Arquivos de sites

Contornando a Esquina

Goldman Sachs diz que Portugal e Irlanda vão necessitar de recorrer ao FMI em 2011. HSBC diz que Portugal não está a reduzir o défice. Défice do Estado cresce 37 milhões por dia. Défice do Estado já supera os 9 mil milhões. Crédito malparado atinge valores históricos. Bancos avisam que vão cortar crédito à economia. Exterior fecha portas à dívida pública portuguesa. O que importa são os detalhes do orçamento, diz a S & P.

JP Morgan e HSBC apresentam Portugal como uma excepção…
Mas não é bom ser diferente?
Numa sociedade cada vez mais uniformizada até seria uma virtude, mas essa diferença é para pior, pois Portugal é o único dos países PIIGS que não está a conseguir controlar a sua dívida.
Outra das diferenças de Portugal em relação aos outros PIIGS é que os outros foram eficazes na redução da despesa do Estado e Portugal só tem sido eficaz no aumento da receita, tendo a despesa sido uma desilusão, para o HSBC, aumentando 4%.
O único ponto positivo em relação aos outros PIIGS é que Portugal registou um crescimento no PIB nominal… (A ver vamos como irá ser no final do ano…)

Para confirmar estas noções do HSBC e do JP Morgan nada melhor do que atestar a perspectiva da Goldman Sachs para o nosso futuro:
Vai ter de recorrer ao FMI mas talvez apenas em 2011… Talvez… o que nos diz que talvez possa ser antes e que talvez ainda possa ser já… talvez… (Os próximos tempos o dirão…)

37 milhões por dia…
A velocidade com que Portugal está a gerir a sua dívida é algo digno de registo: mais de 9 mil milhões de nova dívida nos primeiros oito meses do ano…
Mas existe um conceito que é importante realçar. Portugal não se endividou apenas 9 mil milhões no espaço destes oito meses, endividou-se MAIS 9 mil milhões quando comparado com igual período do ano passado… o número total da dívida de Portugal nos primeiros oito meses do ano é número “secreto”… só mesmo muito, muito, muito, esporadicamente é divulgado, e quando é sai numa notícia “pouco visível”…

Em tempos de crise um dos factores principais da vitalidade de uma economia é o volume de crédito malparado e este em Agosto chegou aos 4 mil milhões de euros…
O malparado reflecte a capacidade de consumo da economia na base da sua pirâmide, no Zé Povinho. A contracção de consumo do Zé Povinho põe em causa quase todas as medidas que uma economia possa tentar desenvolver para aumentar a receita do Estado (neste sistema económico). Um Zé Povinho que não gasta, gera menos impostos, e pior um aumento do malparado está quase sempre associado a um aumento do desemprego, o que significa uma redução dos impostos colectados e um aumento das despesas sociais do Estado.
Unimos estes três pontos e o que temos é: Redução no consumo, redução do número de tributários, aumento das despesas socais… menos dinheiro a entrar e mais dinheiro a sair dos cofres do Estado… défice na base da pirâmide…

E como ponto final para uma economia neste sistema económico, a estrangulação do acesso ao crédito…
Os bancos avisam que podem fechar a torneira do crédito.
Isto é apenas o corolário de tudo o que se está a passar com a economia portuguesa: O aumento do preço do dinheiro, o aumento do crédito malparado, etc… e este estrangular do crédito poderá conduzir ao fechar de portas de inúmeras empresas e famílias, o que levará a uma redução ainda maior das receitas do Estado… um verdadeiro processo exponencial…

E para acentuar o fechar da torneira do crédito a noção de que os investidores exteriores têm investido cada vez menos na compra de dívida soberana de Portugal, valor que já desceu até apenas 51%, quando no início do ano os bancos nacionais representavam apenas 5% desse mercado.
Quem tem andado a comprar a dívida emitida pelo Estado?
A banca nacional.
Quem tem financiado a banca nacional?
O Banco Central Europeu.
O Banco Central Europeu vai deixar de emprestar quando?
Em Janeiro do próximo ano.
Como irá a banca arranjar financiamento?
No mercado exterior a taxas de juro altíssimas…
Quem irá comprar depois a dívida nacional?
Boa pergunta…

E o ciclo volta a fechar-se na noção de que o orçamento de Estado para 2011 poderá ser a pedra de toque para que todo este imbróglio ganhe contornos de realidade, ou para a sustentabilidade, ou para um perspectiva de futuro amargamente negra…
O problema maior?
Para mim, a noção que depois de tantos anos dos nossos “bananas” a fazerem apenas politiquice rafeira terem agora de fazer política “perfeita”, não irá ser nada fácil… a ver vamos, mas acredito muito pouco nas capacidades dos nossos (ditos) representantes na Assembleia da República… talvez venhamos a pagar o preço de durante décadas os termos deixado fazer o que mais lhes convinha e não o que realmente convinha a Portugal e ao Zé Povinho português…

Esta semana iremos todos contornar uma esquina que se poderá revelar a esquina em que a realidade tomará a posição da ilusão que muitos têm vivido, especialmente a ilusão económica da República de Portugal…

Notícia do Diário Económico – HSBC diz que Portugal está a marcar passo na redução do défice
Notícia do Jornal de Negócios – Goldman Sachs diz que Portugal e Irlanda devem precisar de recorrer aos fundos da UE em 2011
Notícia do Correio da Manhã – Défice do Estado cresce por dia 37 milhões
Notícia do Diário Económico – Défice do Estado já supera os nove mil milhões
Notícia do Jornal de Negócios – Despesa do Estado sem juros cresce o dobro do orçamentado
Notícia da Visão – Crédito malparado atinge valores históricos
Notícia do Jornal de Negócios – Bancos avisam que vão cortar crédito à economia
Notícia do Jornal de Negócios – Exterior fecha portas à dívida pública portuguesa
Notícia do Diário Económico – S&P: “O que importa são os detalhes do Orçamento”

Anúncios

Próximo do Fim das Ilusões

Portugal é a 2ª preocupação da UE. Pressão sobre as finanças portuguesas. O nível de recurso da banca nacional ao BCE é preocupante. Só nos metem na ordem à força. Dívida cresce a um ritmo de 2,5 milhões hora.

Apertem os cintos que o avião está prestes a fazer uma aterragem de emergência…

Na continuação dos problemas técnicos que estão a acossar o avião português, no artigo Na Corda Bamba com o Euro, há uns dias na Alemanha saiu uma publicação que foi um pouco mais longe e diz que os problemas técnicos que estão a afectar Portugal são a 2ª maior preocupação da Europa.
Afirma também que o problema técnico que mais está a afectar o voo português é as despesas sociais… Gosto mesmo quando vão direitinhos ao assunto e acertam no alvo mais fácil contornando as questões de fundo…

Então e os impostos que a banca não paga, não davam e sobravam para cobrir “N” vezes o buraco gerado pelo aumento das despesas sociais?

Então os impostos que os grandes aglomerados financeiros não pagam não dava para cobrir “N” vezes esse buraco?

Então e a tão proclamada redução da despesa de Estado que em apenas oito meses deste ano já superou o endividamento total do ano passado?

Então e os tão indispensáveis submarinos alemães, não dava o seu valor para cobrir “N” vezes o buraco?

Está a ser definido um novo ponto de “ataque” social… tenham poucas dúvidas em relação a isso…
Vai ser uma vez mais o Zé Povinho a arcar com todas as loucuras financeiras de um sistema que no seu âmago é perverso e beneficia sempre quem mais tem…
Se gostam de injustiças… continuem na vossa… Se gostam de ser sadomasoquistas… continuem na vossa… Se gostam de viver com cada vez menos… continuem na vossa… Se gostam de gostar de tudo o que os outros pintam à força para nós… então continuem na vossa…
Eu não gosto!

Vou usar algumas das palavras de Eduardo Catroga numa entrevista ao Diário Económico que está pintada nas entrelinhas:

“Portugal está a caminhar a passos largos para o destino grego.”

“Hoje, o recurso da banca nacional ao BCE representa já 30% do PIB, contra 13% em Espanha e 40% na Grécia.”

“(…)não vejo a tomada de medidas para inverter esta situação, que é realmente insustentável, mais cedo ou mais tarde.”

“Portugal foi o único país, nos primeiros sete meses do ano, em que a despesa pública continuou a subir(…)”

“vejo o ministro das Finanças a querer fazer uma redução contabilística do défice, tal como já fez entre 2005 e 2008, recorrendo ao aumento da carga fiscal, a receitas extraordinárias e a desorçamentação (…)”

“Enquanto não levarmos um apertão no financiamento externo, o que vai acabar por acontecer, as nossas entidades responsáveis não assumirão as suas responsabilidades.”

In Diário Económico

Sabem o que significa “fazer uma redução contabilística do défice“?
Leiam o que o Público escreveu sobre essa acção quando realizada pela China: China mexe na contabilidade orçamental para reduzir défice

Meus caros, como tudo na vida que é uma ilusão, o futuro desta não irá ser diferente… mais dia menos dia irá cair a máscara e a realidade surgirá tal qual uma revelação… quer dizer, irá ser uma revelação para os muitos que preferem usar a cabeça apenas para segurar o cabelo, ou acreditar piamente que quem nos governa fá-lo sempre com a melhor das intenções…
O dia da revelação já não deve estar muito longe, pode mesmo estar ao virar da próxima esquina, e aí os que têm guardado 5% da sua vida para precaver um solavanco no futuro irão cruzar essa esquina com muito mais facilidade do que os que acreditaram que acreditar sempre era o caminho mais certo… ou seja, quem comodista é, comodista terá de deixar de ser…

Depois de passada a esquina da revelação, o que se seguirá será o FMI…
Há quem já hoje esteja de braços abertos para receber essa instituição em solo nacional. Para esses aconselho vivamente a leitura ao que acontece e aconteceu ao Estado Social nos países em que ela põe e pôs os pés…
Sabem uma coisa, eu chamo ao FMI – Fonte Mundial de Injustiças, e não o faço de animo leve, faço-o porque o âmago das suas acções é do mais danoso que os Zé Povinhos enfrentam no mundo actual.

Avancei com os parágrafos acima porque o economista Jacinto Nunes diz hoje numa entrevista ao Diário Económico:

“Mas isso vem com o Fundo Monetário Internacional, não acredito que a União Europeia nos dê acesso ao fundo de emergência sem nos sujeitarmos ao FMI.”

In Diário Económico

O que abre campo a outra pergunta, ou perguntas:
Porque razão tem a União Europeia de impor o FMI?
Quem manda na UE, o FMI?
Deixo esta especulação para ser analisada por vós…

E para fechar a notícia que está a fazer parangonas em todos os meios de comunicação social hoje: Dívida cresce a um ritmo de 2,5 milhões hora.

Poucas coisas são inocentes no nosso mundo… esta notícia aparece na véspera do novo orçamento de Estado que deverá vir carregado com um futuro de mais impostos para o Zé Povinho e o acenar da bandeira dos 2,5 milhões irá ajudar a justificar os seus porquês… tenho muito poucas dúvidas nisso… tenho tão poucas dúvidas nisso que em Julho escrevi o artigo Dois Milhões à Hora… Quilómetros? no qual abordei a questão.
Portanto, isto só é notícia hoje e não o foi ontem porque apenas hoje alguém escreveu o guião para que ela fosse notícia copy/paste em quase todos os meios de comunicação social… quer dizer, também pode ser só especulação minha ao nível das especulações dos artigos abaixo que aconselho a leitura:

O Portugal do Futuro Para o Zé Povinho
Um Futuro Com Mais e Melhor de Quê?
As Privatizações e os Números “Engraçados”
Este Ano a Banca Ainda Vai Pagar Menos de Impostos!!!!!!!!!
Os Bancos, os Lucros e o Choradinho II

Para o bem ou para o mal acho que estamos mesmo próximos do fim das ilusões que têm comandado o nosso estilo de vida, principalmente na última década… a década do Euro FIAT…

Notícia da Agência Financeira – Dívida: Portugal é 2ª preocupação da UE, diz jornal alemão
Notícia da TSF – Pressão sobre finanças portuguesas
Notícia do Diário Económico – “O nível do recurso da banca nacional ao BCE é preocupante”
Notícia do Público – Governo perto de ultrapassar dívida prevista para 2010
Notícia do Diário Económico – Governo obrigado a mais austeridade para cortar défice
Notícia da Agência Financeira – Governo sob pressão: vêm aí mais medidas de austeridade?
Notícia do Diário Económico – “Só nos metem na ordem à força”
Notícia do Jornal de negócios – Endividamento está a subir ao ritmo de 2,5 milhões de euros por hora
Notícia do Diário Económico – Portugal endivida-se ao ritmo de 2,5 milhões por hora
Notícia da TSF – Ritmo horário de crescimento da dívida cresceu 25 por cento

E os Meninos à Volta da Fogueira

Défice do subsector Estado aumenta 347 milhões. Défice aumenta e está perto dos 9 mil milhões de euros. Défice cresce 1,65 milhões de euros por dia. No mês passado, o Estado contraiu dívida extraordinária no valor de 4,1 mil milhões de euros.

Antes de começar a descarregar os impropérios que estas noticias merecem, umas pequenas notas para se contextualizar melhor a situação:
1- A receita fiscal este ano cresceu, nos primeiros sete meses, 5,6%.
2- Os dados mostram que a despesa continua a subir mais que a receita – 3,8% para 3,6%
3- Parte do valor do aumento da receita é devido ao aumento do excedente da Segurança Social, mais 180 milhões de euros, aproximadamente.
4- O total de dívida extraordinária contraída pelo Estado este ano já é de 7,6 mil milhões de euros.
5- O Estado este ano já se endividou em 13,5 mil milhões de euros. Em 2009 (todo o ano) o endividamento foi de 14 mil milhões de euros.
6- Nunca desde que há registo o Estado recorreu com este peso a dívida extraordinária de curto prazo.
7- O Governo dá a garantia que o o défice previsto para este ano não será ultrapassado.

Vamos então lá à análise estes dados…

1- Bom sinal… o contrário é que seria surpreendente… mas atenção que os dados do consumo estão em queda, algo que poderá aumentar a pressão sobre estes valores positivos.

2- Pois é, alguns não têm de poupar tanto quanto outros, e principalmente vivem num Estado de (des)direito em que podem fazer o que bem lhes passa pela moleirinha, dizendo que fazem uma coisa e depois agem de forma oposta.

3- Pois é, parte dos 5,6% de aumento da receita são atribuíveis ao aumento do excedente da receita da Segurança Social. Uma pergunta: “Com o aumento do desemprego, como é que eles conseguiram fazer crescer esse valor? Número mistério?” Infelizmente não é… este aumento está directamente ligado ao apertar da fiscalização sobre os beneficiários da Segurança Social, medidas que na sua essência estou de acordo, mas das quais discordo quando olho para as contas de quem devia de estar a poupar mais e não o faz… e é com os mais pobres que eles apertam o cinto…

4- Dívida extraordinária? É simples. São empréstimos que terão de ser pagos ainda este anos. 7,6 mil milhões de euros, somados aos juros dessas operações, deverá ficar algo acima dos 8 mil milhões de euros. Portanto, podemos concluir que o Estado espera que o aumento da receita cresça ainda muito mais, de forma a compensar esse aumento. (Conto de fadas?)

5- Vamos reduzir o défice! Slogan para o aumento dos impostos. Resultado? Pois bem, o resultado é o aumento do défice este ano. Ou iremos assistir a um passo de mágica ou então para o ano lá virá novamente o choradinho político e financeiro dizer que os impostos terão de aumentar.

6- Sinal de descontrolo e loucura, ou pura ganância e indiferença pelas contas do Estado? Talvez seja apenas e só incompetência – forma mais simplista de analisar a questão, ou então a imagem de um esquema em pirâmide que está entrar na sua fase de crescimento exponencial imparável.

7- … (por vezes o silêncio diz tudo e sem impropérios)

Vamos todos dar as mãos e fazer uma rodinha à volta da fogueira… vamos todos dar saltinhos de alegria, vamos todos comemorar… abracemos quem ao nosso lado está, pensemos no futuro risonho que nos espera… sonhemos alto porque a vida é sempre para melhor… traláli, tralálá…
Estas são frases que o Zé Povinho devia cantar de alegria, mas no sistema demo-cratico em que vivemos estas são as palavras que os “bananas” e os “casineiros” usam para festejar a vida no seu quintal privado chamado Portugal…

Notícia da A Bola – Défice do subsector Estado aumenta 347 milhões
Notícia do Diário Económico – Défice engorda e está perto de nove mil milhões de euros
Notícia do Correio da Manhã – Défice sobe 1,65 milhões por dia
Notícia do Jornal de Negócios – Governo contraiu dívida extraordinária de 4,1 mil milhões no mês passado

Os Salões de Beleza do Estado 3!

Governo garante que o aumento da despesa não agrava o défice.

Esta está a tornar-se uma história interminável… xiiii

Em resposta às dúvidas levantadas pelo aumento de 546 milhões de euros da despesa, o nosso quase inqualificavelmente brilhante Ministro das Finanças veio a terreiro dizer:

“(…)ao contrário do que pode deduzir-se da manchete do JdN, estas alterações orçamentais não contribuem para o aumento do défice porque, em regra, o aumento da despesa é compensado por um aumento da receita.”

In Dinheiro Digital

Esperem lá!
O nosso quase inqualificavelmente brilhante Ministro das Finanças acabou de ter mais uma daquelas tiradas dele que só mesmo ele as consegue ter: “em regra, o aumento da despesa é compensado por um aumento da receita”?
Terá o homem perdido mais alguns parafusos ou julgará que estamos todos desaparafusados?!
Isto é de doidos e para doidos!

Como é possível dizer tal coisa?
Seguindo a lógica mental do nosso inqualificavelmente brilhante Ministro das Finanças só existe défice porque as receitas “infelizmente” não acompanharam a despesa…
Esta é a chamada lógica da batata… e mesmo assim, coitada da batata que consegue ser mais prestável que este inqualificavelmente brilhante Ministro das Finanças!

Acho que os “bananas” do governo têm de ir a Fátima rezar uns Pai Nosso a favor de um pouco de mais capacidade mental para o nosso inqualificavelmente brilhante Ministro das Finanças…

Estamos nas mãos de uns seres que se não existissem teriam de ser inventados… valha-me Deus…

P.S: Por alguma razão Teixeira dos Santos foi considerado pelo Financial Times o pior Ministro das Finanças na Europa…

Continuação dos posts: Os Salões de Beleza do Estado e Os Salões de Beleza do Estado 2

Notícia do Jornal de Negócios – Governo garante que aumento de despesa não agrava défice
Notícia do Diário Digital – Governo: em regra a receita compensa aumento da despesa
Notícia do Público – Teixeira dos Santos é o pior ministro europeu das Finanças no “ranking” do FT

Os Salões de Beleza do Estado 2

Governo fura tecto orçamental. Governo não corta despesa e gasta ainda mais que o previsto. Burla e fraude deixam de ser crime.

Isto de ser maquilhador dá mesmo muito “pilim” – continuação do post Os Salões de Beleza do Estado.

Com que então a notícia que saiu ontem foi apenas para preparar o caminho para a notícia que saiu hoje …

O Governo publicou hoje em Diário da República um aumento de 546 milhões de euros na despesa pública orçamentada para 2010.
Podíamos pensar que seriam para ajudar os desempregados… talvez os idosos com reformas mais baixas… talvez para melhorar as acessibilidades para os deficientes… tantas boas possibilidades para justificar um aumento de 546 milhões de euros da despesa pública… mas… vão parar ao bolso dos BOYS!

Soubemos ontem que o Estado maquilhou as contas dos institutos públicos para lhes dar um ar mais rosáceo. Ora pensem lá para onde acham que vão esses 546 milhões de euros do orçamento?

Para onde?

Para os institutos públicos!

451,5 milhões de euros no aumento do orçamento de estado vão parar às mãos dos institutos públicos e os restantes 94,6 milhões vão para os serviços dependentes dos ministros!
Este bananal de “bananas” maltrapilhos é algo invulgarmente mal educado, mal formado e principalmente violentamente desprezível!

Com que então os problemas financeiros dos institutos públicos, vulgo bolso dos BOYS, e as despesas dos serviços dos ministros são tão mais importantes que justificam um aumento do orçamento de estado em 546 milhões de euros?
Esses 546 milhões de euros não representam uma fatia significativa do resultado do aumento do IVA que o Estado espera encaixar no final deste ano?!

O despudor e falta de vergonha destes “bananas” é tão execrável que as palavras me escorrem que nem um rio na direcção da má educação!

P.S: Talvez este aumento sirva para compensar a diminuição de 5% dos ordenados dos serviços do PSD na Assembleia da Republica dos bananas… (Apenas como exemplos dos múltiplos…)

Para além destes lindos números, hoje ficamos a saber que a lei penal aprovada em 2007 descriminaliza a burla e a fraude.
O buraco na lei para criminalizar estes dois actos é tão grande que acho que passa por lá um Boeing 747 cheio de BOYS. Dá mesmo jeito viver num mundo de “bananas” quando se é um deles…
Zé Povinho! Por onde andas?!

Notícia da Agência Financeira – Governo não corta despesa e gasta ainda mais que o previsto
Notícia do Jornal de Negócios – Governo fura tecto da despesa orçamental
Notícia do Diário de Notícias – Burla e fraude deixaram de ser crime

Os Salões de Beleza do Estado

Contas maquilhadas fazem descer a despesa.

Conta-nos o Correio da Manhã que o Estado anda a maquilhar as despesas dos fundos e institutos autónomos do Estado, como por exemplos os institutos públicos.

Com que então agora temos uma nova linhagem de “bananas”: os maquilhadores… Será que um dia destes ainda abrirão um franchising do salão de beleza?

Quem nos garante que esta maquilhagem não é um caso generalizado nas contas públicas?
Como podemos confiar nas fórmulas usadas para as contas públicas se quase todos os anos as modificam?
Como podemos confiar nas contas públicas se nem sequer a inflação é seguida de forma “isenta”?
Por exemplo: Se este ano se o preço do pão aumentar muito (como é esperado), nas contas do Estado para a cesta de inflação o pão será trocado por “Panrico”, porque assume-se que quando um produto fica caro demais as pessoas o trocarão por outro mais acessível, no exemplo que dei, por Panrico…

Em relação à notícia propriamente dita… está tudo dito na notícia original… JOBS FOR THE BOYS… e os bois, que são o Zé Povinho, continuam a ser o pasto de onde se alimentam estas bestas…

Para uma melhor compreensão de como os Estados brincam com os números da economia, nada melhor do que ver o capítulo 16 do Crash Course de Chris Martenson:
Fuzzy Numbers:

Notícia do Correio da Manhã – Contas maquilhadas fazem descer despesa

%d bloggers like this: