Arquivos de sites

ONU Mundo Deles

Os custos da importação de alimentos irão este ano suplantar em 1 bilião o ano de 2009, diz a ONU. Preço dos alimentos poderão aumentar até 20% em 2011, avisa a ONU. China irá subsidiar alimentos depois do recente aumento dos preços. O novo plano de Abu Dabhi para a segurança dos bens alimentares. Alterações climáticas e doenças irão causar novas crises alimentares. FMI reduz o peso do dólar e do Yen no cesto do SDR. China avança contra a liquidez para reduzir a inflação. Trichet: Juros podem subir antes de terminarem as ajudas à banca.

Tal como ontem, vou quase ignorar as crises das finanças públicas, que já estão a ter (quase) a devida exposição nos meios de informação para as massas, e focar a minha atenção em algo que julgo ser muito mais preocupante e verdadeiramente mais perigoso: a inflação e o preço dos alimentos.

Hoje foi um dia em cheio para decantar muitas das tendências que irão moldar o ano que aí vem, e os seguintes.

A nossa querida, amada e estimada ONU veio a terreiro expor as suas conclusões em relação ao preço dos alimentos praticados hoje, o que espera para amanhã e quais as suas causas primárias.
Para quem anda apenas a reboque daquilo que é dito nos meios de comunicação para as massas, poderá estranhar algumas coisas que irei escrever lá mais abaixo. Para quem já deixou de consumir a informação para as massas como a verdade absoluta, servirá apenas de clarificação das tendências futuras.

A ONU prevê:

– “Os custos da importação de alimentos irão este ano suplantar em 1 bilião o ano de 2009.”
– “É pouco provável que os efeitos do aumento dos preços fiquem contidos nos seus respectivos sectores, porque muitos destes bens servem de pasto principal aos sectores de criação de gado e dos biocombustíveis.”
– “Em relação aos cereais mais importantes, a produção terá de se expandir substancialmente para suprir a demanda e recuperar as reservas mundiais.”
– “Devido a estas causas, os consumidores poderão não vir a ter outra opção para além de pagar preços mais elevados pelos seus alimentos.”

In Bloomberg

A maior parte da informação exposta neste excerto é de simples conclusão e análise para todos. Gostava apenas de salientar como estes tipos da ONU conseguem ser irracionais, ignorantes e verdadeiramente estúpidos nas suas análises, julgando que todos nós somos tão ou mais estúpidos que eles de forma a engolir as suas mensagens publicitárias!
Com que então assumem pela primeira vez que uma das principais causas para o aumento do preço dos alimentos está directamente relacionada com o sector dos biocombustíveis!
Mais abaixo voltarei a esta causa…

Continuando…

– “Preço dos alimentos poderão aumentar até 20% em 2011.”
– “O preço do trigo, do milho e de muitos outros alimentos transaccionados internacionalmente cresceram até 40% no espaço de apenas alguns meses. Os preços do açúcar, da manteiga e da mandioca estão em valores máximos de 30 anos, e a carne e peixe estão ambos significativamente mais dispendiosos do que no ano passado.”
– “Inflação dos preço dos alimentos, alimentada pela especulação, a vaga de calor na Rússia e transacções nos mercados de futuros.” (…)
– “Os pobres são quem mais irão sofrer porque sentem directamente o efeito do aumento do preço dos alimentos.”

In The Guardian

Mais informação que ajuda a desenhar parte do nosso futuro, uma boa parte com valor verdadeiramente importante, como a noção da inflação do preço dos alimentos estar apenas a ser causada pela especulação.
Mais abaixo aprofundarei esta questão.

Alguns países estão já a entrar em “estado de choque” em relação ao aumento do preço dos alimentos, tal como a China e em Abu Dhabi nos Emiratos Árabes Unidos.
Sinal dos tempos que estão para chegar?
Para mim, mais do que sinais, a evidência que algo está verdadeiramente a mudar.

Voltando à ONU…
Quais as principais causas que irão colocar em causa a produção alimentar?

– “Alterações climáticas, especulação, biocombustíveis e o aumento da procura na Ásia são os factores que irão levar a um aumento exponencial dos preços no ano que vem.”
– “Além de conduzir ao aumento da inflação em Inglaterra e no mundo ocidental, outro episódio de hiperinflação no preço terá terríveis implicações para as pessoas mais pobres do planeta.”
– A produção terá de aumentar substancialmente (…) O principal obstáculo identificado para o aumento da produção alimentar é o potencial económico das explorações para biocombustíveis e as explorações não alimentares.
– “Efeitos adversos do clima são indubitavelmente um dos principais factores na quantidade das safras de trigo e, com as alterações climáticas, poderão vir a ser cada vez mais recorrentes.”
– “Não subsistem dúvidas que as actividades especulativas trouxeram grande volatilidade ao mercado, mas não existem provas que a especulação tem conduzido ao aumento dos preços até níveis não antes vistos.”

In The Independent

Antes demais, peço desculpa pela quase desconexão do texto até este ponto, mas acho que era por demais importante expor a informação divulgada pela ONU tal como a encontrei. Serve de exemplo de como o copy\paste praticado na maioria dos casos para a divulgação de informação nos meios de informação generalistas é por vezes trocado por divulgação em formato de puzzle: várias secções da mesma história espalhadas por várias fontes, onde só lendo a totalidade das fontes se consegue ter uma ideia mais concreta da informação que está a ser veiculada.
Este é um método que encontro ser recorrente para muita da informação veiculada pela ONU… vá lá se saber o porquê…

Depois desta pequena explicação, voltando à ONU e aos alimentos…
Pegando um pouco atrás gostava de relembrar que a ONU diz que no espaço de meses o preço de alguns bens aumentou mais de 40%, mas que a sua previsão para o ano que vem é de 20% de aumento… hmmm
Gostava também de relembrar que a ONU disse que mais episódios de HIPERINFLAÇÂO terão resultados dantescos nas economias.
Gostava de vincar que o preço dos alimentos é o valor mais importante para a contabilização da inflação…

Portanto, nas palavras da ONU, as causas são, os biocombustíveis – que são imensamente subsidiados pelo mundo ocidental, o mesmo mundo que governa a ONU -, a especulação – que segundo as palavras da ONU, não existem provas que comprovem o seu impacto nos preços… talvez porque a grande maioria dos especuladores sejam parte integrante do mundo ocidental, o mesmo mundo que governa a ONU -, o aumento da procura por parte da Ásia – área do mundo em que o mundo ocidental mais tem investido nas últimas décadas, o mesmo mundo  que governa a ONU -, e para fechar, as alterações climáticas que põem em causa a quantidade das safras mundiais.

Conclusão:
– Os biocombustíveis, altamente subsidiados, são uma das principais causas para o aumento do preço dos alimentos. Deixem de os subsidiar!
– A especulação que é acção dos mesmos mercados que estão a levar o mundo à bancarrota. Limitem a acção abusiva dos mercados de capitais sobre o preço dos alimentos!
– As alterações climáticas. Bem, o nosso mundo mudou tanto que secas ou cheias são situações que acontecem apenas agora… Pelas apalavras deles quase se pode chegar à conclusão que o clima foi sempre sinónimo de estabilidade… hmmm…

De todas as causas aventadas, existe uma que, para mim, é apenas a mais relevante e que não é identificada pela ONU, talvez porque tal coisa poria em causa quase todas as causas avançadas para explicar o porquê dos preços estarem a subir tanto.
Vou tentar explicar.
O dólar é a moeda de referência mundial, é a moeda de reserva mundial. Quase todos os mercados de transacção de bens são cotados em dólares, ou seja, esses bens são transaccionados em dólares. Como todos já devem estar a par, o dólar tem vindo a perder valor de forma exponencial, o que conduz ao aumento exponencial dos preços dos bens transaccionados nesses mercados, não pelo aumento da procura mas pela desvalorização da moeda que os transacciona.

Vou tentar explicar de forma simplista o que acontece neste mundo de dólar em desvalorização exponencial:
Eu sou Portugal. Em 2005 comprei 10 dólares com euros, que me custaram, nessa altura, 15 euros.
Hoje, em 2010, vou comprar trigo no valor de 10 dólares mas os mesmo 10 dólares, que comprei em 2005, valem hoje apenas 8 euros, o que quer dizer que os mesmos 10 dólares hoje compram metade do trigo que compravam em 2005, e principalmente como eu, Portugal, paguei 15 euros por esses 10 dólares, terei hoje de cobrar, não o valor do dólar de hoje, mas sim o valor do dólar de 2005 de forma a não ter prejuízo quando for vender o trigo que acabei de adquirir. Ou seja, os 10 dólares de 2005 perderam 50% do valor inflacionado 50% o valor do bem que adquiri em 2010.
Isto é o exemplo nu e cru de muito do que estamos a assistir hoje com o preço dos alimentos, dos bens de uma forma geral, e que terá tendência a ganhar contornos de cada vez maior gravidade, porque o governo americano (Reserva Federal) continua a injectar milhar de milhões de dólares no mercado na forma de pacotes de estímulo à economia.
Talvez não seja mal pensado dizer aos senhores da ONU que nem todo o mundo é tão estúpido ao ponto de acreditar nas suas constantes inverdades, por vezes puras falsidades e muitas da vezes verdadeiras inversões.

Para nos ajudar a compreender um pouco melhor esta situação… O FMI reduziu o peso do dólar e do Yen no cesto do SDR (O peso que cada moeda tem no mercado internacional, medido pela força das suas economias).
Ora mas que raio?!??!? Perguntará quem faz contas… mas a economia da zona euro não tem sido a que mais tem contraído nestes últimos anos, quando comparada à economia americana e chinesa?
Porque raio irão dar mais peso ao euro em comparação com uma redução do peso do dólar e do yen no cesto?
Simples, digo eu, o euro é a moeda, das três, que menos tem desvalorizado.
Já ouviram falar no jogo dos espertinhos? Este é um belo exemplo… usam a moeda que tem desvalorizado menos, mesmo que tenha um peso nas transacções mundiais incomensuravelmente inferior ao dólar e esteja a perder cada vez mais terreno para o yen, de forma que a inflação apresentada pelo FMI, para os vários mercados de bens no mundo, seja menos expressiva… O mundo dos espertinhos, não é verdade???

Ah! Também o BCE começa a dar os primeiros passos para combater o temor da inflação:

“O presidente do Banco Central Europeu alertou hoje que os juros podem subir, mesmo que permaneça em vigor o programa de cedência de liquidez à banca.”

In Jornal de Negócios

Esperem lá! Mas estando a Grécia, a Irlanda, Portugal, a Espanha e a Itália, sem falar noutros, tão dependentes das taxas de juro praticadas pelo BCE para conseguirem angariar liquidez para as suas economias, Trichet vem a terreiro dizer que as taxas de juro podem subir mesmo antes de terminar o apoio às economias titubeantes da Europa?
Ólálá, temos aqui contraditório… como ajudar as economias mais frágeis com juros mais altos se são esses mesmo juros altos que as estão a estão a queimar em lume brando?
Estará o BCE a querer dizer que é preferível que os Estados mais frágeis da UE sofram ainda mais, possam mesmo colapsar, e pior, terem até de sair da moeda única de forma que os países mais ricos da UE e o euro consigam sobreviver, sem ter e terem de passar por um processo inflacionário escalante?
O tempo o dirá, mas os sinais que começam a ser dados…

Notícia da Bloomberg – World Food-Import Costs Will Exceed $1 Trillion on Higher Prices, UN Says
Notícia do The Guardian – Food prices may rise by up to 20%, warns UN
Notícia do The Independent – Climate change and disease will spark new food crisis, says UN
Notícia da Associated Press – China to subsidize food after price spike
Notícia da Reuters – Abu Dhabi’s new plan for food security
Notícia da Bloomberg – IMF Reduces Weighting of Dollar, Yen in SDR Basket
Notícia do Jornal de Negócios – Trichet: Juros podem subir antes de terminarem ajudas à banca

Anúncios

Mas Que “Raio” Se Passa Com os E.T’s?

Extraterrestres desactivaram mísseis nucleares britânicos e americanos, afirmação de pilotos americanos. ONU vai nomear uma embaixatriz do espaço para receber os visitantes extraterrestres.

Hoje podia ter escrito este artigo focando os preços dos alimentos, o novo colonialismo em África, a obrigação de todos os Estados membros da Comunidade Económica Europeia terem de seguir à risca o que for ditado sobre os alimentos transgénicos, todas elas merecedoras de um artigo, mas que foram ultrapassadas pela minha surpresa com este recrudescimento sobre os ET’s…
Mas que “raio” de notícias estas…

Mazlan Othman, uma astrofísica malaia, vai ser nomeada coordenadora da resposta da humanidade se e quando os extraterrestres nos contactarem.
Esta senhora é actualmente directora de uma delegação quase desconhecida na ONU: Outer Space Affairs (Unoosa)… em português: Assuntos Espaciais, aproximadamente…

Para além desta “surpresa” vinda da ONU, seis pilotos americanos testemunham hoje em Washington sobre extraterrestres que desactivaram ogivas nucleares inglesas e americanas.

Capitão Robert Salas:

“A Força Aérea americana mente sobre as implicações na segurança nacional de objectos não identificados nas bases nucleares, e nós podemos provar isso.”

In The Telegraph

Coronel Charles Halt:

“Acredito que tanto os serviços de segurança dos Estados Unidos como os do Reino Unido tentaram – tanto anteriormente como agora – subverter a importância do que aconteceu na RAF Bentwaters usando métodos bem ensaiados de desinformação.”

In The Telegraph

Antes demais, gostava de salientar que sou céptico em relação aos ET’s, mas também não podia deixar esta conjugação de notícias passar em claro…

Mas que “raio” faz as Nações Unidas em criar uma coordenadora da resposta da humanidade para as “conversas” com os ET’s? (Quer dizer… eu da ONU já espero de tudo…)
Mas por que “raio” está o caso dos ET’s a ganhar tanta atenção novamente?
Mas que “raio” se passa com os ET’s?

Notícia do The Telegraph – UN ‘to appoint space ambassador to greet alien visitors’
Notícia do The Telegraph – Aliens have deactivated British and US nuclear missiles, say US military pilots

E a Montanha Pariu um Rato, ou o Rato Escondia a Montanha?

Líderes dizem que a recessão ainda não terminou. Congresso reverte parte das reformas sobre Wall Street. Os americanos ricos estão ainda mais ricos.

O nosso mundo é feito e desfeito de verdades, meias-verdades, inverdades, mentiras e mentiras descaradas, talvez por isso seja tão complicado conseguir entender as nuances que definem tendências.

Há dias fomos “bombardeados” por uma parangona copy\paste que me apanhou de surpresa, a mim e à generalidade dos agentes financeiros, tal a sua disfuncionalidade lógica: O fim oficial da maior recessão em 70 anos.

O The National Bureau of Economic Research redigiu um estudo em que afirma que os Estados Unidos saíram da recessão em 2009… Acho que é tão fácil rebater esse estudo usando apenas os números do desemprego, do crescimento do PIB, do mercado imobiliário, etc, que no próprio dia em que saiu a notícia fui conduzido em direcção à criação de um paralelismo entre a data da sua apresentação pública, a revelação das preocupações da economia americana com a inflação e o início das discussões sobre quem fica com o poder nas Nações Unidas – foi tudo de seguida. (Coincidências que me fazem cócegas…)
Então fiquei pacientemente à espera das reacções dos senhores da economia…

Hoje, finalmente, alguém veio contrapor essa lógica, concretamente dois elefantes brancos do mundo das finanças: Timothy Geithner e Warren Buffett, que afirmam que a noção do fim da recessão é apenas na sua substância uma questão de semântica… Semântica? Está tudo doido?
Obviamente que não, é apenas a resposta politicamente correcta a um estudo politicamente correcto, ou seja, é mais um daqueles estudos para ler e deitar fora o quanto antes, pois por norma ponto a ponto os próximos tempos tenderão a rebater todas as afirmações que por lá estão…

Talvez mais abaixo neste texto se consiga compreender melhor esta aventada noção do fim da recessão…

Entretanto, entre os quilos de notícias sobre a reunião nas Nações Unidos e as dores da economia um pouco por todo o mundo, no Congresso americano já se debate e aprova adendas à nova lei de regulação dos mercados.
Surpresa?
Para quem anda distraído será indubitavelmente uma surpresa, para mim é apenas o início da desregulamentação das regulações de mercado, acção recorrente e usual nos meandros políticos dos “bananas”. Aprovam leis todas pomposas e depois lenta e gradualmente vão adicionado adendas de forma a tornar essa lei uma mera questão “artística”…
Ora então a primeira adenda – que temos conhecimento – é a que elimina a obrigatoriedade dos reguladores divulgarem (determinada) informação ao público.
Uma pergunta: Mas que “raio” de controlo faz uma entidade reguladora se não for obrigada a revelar os dados?
Todas as entidades reguladoras trabalham para o Estado e por inerência, porque o Estado é do Zé Povinho, para as pessoas.
Porque fica o público “proibido” de ver o que por lá se passa?
Sabem uma coisa, dinheiro compra muita coisa… O que acham que irá acontecer aos reguladores desta entidade reguladora, regulando ela um dos meandros em que circula mais dinheiro?

Um parágrafo exemplificativo do embrulho político que os “bananas” usam para justificar este tipo de actos injustificáveis:

“Ao revogar esta secção, reafirmamos o nosso empenho para assegurar que o SEC será transparente e responsável.” (Darrell Issa)

In CNBC

Brilhante esta frase, não é verdade?

O que acham que irá acontecer cá deste lado do oceano?
Esperem uns mesitos até começarem a surgir os toques de Midas nas leis de regulamentação de mercados…

E já que estou a falar em dinheiro, nada melhor do que sabermos que os ricos enriqueceram ainda mais durante o ano de 2010.
Enquanto todos os indicadores de riqueza entraram em colapso o 1% da população mais rico ficou.
Serão as crises más?
Para alguns não…
Haverá quem ganhe com estas crises financeiras?
Os mesmos do costume…

Sabem, apenas 217 pessoas representam 2,6% da riqueza existente nos Estados Unidos – até acho que este número está muuuuuiiiiiitttttoooo minguado.

Agora já consigo fazer outro paralelismo… entre o estudo que afirma que a recessão terminou em 2009 e os dados da riqueza do 1% – neste caso do 0,000001%.
Em 2009, “apenas” 86 dos 400 mais ricos nos Estados Unidos viram a sua fortuna pessoal aumentar, mas em 2010 já estão com saldo positivo…
Ah… já compreendi!!!! A recessão já terminou para 0,000001% da população! É isso!

Concluindo, o mundo é “medido”, gerido, jogado e manipulado pelos interesses de 0,000001% da população, até os estudos…
Podemos então afirmar que vivemos num mundo de justiça “paralela”, onde o que é justo para muito poucos se torna a injustiça para a maioria.
A face desta demo-cracia é realmente asquerosa e desvirtuada dos seus princípios basilares, onde a mentira é a verdade vendida ao público, onde as necessidades de 0,000001% da população são mais importantes que a dos restantes 99%, onde ser-se independente está dependente de um silêncio obrigatório, onde caminhamos a passo de corrida para o fim do mundo do Estado Social de forma a que os interesses de 0,000001% da população nunca venham a ser colocados em causa. Talvez por isso em Portugal o português comum tenha de vir a pagar ainda mais de IVA, de IRC, perder o 13º mês e ter de arranjar dois e três trabalhos para conseguir pagar a casa, alimentar a família e viver um pouco acima do limiar da pobreza.

Acho que é caso para dizer que a crise que passámos – nas palavras dos outros -, a crise que estamos a enfrentar – na realidade do dia-a-dia – e a crise que ainda teremos de aguentar durante mais não sei quanto tempo – digo eu -, é na sua essência uma montanha que pariu um rato, pois para 0,000001% da população a vida vai de vento em popa, caso para perguntar: Será que o rato é que escondia a montanha?

Notícia da CNBC – Leaders Say Recession Not Over, Despite Report
Notícia da CNBC – Congress Rolls Back Part of Wall Street Reform Bill
Notícia do The Telegraph – Forbes list: America’s super-rich get richer
Notícias de apoio:
Notícia do Público – O fim oficial da maior recessão em 70 anos
Notícia da RTP1 – Cimeira nas Nações Unidas para repensar estratégia

A Esquina

Juros da dívida Pública chegaram hoje aos 6,4%. Banqueiros, empresários e economistas já vêem o FMI em Portugal. É cada vez mais inevitável a entrada do FMI em Portugal. Euro em queda pressionado por dívida de Portugal e da Irlanda. Sócrates vais defender a dívida portuguesa nas Nações Unidas. FMI acredita que Portugal vai conseguir reduzir o défice. Confiança na banca nacional acima da média mundial.

Na continuação da saga da dívida portuguesa – Próximo do Fim das Ilusões e À Beirinha do Beiral -, hoje é novamente um dia em que os sinais negativos são mais que muitos…

Juros da dívida pública portuguesa a dez anos chegaram aos 6,4%.
Para quem anda distraído, na sexta-feira passada estavam a 5,973%. Não me recordo de um salto tão brusco de um dia para o outro no juro da dívida portuguesa, quase meio ponto percentual.
Quem estiver a pensar “foi apenas quase 0,5%“, é melhor relembrar que foi quase 0,5% em apenas um dia de mercado – os mercados encerram ao fim de semana. Agora pensem que todos os dias, num espaço de um mês, acontecia o mesmo. Até onde acham que iriam parar os juros de Portugal?
30X0,5%= 15% num mês… desta forma talvez se consiga perceber melhor o violento salto na taxa de juro…

E sabem qual poderá ser o ponto final, ou de viragem, ou de continuação do Estado?
O Orçamento de Estado…
Se o orçamento for brando demais os mercados irão castigar Portugal porque dificilmente irá conseguir atingir as metas estabelecidas para o défice…
Se for agressivo demais, os mercados irão castigar Portugal porque o Orçamento poderá colocar em causa a taxa de crescimento (receitas)…
Ou seja, ou o Orçamento é o orçamento mais perfeito alguma vez feito em Portugal de forma a que os mercados consigam achar que irá reduzir o défice e ao mesmo tempo estimular a economia, ou então talvez seja melhor emigrar para a Grécia porque pelo menos eles por lá já se estão a habituar às dores impostas pelo FMI e pela União Europeia…

E depois, banqueiros, economistas, empresários e Bagão Félix são as vozes que hoje se juntam ao cada vez maior coro que afirma que a entrada do FMI em Portugal é facto incontornável…
Como os juros de Portugal acabaram de ultrapassar a barreira psicológica dos 6%, mais concretamente 6,4%, a comparação com a Grécia é inevitável…
Um mês depois da Grécia passar a barreira psicológica dos 6% viu-se forçada a pedir ajuda à União europeia e ao FMI…
Penso que talvez desta vez dê para ir até aos 7%, até os mercados fecharem a torneira, mas mesmo isso parece facto palpável mesmo antes do fecho desta semana, por isso…

Bagão Félix diz que o primeiro-ministro é como o Rei Midas: todas as estatísticas em que toca “transforma o mau em bom”.

In Jornal de Negócios

Apenas o Primeiro- Ministro meus senhores? Quase todos os meios de informação em Portugal mais parecem a revista Maria com historinhas de “cra-cra-cra” e a informação realmente importante para o futuro mais próximo do Zé Povinho fica entrecortada entre estatísticas positivas – muitas por consubstanciar -, ou é colocada como uma disputa política entre os “bananas”, o que faz com que a verdadeira informação perca profundidade e relevo junto da opinião pública… ou seja, fazem o Zé Povinho mudar de canal ou ler a notícia em que um carro capotou por causa de uma borboleta e feriu dois coelhinhos que iam a passar junto à berma… realmente factos muito importantes…

E em semana de aprovação do Orçamento de Estado, nada melhor que saber que o nosso Primeiro-Ministro vai até às Nações Unidas tentar acalmar os mercados…
Será apenas uma coincidência temporal? Será que também as Nações Unidos terão de dar luz verde ao Orçamento de Estado antes deste ser levado a contas à Assembleia da República?
Uma coisa é certa, já são vezes e vozes a mais a debater o Orçamento de Estado de um país que se diz independente…

E para ajudar ao ramalhete, os mercados internacionais já estão a associar a dívida de Portugal à baixa do valor do euro.
O euro estava a valorizar-se até… os mercados tomarem noção do aumento dos juros para as dívidas públicas portuguesa e irlandesa…

E gostava de fechar este artigo com as notícias que os nossos meios de comunicação adoram dar lugar de parangona, para (digo eu) ir distraindo a mente do Zé de coisas mais sérias:

– FMI diz que está totalmente confiante que Portugal irá cumprir com a redução do défice e que não prevê a sua entrada em Portugal.

Antes eles confiantes que nós, mas a mim parece-me apenas um chupa-chupa para os mercados chuparem, de modo a tentar acalmar um pouquinho as ondas que se começam a levantar… Os próximos tempos nos dirão qual o nível de confiança do FMI…

– Os bancos portugueses têm reputação acima da média mundial.

Quando começamos a “descascar” esta informação compreendemos que os três maiores bancos privados nacionais estão todos abaixo da média mundial em termos de confiança, apenas a média altíssima da CGD faz com que a média nacional seja boa… e como foram usados apenas quatro bancos portugueses…
Nem sei se será melhor rir ou chorar… de neura jornalística…
Esta é uma daquelas notícias que é só título e que depois de sumo tem quase só inflexões ao título usado…
Esta notícia que está a fazer parangona hoje é uma verdadeira obra prima de como não fazer bom jornalismo. Ora vejamos:
CGD – 72,09
BCP – 59,42
BPI – 57,87
BES – 57,15
(Média mundial – 61,07)
Também questiono a posição relativa dos bancos nessa tabela pois acho que o BCP está excepcionalmente bem cotado quando comparado com quase todos os indicadores económicos que o castigam… mas… também quem sou eu para questionar tal coisa, não é verdade?

Este foi mais um passeio sobre a realidade e irrealidade do dia a dia de um país chamado Portugal que se diz independente, mas que cada vez mais está dependente da vontade de terceiros…

Notícia do Expresso – Juros da dívida pública fixam novo máximo histórico: 6,40%
Notícia do Público – Preparação do próximo Orçamento do Estado vai estar na mira dos mercados financeiros
Notícia do Jornal de Negócios – Empresários, banqueiros e economistas já vêem FMI na Portela
Notícia do Diário Económico – “É cada vez mais inevitável a entrada do FMI em Portugal”
Notícia do Diário Económico – Sócrates vai defender dívida portuguesa em Nova Iorque
Notícia do Jornal de Negócios – Euro em queda pressionado por dívida da Irlanda e Portugal
Notícia do OJE – FMI convicto de que Portugal vai reduzir défice para 3% em 2013
Notícia do Destak – Bancos portugueses têm níveis de reputação acima da média mundial

Os Números da Fome

ONU afirma que a fome no mundo diminui em 2010, 9,6%.

Como é possível apresentar um relatório com tal evidência?
Como é possível dizer que em 2010 a fome diminui se ainda estamos em 2010?

Eu sei que para muitos de vós ouvir falar em termos depreciativos da ONU é algo que choca violentamente com a ideia que têm pré-concebida de uma instituição que nos é constantemente vendida como a guardadora das boas causas. Mas atenção à realidade subjacente das suas acções, facto que é muito mais importante que qualquer embrulho político ou título pomposo que possa ser dado às suas acções… Se o mundo desse para ser medido apenas por aparências todos nós seríamos muito mais livres e felizes do que somos.

Para contrabalançar estes números que considero um verdadeiro embrulho político “mentiroso”, nada melhor que relembrar que o preço dos alimentos têm vindo a subir exponencialmente este ano. Que o rendimento per capita nos países em desenvolvimento, exceptuando algumas raras excepções, não está a acompanhar o aumento dos preços dos alimentos. Que a produção agrícola local em África tem vindo a decair em virtude dos investimentos massivos dos países ricos em produções para consumo no exterior. Que os campos de produção agrícola em África têm vindo a ser substituídos por campos produtores de plantações destinadas aos biocombustíveis, etc…, etc…, etc…
São tantos os factores que me levam a concluir que isto é uma inverdade descarada…

Para além disto tudo, como é possível representar esses números se em grande parte dos países pobres as pessoas nem são recenseadas?
Como é possível?

Qual é o limiar para a fome? Uma fatia de pão por dia? Qual é?

Suponho que isto possa servir de pedra de toque para justificar uma redução dos apoios dos países desenvolvidos no combate à fome no mundo…

No mínimo podemos afirmar que existem demasiados factores que questionam a validade dos números aventados por esse estudo… no mínimo um mundo pintado em tons de rosa pode provar vir a ser uma falsificação da realidade…

P.S: O rendimento per capita de todos os países tem sempre um valor final inflacionado, devido à disparidade de rendimento existentes entre o 1% mais rico e os restantes 99%, no mínimo entre 10 a 15% do valor final…

Notícia da Reuters – Fome diminui no mundo em 2010, diz ONU
Notícia do Wall Street Journal – U.N.: World Hunger to Fall 9.6% in 2010
Notícias de Apoio:
Food And Agricultural Organization of The Unites Nations – Food Index September 2010
Notícia do redorbit – What Is Crippling Food Production In Africa?
Notícia do Nation Master – Gross National Income (per capita) (most recent) by country
Notícia do SciDev – Biofuel: Africa’s new oil?

O IPCC Posto a Nu, ou o Fim das Teorias da Conspiração

O corpo de investigação da ONU tem de ser “fundamentalmente reformado”. A data para o degelo total do glaciar dos Himalaias “foi um engano”. Cientista canadiano pede uma remodelação do painel científico sobre o clima da ONU. Slavoj Žižek: Acordem e cheirem o apocalipse.

Ponto final parágrafo em todas as especulações sobre a qualidade da ciência apresentada pelo IPCC (Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas), financiado pela ONU.
A investigação oficial ao IPCC concluiu:

– Necessita de uma reforma de fundo de modo a prevenir os embaraçosos erros encontrados no estudo sobre o aquecimento global de 2007.
– A criação de um comité executivo para substituir a estrutura, na sua maioria em part-time, e linhas orientadoras mais rigorosas em relação às fontes do material apresentado como prova.
– A verificação de conflitos de interesses dos seus membros e limites mais restritos para o seu presidente – posição detida por Rajendra Pachauri.
– A informação veiculada foi baseada em factos vagos.

IN France24

O maior e mais absurdo erro – apenas como mero exemplo da grosseira forma de não fazer ciência por parte do IPCC,  sinal da politiquice rafeira – do estudo apresentado em 2007, foi a afirmação que o glaciar dos Himalaias iria desaparecer até 2035, caso a Terra continuasse a padecer das dores do aquecimento global.
Isto para além de ser pura mentira – é difícil encontrar outro termo para o definir – ainda foi baseado em estudos não verificados e muito menos analisados por outros cientistas – peer-review.  Foi baseado num artigo publicado na New Scientist magazine, que continha um erro de impressão onde em vez de estar 2350 estava a maravilhosa data usada para justificar o aquecimento global: 2035. (Acho que nem vale apenas escrever mais sobre este erro tal a sua magnitude, talvez só comparável a ciência feita pelo pior dos amadores)

Tenho de concordar em absoluto com Andrew Weaver, climatologista da Universidade de Victoria no Canadá, que diz:“O painel das Nações Unidas sobre o aquecimento global foi corrompido por interesses políticos, que o seu Presidente se deve demitir e que a sua forma de fazer ciência deve ser remodelada.”
In National Post

Muita da dita teoria da conspiração foi então desmascarada como sendo verdadeira.
Uma vez mais, que confiança podemos nós ter em instituições e institutos que nada mais fazem do que publicitar políticas em desfavor da verdadeira ciência?
Este podia ser um caso único, mas infelizmente é recorrente na ONU e nos institutos por si subsidiados… é mesmo um antro de podridão de interesses…
O nível em que hoje em dia é usado o nome da ciência para impulsionar políticas financeiras é algo do mais podre que temos de combater.
Como podem então justificar o mercado de créditos de carbono?
Como podem colar a todos os eventos climáticos o aquecimento global = CO2?
Como podem estar a pintar politicamente uma tremenda mentira e depois de posta a descoberto nada se fazer para eliminar as politiquices aprovadas em nome dessa mentira?

Isto extravasa a ONU, isto está enraizado em quase todas as políticas aprovadas nos últimos anos no mundo ocidental.
Isto não foi um erro sem querer, isto foi o querer fazer avançar políticas que de outra forma os Zé Povinhos do mundo não aceitariam.
E iremos assistir a algum volte face nessa linha condutora?
Não! Os políticos e as políticas do mundo ocidental irão continuar a promover esta mentira, porque há muito dinheiro a ser tirado dos contribuintes para entregar a privados… isto só mudará se os Zé Povinhos erguerem as suas vozes em uníssono a exigir mudanças!

Ninguém define isto melhor do que Slavoj Žižek, que esplana este tipo de conduta no seu novo livro (Living in the End Times) desta forma:

“A ciência está totalmente emaranhada no capital e no capitalismo.”

“(…) Usemos a ameaça à ecologia. Até recentemente, a reacção usual para notícias calamitosas como o oceano Árctico estar a derreter mais rápido do que o esperado era, «Estamos a caminhar para uma catástrofe inimaginável, estamos a ficar sem tempo para agir». Ultimamente, ouvimos cada vez mais vozes que nos falam do lado positivo do aquecimento global. «Verdade», dizem eles, «as alterações climáticas aumentam a competição pelos recursos, as cheias, a pressão sobre os animais e sobre as culturas indígenas, a violência étnica e desordem civil. Mas temos de estar cientes que devido ao aquecimento global podemos tocar nos tesouros do Árctico, os recursos ficarem mais acessíveis, a terra mais habitável, etc…»” (…) “Mas seja qual for a verdade das predições sobre a quantidade de petróleo e gás existentes no Ártico, para mim uma mudança social e psicológica está a ocorrer bem à frente dos nossos olhos: O impossível está a tornar-se possível.”

“O que temo é que esta má ecologia se venha a tornar num opiáceo para o povo.”

In NewScientist
(Este é um pequeno excerto de um texto inundado de visões absolutamente sensíveis e quase únicas… de leitura obrigatória)

Então, anos depois do início de uma guerra de teorias da conspiração – termo usado pelo IPCC – a verdade acabou por revelar que a conspiração estava na fonte das teorias.
Este é o mundo em que nos deixamos viver… nos deixamos porque sempre que nós os Zé Povinhos erguemos e contestamos as politiquices maquiavélicas de uma elite desprovida de princípios para atingir os seus fins, essas mesmas politiquices não conseguem ter pernas para andar.
Não dêem ouvidos à ONU, ao Banco Mundial, ao FMI, etc… quase tudo o que destas instituições sai são politiquices de interesse financeiro… só mesmo muito raramente existe mais substância do que isso…
Está mais que na hora de dar um valente pontapé no rabiosque destes politiqueiros da trampa e exigir políticas reais viradas para a realidade dos Zé Povinhos do mundo…

Notícia da France24 – UN climate body needs to ‘fundamentally reform’
Notícia da BBC – Himalayan glaciers melting deadline ‘a mistake’
Notícia do National Post – Canadian scientist calls for overhaul of UN climate change panel
Notícia da NewScientist – Slavoj Žižek: Wake up and smell the apocalypse

%d bloggers like this: