 132 anos, aproximadamente, e correspondia à mesma situação do ciclo solar e lunar.” (…) “As pessoas que dizem que estes eventos são causa do aquecimento global ou são ignorantes, ou então querem enganar o público com interesses políticos e financeiros.” (Ligação das cheias e onda de calor ao aquecimento global)

“Em Inglaterra os últimos três verões foram muito chuvosos, o que correspondeu ao que aconteceu há 132 anos, o que poderá dizer que iremos assistir a uma sequência destes eventos na Rússia e no Paquistão.” (É um ciclo do clima?)

“Tem de retirar o efeito que os fogos florestais tiveram sobre a temperatura. (…) Por isso, descrever este como o ano mais quente de sempre, é pura idiotice.” (Foi o ano mais quente já registado?)

“O que dizemos é que o que se passa no sol dita o que se passa com os padrões de circulação no planeta. (…) E que situações passadas idênticas da situação do sol e da lua irão criar padrões atmosféricos semelhantes.” (Como fazem as vossas previsões?)

“Estão a ser pagos para dizer essas coisas. Por exemplo, pelos bancos que ganham biliões com os créditos de CO2, ou pelas empresas petrolíferas que querem que os preços do petróleo subam. Eles adoram este golpe publicitário. (…) O que precisamos é de ciência responsável. Temos de retornar para ciência e políticas baseadas em evidências. O facto é que não existem evidências de que o dióxido de carbono seja o responsável pelo aumento das temperaturas, analisando os dados dos últimos 600 milhões de anos . (…) Os que afirmam “o último mês foi um caso sem paralelo”, estão só a dizer disparates. O último mês em 600 milhões de anos é o mesmo que comparar um centímetro com a distancia do raio do planeta. (…) Isso é pura idiotice. Esse é o nível da ciência deles. É pura tolice.” (É um acérrimo crítico da ideia do aquecimento global, porquê?)

“Somos triviais quando comparados com a natureza.” (…) “Os dados dos últimos 600 milhões de anos não apresentam nada que sustente as suas teorias.” (O impacto do homem no clima)

“O inquérito foi um branqueamento. E está a ser escondido algo mais grave, crimes contra a ciência que não são directamente da responsabilidade da Universidade de East Anglia, mas que têm mais a ver com as operações americanas, mais especificamente com os dados de satélite. Os dados por satélite têm exagerado grosseiramente as temperaturas da superfície. Estas estimativas estão tão desfasadas que para acreditar nelas significa que o lago Michigan já teria evaporado. E essas informações de dados falsos têm sido inseridos nas médias. Hoje em dia, não temos um número real para as temperaturas médias do planeta. (…) Infelizmente estes trapaceiros têm conseguido levar a deles demasiado à avante e eles têm de ser responsabilizados. (Em relação à divulgação do Climategate)

“As pessoas que têm vindo a fazer isto deviam ser afastadas, e devíamos lá ter pessoas que se dedicassem à objectividade científica.”

In RT

À falta de mais vozes nos veículos de publicidade para as massas, vulgo comunicação social, por vezes vamos tendo acesso ao contraditório.
O contraditório é apenas e só um dos processos mais importantes na ciência, e especialmente quando a ciência actual do aquecimento global (CO2) é egocêntrica e desprendida de objectividade científica, onde qualquer coisa estranha que se passe com o clima é imediatamente atribuído à sua causa – quase parece o Hitler e os judeus, onde tudo era por culpa deles… Má ciência.

Entrevista completa:
Vodpod videos no longer available.

Mais informação sobre este tema nos posts: O Aquecimento Global e o Esquecimento Mental e A Inquisição, Galileu Galilei, Aquecimento Global e Solar Max. (Uma Explosão a Caminho da Terra)(Actualizado)

Notícia do RT – Russian heat wave due to dramatic changes in solar activity – forecaster

%d bloggers like this: