Arquivos de sites

O Caçador Vai Virar Caça

Estamos todos (?) atentos ao que se passa com Portugal e ao que se passa no Japão, mas a maioria poderá estar a leste daquilo que está a acontecer nos Estados Unidos e com o dólar, por isso hoje vou abordar os sinais que nos chegam dos “states”, sinais esses que a nível económico são tão ou mais perigosos para este sistema económico vigente como a crise do euro, ou a crise nuclear no Japão.

Howard Davidowitz, um dos mais acérrimos críticos de como a economia americana, especialmente a Fed, respondeu e responde à crise que assolou este mundo desde 2008.
Eis o que ele nos diz:

“Nunca o dólar enfrentou tamanho perigo”(…) Davidowitz acredita que se Washington não refrear os seus hábitos com a despesa, as taxas de juro irão aumentar e a inflação irá disparar. Vejam o valor do dólar, e a crise que se está a formar, com as nações soberanas a diversificarem os seus portfolios para além dos bens denominados em dólar.
In Yahoo! Finance

Mas que significa realmente isso das nações soberanas estarem a diversificar os seus portfolios?
Peguemos no exemplo da China e nas recomendações do seu banco central – recomendações que deviam ser as mesmas de todos os bancos centrais deste mundo:

O Banco Popular da China (PBOC) recomendou ontem a 1 milhão de chineses que levem em consideração a aquisição de ouro como salvaguarda contra a inflação, de modo a conseguirem preservar a sua riqueza num mundo em que as moedas podem perder valor.
In Forbes

Hmmm… o país que é hoje em dia o banco dos Estados Unidos – quem mais dinheiro lhes empresta – recomenda a compra de ouro em vez de dólares, facto que vai contra todas as suas directrizes no passado mais recente?
Hmmm… isto parece que a China vai começar a deixar de investir nos dólares, e se deixar de investir em dólares irá deixar de comprar, ou reduzir substancialmente a compra de dívida americana…. Hmmmm… se a China deixar de financiar a dívida americana, onde irão os Estados Unidos encontrar neste mundo alguém que lhes financie a dívida? Onde? No Japão que está a braços com a maior crise desde a Segunda Guerra Mundial, o seu segundo maior financiador da dívida? Tal não me parece de todo plausível. Então Onde?
Não há quem!

Bem, e se não há quem, então o que terão de fazer os Estados Unidos para conseguir sobreviver ao mais que provável choque que se está a formar?

“Temos de cortar na despesa. Francamente, temos de cortar na despesa mais do que tem sido falado e durante um longo período de tempo.”
Walker prevê que os Estados Unidos terão de enfrentar uma crise da dívida “nos próximos dois a três anos” e implorou aos legisladores em Washington para “acordar”.
In CNBC

O senhor que disse isto não é um qualquer, é o antigo responsável máximo pelas contas dos Estados unidos, de 1998 a 2008, o Sr. David M. Walker, um dos principais responsáveis indirectos pelas coisas estarem como estão nos Estados Unidos e no mundo, que agora tenta a todo o custo avisar os seus pares que as coisas estão a chegar ao precipício… ao fim.

Este nosso mundo está a enfrentar desafios dantescos gerados pelas mentiras que se têm vindo a acumular ao longo das últimas décadas, pelas noções arbitrárias de defesa constante dos que mais têm em prejuízo dos Zé Povinhos do mundo, pela noção que dinheiro barato nas economias resolvem os problemas… tudo isto somado, e mais algumas coisas que não identifiquei aqui, estão a conduzir este mundo para um abismo.
Para verificarmos as mentiras -parte delas-  se calhar basta analisar o gráfico abaixo:

A taxa oficial de inflação seguiu sempre de perto o aumento do preço do petróleo… bem… quer dizer… hmmm… por volta de 1995 as leituras deixaram de estar interligadas… hmmm…
Deixo ao vosso critério uma análise mais profunda, mas, para mim, isto reflecte aquilo que cada vez mais vezes assistimos nas contas que servem de sustento à economia, sejam as contas para Portugal, para a Europa, para os EU, ou para a cochinchina… aquilo que chamo de “mão”nipulação, ou seja, uma mãozinha nos números de forma a dar-lhes um ar muito mais cor-de-rosa do que a real realidade.

Este é um mundo que anda desvirtuado nas suas virtudes, onde aquilo que devia ser não o é, e aquilo que não devia acontecer acontece:

Enquanto os americanos continuaram a sofrer com o declínio na economia, alta taxa de desemprego e aumento na inflação, a Reserva Federal americana obteve um lucro recorde de 81,7 mil milhões em 2010 – um crescimento de 53% quando comparado com 2009.
In RT

Tudo o que seja instituição financeira neste mundo está a lucrar como nunca! Tudo o que é aglomerado de capitais está a lucrar como nunca! Todos os que são ricos ficaram ainda mais ricos!
Onde está a virtude nisto?!?!?
Onde está a decência nisto?!?!

No mundo financeiro actual não existe decência, existe apenas lugar para o lucro.
Ainda ouvimos falar, e falar, e mais falar, que iriam ser tomadas medidas para controlar os mercados e as loucuras dos casineiros nesses mercados. Ouvimos isso vezes sem conta quando o mundo entrou em recessão em 2008, mas passados três anos o caso está igualzinho ao que estava antes de 2008:

Segundo dados da entidade norte-americana responsável pela regulação e supervisão de todos os bancos nacionais e agências de bancos estrangeiros nos EUA, cerca de 95% desta indústria, avaliada em 174 biliões de euros, é detida por quatro bancos de Wall Street.
In Diário Económico

Os mesmo que brincaram com a economia mundial antes de 2008 são os mesmos que continuam a brincar com ela em 2011, tudo isto com o apoio tácito dos bananas deste mundo e das instituições que nos dizem defender a economia… mas defendem a economia de quem??????
174 biliões?!?!?!?!? Sabem, o pacote de ajuda da UE\FMI às economias em estado titubeante na Europa tem “pouco” mais de 400 mil milhões… 174 biliões?!?!?!?!
Façam um exercício para ajudar a entender o “tamanho” desse número… dividam esse valor pelo número de habitantes no planeta e vejam quanto dá per capita:
Portanto, 6,7 mil milhões de habitantes actualmente no planeta a dividir por 174 biliões… é igual a 25.970,000 dólares per capita… apenas em derivados…  e apenas nos Estados Unidos… e apenas o número que os 4 grandes controladores deste mercado dizem ter… porque as contas independentes feitas ao valor desse mercado ultrapassam e muito os 174 biliões… mas em muito!!!
Quantas pessoas neste mundo se dão ao luxo de ter em carteira 26 mil dólares? Quantas?

Se calhar acham que fui injusto ao escrever que os bananas continuam a dar o seu apoio tácito a estes monstros. Se consideraram tal, então talvez concordem, consigam compreender e dar razão a estas medidas aprovadas pelos bananas portugueses:

Ministros, autarcas e directores-gerais, a partir de Abril todos estão autorizados a gastar mais dinheiro. No caso dos presidentes de câmara, o montante dos contratos que podem decidir por ajuste directo pode chegar aos 900 mil euros (até agora o máximo era 150 mil).
In Diário de Notícias

Faz tudo parte da mesma festa das loucuras que vamos assistindo no mundo dos “eles”, onde uns podem muitíssimo mais que os outros, onde uns têm cada vez muito mais que os outros, onde os outros são cada vez mais espezinhados pela loucura insana e ganância destes seres sem adjectivação possível…

Mas nós, os Zé Povinhos deste mundo, não iremos ser os únicos a ser afogados na onda da loucura destes seres, eles também irão perder muito, e muito mais do que julgam ser possível perder:

“O verdadeiro impulsionador do preço do ouro é o oceano de reservas monetárias que estão a ser criadas pelos bancos centrais irresponsáveis do globo,” disse David Crichton-Watt, manager de um fundo sediado em Kuala Lumpur avaliado em 140 milhões de dólares. “O resultado provável será hiperinflação, por isso o ouro poderá chegar a valores impensáveis.”
In Bloomberg

Quando alguém que joga na mesma mesa dos casineiros vem a terreiro afirmar tal coisa – ele que ganha rios de dinheiro no jogo actual -, só pode ser algo que deve ser levado não apenas em consideração mas levado muito e muito a sério. Hiperinflação!!!!
Hiperinflação significa a morte do Zé Povinho, mas também a morte do sistema financeiro mundial e das economias deste mundo, quase sem excepção.
Se acham que estamos em crise, então, segundo as palavras deste Sr., preparem-se porque estamos a viver no paraíso e o inferno poderá estar aí mesmo à porta, tudo à conta do jogo dos casineiros, à conta da mama dos bananas e à conta da ignorância dos Zé Povinhos…

Sabem, já existem exemplos de hiperinflação neste mundo:

Os preços ao consumidor subiram 12,91% em Fevereiro depois de um ganho de 14,19% em Janeiro, disse a Agencia Federal de Estatísticas em 10 de Março. (Paquistão)
In Bloomberg

Bem, para quem estes números não fazem logo disparar todos os alarmes de perigo, vou deixar aqui uma pequena explicação da verdadeira profundidade dos problemas que estão associados a isto:
Caso tenha um ordenado de 1000 euros em Janeiro e a taxa de inflação acumulada seja de 10% ao mês, em Outubro o seu poder de compra será inferior em 100%, ou seja, os seus 1000 euros valerão em Outubro o equivalente a 500 euros de Janeiro, portanto é o mesmo do seu ordenado ter sido reduzido para metade… isto no espaço de 10 meses… o mesmo que está a acontecer no Paquistão.
O Paquistão está longe, é distante?
A ver vamos…

Conclusão:
Os reis desta selva andaram e andam a brincar aos dólares… os mesmo dólares que são agora preteridos pelo ouro, dizem os reis da outra selva que compra a selva dos eles… e nesta selva aparecem animais, que já foram leões no seu tempo, a avisar que a selva está prestes a terminar… pois por muita mentira que se plante, o mundo não se irá dar eternamente ao desplante… mas enquanto isso, leões predadores continuam a angariar cada vez mais presas… e chegamos à conclusão que no reino dos leões existem apenas 4 que são machos de juba… e na selva que resta de Portugal os nossos leõezinhos que comem bananas continuam a caçar livremente… e no entanto… a caça… está a ficar cada vez mais escassa e complicada… tão complicada que o caçador vai virar caçado, porque a caça de hoje vai responder e morder nos leões que ontem o foram…

Notícia do Yahoo! Finance – “The Dollar Has Never Been at Greater Risk,” Says Howard Davidowitz
Notícia da Forbes – China’s Central Bank Recommends Gold For “Value Preservation”
Notícia da CNBC – US Finances Rank Near Worst in the World: Study
Notícia do Business Insider – A Look At The Margin Squeeze And Inflation Risk That’s Threatening The Economy
Notícia do RT – Fed reports massive profits
Notícia do Diário Económico – Mercado de derivados é dominado por quatro bancos
Notícia do Diário de Notícias – Lei autoriza Estado a gastar (muito) mais já em Abril
Notícia da Bloomberg – ‘Ocean’ of Money to Drive Gold’s Record Rally, Phoenix Says
Notícia da Bloomberg – Pakistan Holds Key Rate at 14% After Inflation Slows to Lowest in 7 Months

Tsunami Económico

Continuação do artigo: Tsunami Nuclear

As certezas da vida moderna foram num pequeno instante colocadas em causa por um terramoto imenso, por um tsunami de dimensões cataclísmicas e por um desastre nuclear.
O Japão, a terceira maior economia deste nosso mundo, ficou de rastos. Quais os impactos para o restante do mundo deste tsunami económico que se está a formar?
Esta é a pergunta que vou tentar parcialmente responder, e escrevo parcialmente porque a amplitude de tal solavanco para a economia mundial tem tantas ramificações que se torna quase impossível de conseguir extrair todos os seus impactos directos e indirectos.

Antes demais, para não variar, muita da informação que iremos ter acesso nos meios de informação generalistas tenderá a fornecer-nos uma visão optimista, na melhor das hipóteses… isto caso os meios de comunicação generalistas sigam com a sua conduta habitual, tal como podemos facilmente constatar neste caso:

Desastres no Japão não causarão recessão mundial, acreditam economistas.
In Deutsche Welle

Mas pior, é que esta informação anda quase esquecida nos meios de informação… e quando escrevo “quase”, estou a ser simpático para com a ausência de análises a este problema, pelo menos nos meios de comunicação em língua portuguesa.
Mas seguindo com as palavras dos economistas optimistas:

Wolfgang Leim, acredita que no momento não há perigo de recaída numa recessão. Ele acredita que, como ocorre após grandes greves, a redução provocada pelo cancelamento da produção em alguns setores pode ser recuperada. Parte da produção pode ser deslocada das empresas afetadas para suas unidades em outros países.
O economista-chefe do Unicredit, Andreas Rees, opina que, mesmo havendo um recuo nas atividades econômicas japonesas nos próximos dois ou três meses, este efeito será compensado posteriormente.
O primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, (…) o Japão pode até mesmo experimentar um boom econômico, comparável ao dos Estados Unidos na década de 1930, durante o “New Deal” do presidente Franklin Roosevelt.
In Deutsche Welle

Quase tudo positivo e bonito, não é verdade? O Japão vai recuperar num instante, o mundo não sofrerá consequências e isto até poderá mesmo representar um “boom” económico para o Japão. Estarão estas noções correctas? Porque razão quase só deram voz a noções positivas? Será isto uma vez mais informação tendenciosa, a quase regra da informação presente nos meios de comunicação generalistas? A ver vamos, mas os indicadores…

Quais os impactos para o sistema económico, para as energias e para o crescimento económico deste mundo?

O desastre na terceira economia do mundo é um factor inesperado que veio baralhar todos os outros que estavam previstos e descontados por analistas e mercados financeiros.  (…) está agora em risco não só o crescimento económico no Japão e na Ásia, como também a nível global. Para além do drama humano, começam-se a fazer cálculos económicos, após os efeitos imediatos da destruição de cidades, infra-estruturas rodoviárias e ferroviárias, fábricas, bens de consumo duradouro, campos agrícolas e fontes energéticas.
Também serão severamente afectadas as relações comerciais com os seus principais parceiros, nomeadamente a China que é o seu principal fornecedor. Não só se quebrará parte da procura nipónica para as suas cidades e fábricas na parte norte do país (no cenário futuro de reconstrução esta situação será fortemente invertida), como as exportações serão menores, com os efeitos que tudo isto acarreta a montante e a jusante.
In Diário Económico

Comecemos então pelo sistema económico:

Weinberg questiona se as pessoas afectadas pelo desastre irão pagar as suas hipotecas, os seus créditos e as dívidas dos seus cartões de crédito.
Ele afirma: “Poderemos assistir aos bancos a terem de assumir perdas em parte do seu portefólio de empréstimos.”
In CNBC

Esta é uma questão de análise tão simples no entanto nem sequer tem sido identificada pela grande maioria dos meios de comunicação generalistas.
Que perdas terão de ser assumidas pela banca japonesa que está intimamente ligada à banca mundial?
Sabemos que o Banco Central japonês já injectou mais de 300 mil milhões no mercado. Terá de injectar quanto mais para “salvar” os portfolios dos seus bancos? E a inflação que daí resultará?

A economia japonesa, já enfraquecida, talvez já mesmo em recessão antes da calamidade, irá ficar ainda mais fraca.
In New York Times

Portanto, é quase uma inevitabilidade o Japão entrar em recessão, Japão que representa aproximadamente 6% do PIB do mundo…6%! Se o Japão entrar em acentuada recessão o que irá acontecer ao crescimento no mundo? Sabem, em matemática 1+1=2, e neste caso é igual a uma provável recessão…

“Uma acentuada desaceleração no PIB do mundo, na segunda metade deste ano, é algo que não pode ser descartado.”
In The Globe and Mail

Num mundo já assolado pela crise no petróleo, pelas “revoluções” no Norte de África e Médio Oriente, pela alta da inflação na Ásia e nos mercados emergentes, pelas crises do crédito e descrédito com a banca, e pela dívida monumental que assola as economias desenvolvidas do mundo, tem agora de se juntar a isso tudo a crise de fundo no Japão.

Analistas dizem ser possível que as consequências venham a ser sentidas pelo mundo na forma de inflação mais elevada, diminuição no crescimento, ou num choque potencial para o sistema financeiro.
In The Washington Post

Porquê uma aceleração da inflação?

Especialistas em logística afirmam que o terramoto expôs pontos fracos críticos para uma vasta gama de negócios comerciais, tal como para as indústrias electrónicas e de produção automóvel.
In The Wall Street Journal

Uma aceleração na inflação porque o Japão representava quase 40% das exportações de componentes electrónicos para o mundo. A destruição das áreas costeiras japonesas levou com elas tanto as centrais nucleares como outras centrais geradoras de energia eléctrica, assim como muitas fábricas produtoras. O Japão não tem actualmente capacidade geradora de energia eléctrica para alimentar todo o seu tecido produtor, nem tal será exequível num espaço de tempo inferior a seis meses. O mundo terá de encontrar novos fornecedores, ao mesmo tempo em que a oferta diminui, o que fará inevitavelmente disparar o preço dos bens… preço que daqui a uns meses estará reflectido no mercado para os consumidores.
E há outro factor que está a ser recorrentemente “esquecido”… o Japão tenderá a passar de economia exportadora para uma economia importadora de forma a conseguir reabilitar as infra-estruturas que ficaram destruídas, assim como para conseguir aumentar a sua produção de energia através dos métodos convencionais, petróleo e carvão, que irão ser mais um dos factores a criar pressão inflacionária sobre o mundo. O Japão irá aumentar a pressão da procura sobre matérias-primas que já estavam sobre pressão na produção, e em vários casos, até mesmo em declínio, o que criará uma vaga inflacionária sobre o mundo.

Para além de que esta falta de componentes já estar a arrasar com parte da economia mundial:

Na quinta feira passada, a General Motors Co. tornou-se no primeiro produtor de automóveis a ter de encerrar uma fábrica por causa da crise no Japão.
In The Wall Street Journal

Desengane-se quem pensar que será apenas um problema para as fábricas de automóveis… Quase todas as indústrias que necessitam de componentes electrónicos estão a ser afectadas de forma violenta, levando que a maioria das fábricas produtoras no mundo estejam a reduzir a produção de modo a tentar evitar a todo o custo a paragem, e a tentarem arranjar tempo para encontrar novos fornecedores num mercado já de si espremido.

Mas existe um problema que poderá vir a ser mesmo uma bomba atómica para a economia mundial:

As suas corporações e bancos estão imensamente interligadas com o mundo e fazem parte do tecido que liga a economia global.
In The Washington Post

O Japão foi o segundo maior comprador de bilhetes do Tesouro americanos, e comprou em Janeiro mais de 20% (…) da dívida emitida pelo Fundo de Estabilidade do Euro para financiar os países em dificuldades na periferia do Euro.
In The Globe and Mail

O Japão é um dos maiores e mais activos financiadores das economias mundiais. O Japão é o segundo maior detentor de dívida americana e um dos maiores de dívida dos países europeus. Se actualmente já é tão difícil para a maioria dos países encontrarem financiadores para a sua dívida, o que irá acontecer daqui para a frente com o quase desaparecer do Japão do mercado enquanto comprador?

“As suas poupanças irão agora ser redireccionadas, directa ou indirectamente (através da aquisição de títulos japoneses), para a reconstrução, estes fundos deixarão de estar disponíveis para financiar economias estrangeiras.”
In The Globe and Mail

Mas há ainda pior… e se o Japão tiver de vender os seus investimentos em dívida dos outros países de modo a conseguir financiar a sua reconstrução?

O iene ganhou terreno durante toda a semana ao dólar – o oposto que se poderia esperar. Mas as companhias japonesas e investidores estiveram a fazer retornar o seu dinheiro para o território japonês, de modo a conseguirem pagar os imensos custos de reparação.
In New York Times

O Japão poderá vir a vender parte dos seus investimentos em dívida estrangeira, incluindo dívida dos Estados Unidos, para financiar um aumento da despesa depois do maior terramoto registado no país ter deixado milhões sem electricidade e sem água, de acordo com a Brown Brothers Harriman & Co.
In Bloomberg

Este é o terceiro factor de pressão inflacionária directamente ligado aos problemas que afectam o Japão. Mais dólares e mais euros entrarão no mercado se o Japão começar a vender os títulos de dívida de países estrangeiros. Eis o porquê do desespero dos bancos centrais das sete economias mais fortes do mundo andarem que nem doidos a vender ienes de modo a tentar controlar uma implosão das moedas mundiais.
Se o Japão começar a vender dívida de terceiros o mundo económico irá mais que provavelmente explodir em inflação e em contracção económica.

E o que fará este mundo casineiro e bananeiro quando tiver de enfrentar pelos cornos estes problemas?
O mesmo que tem vindo a fazer até aqui (Já o está a fazer)… irá imprimir dinheiro para tentar acolchoar a queda, acção que irá aumentar e agravar as pressões inflacionárias sobre o mundo… que irão por si ajudar a contrair ainda mais fortemente a economia mundial…

E falta juntar a todos estes tópicos a cereja no topo do bolo.
Se acontecer um desastre nuclear tipo Chernobyl no Japão, como se afigura cada vez mais provável? Pois é… todos estes factores tenderão a ser exponencializados N vezes… e a seguir será apenas o início do fim há muito anunciado…

Conclusão:
Japão papão em apagão… apagão que já se estende a todo o mundo… e inflação que irá papar tipo comilão aquele mundo que julgava estar desenvolvido… mas desenvolvido poderá ser apenas um desenvolver em marcha-atrás… atrás daqueles sonhos que são na realidade mais pesadelos, criados por homens que se julgavam superiores ao planeta… mas este planeta é vida, e a vida não se padece com sonhos de crescimento eterno… e de inflação em inflação iremos chegar até ao porto da desgraça em que seremos violentamente consumidos pela onda de um tsunami económico que engolirá todo este mundo… de eterno… e ilusório… crescimento.

Notícia do The New York Times – Certainties of Modern Life Upended in Japan
Notícia do Deutsche Welle – Desastres no Japão não causarão recessão mundial, acreditam economistas
Notícia do Diário Económico – Godzilla existe!
Notícia da CNBC – Nikkei Losses to Double: Economist
Notícia do The New York Times – A Crisis That Markets Can’t Grasp
Notícia do The Globe and Mail – Global economy faced with a new recession
Notícia do The Washington Post – Japan earthquake’s aftermath: Economists more pessimistic about long-term impact
Notícia do The Wall Street Journal – Crisis Tests Supply Chain’s Weak Links
Notícia do The New York times – Stress Test for the Global Supply Chain
Notícia da Veja – Catástrofe no Japão pode mudar planos de montadoras
Notícia da Bloomberg – Japan May Sell U.S. Treasuries After Earthquake, Brown Brothers’ Thin Says

Tsunami Nuclear

Agência de segurança nuclear exclui acidente tipo Tchernobyl. Reactores nucleares Mark1 levaram à demissão de cientistas da General Electric. Reguladores foram avisados dos riscos com os reactores. Japão foi avisado sobre perigo de sismos para as centrais nucleares. Escândalos e dúvidas na história da central de Fukushima. Temida a fuga de radiações e especialistas nucleares focam um possível encobrimento. Líderes japoneses deixam o povo no escuro. Organização Mundial de Saúde: não há risco fora do perímetro de segurança. O risco de radioactividade para Tóquio é limitado, mesmo no pior dos cenários: dizem especialistas britânicos. O acidente nuclear japonês é território desconhecido. NRC afirma que a piscina de combustível usado da unidade 4 perdeu uma massiva quantidade de água; Japão nega a conclusão. Helicópteros lançam água para evitar fusão. Operação com helicópteros fracassa e níveis de radiação seguem altos em Fukushima.

O mundo está assistir, quase em estado de letargia, aos acontecimentos no Japão, depois de um dos maiores terramotos já registados, seguido por um tsunami de dimensões épicas e agora com um desastre nuclear em desenvolvimento.
A noção que o Homem tem do seu mundo… que a tecnologia nos irá salvar, que o desenvolvimento é imparável, que conseguimos controlar a natureza, etc., é facilmente e totalmente rebatida em menos de nada, quando confrontados com a volatilidade deste nosso mundo . Esta realidade menos positiva é constantemente descartada da mente das pessoas, criando nelas a perigosa noção de que o amanhã irá ser sempre melhor que o presente. O pernicioso dessa noção é que as pessoas nem sequer chegam a colocar em consideração a preparação para um mundo que nem sempre trará um futuro melhor. Quem não o faz coloca todo o seu futuro nas mãos de uma esperança e não com base numa realidade.

Amanhã, ou depois, irei tentar contextualizar os problemas com que se debate actualmente o Japão e as suas implicações para a economia do nosso mundo. Hoje vou abordar os problemas que assolam o Japão analisando “apenas” o quadrante da manipulação de informação que tem sido factor recorrente desde que se soube que quatro centrais japonesas tinham sido danificadas pelo terramoto seguido de tsunami. Acho que esta abordagem poderá facilitar a compreensão da questão quando for analisada pelo lado económico e de futuro para o nosso mundo moderno.

Antes de avançar… há uns dias um amigo meu disse-me: “a tua análise é tendenciosa para o negativo”, ao qual respondi: “sim é, e propositadamente, porque tendenciosos são os nossos meios de comunicação social que conseguem quase inacreditavelmente dar espaço a esperanças em mais de 90% da informação que eles disponibilizam, mesmo que essas esperanças possam muitas das vezes ser falsas, colocando em causa a preparação das pessoas para um amanhã que poderá ser menos bom.”
De que vale às pessoas uma continuada informação de que as coisas irão continuar tal como estão sem solavancos para sua vida, quando comparado com uma informação que ajude as pessoas a preparar-se para algo que os poderá ajudar a contornar com menos dificuldades as esquinas que a vida lhes poderá colocar à frente?

Escrito isto… na segunda feira, 14 de Março, começámos a ser bombardeados com informação mais positiva do que demonstrava a realidade da questão dos problemas nas centrais nucleares japonesas:

“Não há absolutamente qualquer possibilidade de um Tchernobyl”, declarou o ministro Koichiro Ganba aos membros do Partido no poder, com base num relatório da agência [de segurança nuclear japonesa].
In Expresso

Esta informação assumiu a preponderância na forma como os meios de informação começaram a abordar os problemas nas centrais nucleares japonesas.
Poucos meios de informação no mundo se deram ao trabalho de verificar a fiabilidade de tal comunicado com muito pouco sumo de real informação, e escrevo isto dessa forma porque bastaram um par de dias para que tal fosse liminarmente posto em causa. O jornalismo não é nem pode ser apenas copy\paste das informações (ditas) oficiais, sob pena de se transformar num veículo de distribuição de informação tendenciosa.

E quando os meios de informação fazem realmente jornalismo, o que acabam quase invariavelmente por descobrir é que a versão (dita) oficial dos acontecimentos é tudo menos… verdade:

Há 35 anos, Dale G. Bridenbaugh e dois dos seus colegas da General Electric demitiram-se dos seus cargos depois de ficarem mais que convictos que o desenho do reactor nuclear que estavam a rever — Mark 1 — tinha tantas falhas que poderia conduzir a um acidente devastador.
In ABC

Portanto… as instituições responsáveis por controlar o nuclear já estavam cientes que havia probabilidades bem reais de tal de poder suceder.
Portanto… como ler então esta afirmação: “Não há absolutamente qualquer possibilidade de um Tchernobyl”?
Falsa e manipuladora, talvez?

“Os problemas que identificámos em 1975 foram, que ao desenharem o silo do núcleo, não levaram em consideração as cargas dinâmicas que podiam acontecer com uma perda no sistema de arrefecimento”, disse Bridenbaugh à ABC News. “As cargas que o silo conseguia suster desta rápida libertação de energia podiam destruir o silo e criar uma libertação incontrolável de radioactividade.”
In ABC

Hmmmm…. parece mesmo um relato fiel ao que está a acontecer no Japão… sem tirar nem pôr.

Os seis reactores nas centrais de Fukushima, que sofreram duas explosões, são reactores arrefecidos a água desenhados pela GE. Cinco são dos originais Mark1 e entraram em serviço entre 1971 e 1979.
in The Guardian

Acho que apenas munidos desta informação já teríamos informação suficiente para nunca dizer termos o descaramento de dizer descomplexadamente “não há absolutamente qualquer possibilidade de um Tchernobyl” e estar mais que preocupados em tentar afastar as pessoas do raio de acção destas bombas nucleares em potência.
Mas não, os meios de informação para as massas continuaram e continuam, em mais de 90% dos casos, a contar esperanças, a difundir informações (ditas) oficiais e a fazer muito pouco jornalismo… verdadeiro.

E Fukushima para os japoneses é sinal de mentiras e mentirosos, mas parece que para a maioria dos meios de comunicação é uma fonte segura que serve de sustento de grande parte das linhas que escrevem todos os dias:

No final de Agosto de 2002, a agência japonesa de segurança nuclear concluiu que, desde os anos 1980, havia uma prática sistemática de ocultar problemas detectados nas inspecções à central de Fukushima – incluindo fissuras nas estruturas dos reactores.
A Tepco admitiu tudo e desculpou-se publicamente, apenas para descobrir, um mês mais tarde, mais oito casos de omissão de informação sobre problemas nos tubos de circulação primária da central de Fukushima.
Em 2006, a empresa encontrou dados falsificados sobre a temperatura da água de refrigeração de Fukushima-Daiichi em 1985 e 1988. E em 2007, um sismo de magnitude 6,8 provocou um incêndio noutra central nuclear – Kashiwazaki Kariwa, a maior do mundo.
In Público

Portanto, os mesmos que mentiram constantemente no passado são agora a fonte das esperanças recorrentemente apresentadas nos meios de informação.
Haverá alguma lógica nisto para além do desejo de apresentar uma visão distorcida da provável realidade? Talvez… talvez…

Em Dezembro de 2008 a organização de vigilância internacional para questões nucleares fez saber ao Governo japonês que as regras de segurança das centrais nucleares estavam ultrapassadas e que sismos fortes poderiam ser um «sério problema», avança a edição online do The Telegraph.
In Sol

Ao juntarmos todos os problemas identificados há décadas; as mentiras e omissões recorrentes dos responsáveis, com a informação de que as centrais não estavam devidamente preparadas para lidar com terramotos, ficamos com? Ficamos com uma molhada de factores que nos dizem directamente que o futuro das centrais em causa tenderá a ser pior do que o que está a ser retractado em 90% das notícias presentes nos meios de informação para as massas.
Com que bases sustentam então os meios de informação essa tendenciosa noção que insistem transmitir? Que interesse?

Quando abrem espaço àqueles pouco menos de 10% de informação real, ficamos com isto:

Especialistas nucleares lançaram dúvidas sobre a fiabilidade das informações oficiais disponibilizadas sobre o acidente na central de Fukushima, afirmando que estas seguiam um padrão de secretismo e ocultação verificados em outros acidentes em centrais nucleares. “É impossível aceder às leituras de radiação,” disse John Large, um engenheiro nuclear independente que trabalhou para o governo britânico e que foi nomeado comissário da Greenpeace para o relatório do acidente.
“As acções do governo japonês são totalmente contrárias das suas palavras. Evacuaram 180 mil pessoas mas dizem que não existe radiação.
In The Guardian

Portanto… sustentam maioritariamente as suas afirmações num copy\paste desconexo da realidade apresentado pelas (ditas) fontes oficiais, que mais parecem fontes oficiais para a mentira, e raramente penetram em profundidade nas questões.
Fontes oficiais que pouco mais são que encobridores oficiais da verdadeira história:

(…) o povo japonês continua a esperar em vão por informação fiável sobre a possibilidade de fusão do núcleo e de instruções úteis sobre como se proteger. O que, por exemplo, deverão fazer as 30 milhões de pessoas que vivem na área metropolitana de Tóquio se no futuro Edano anunciar radiações elevadas?
O mesmo está a ocorrer com as instituições japonesas, que estão a confundir o público da mesma forma que o gabinete do Primeiro Ministro. Nessas está incluída a agência nuclear, NISA.
In Der Spiegel

E não são apenas as instituições japonesas e o governo japonês que estão a manipular a forma como a informação está a chegar até às pessoas, com a conivência do copy\paste dos meios de informação para as massas, pois as instituições e governos internacionais também por lá pululam no barulho ensurdecedor da manipulação de informação, nas mentiras:

A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirma que não há risco de radiação excessiva para a população japonesa que vive fora do perímetro de segurança em torno da central nuclear de Fukushima 1. Para já, também não existe risco fora do território japonês.
In Público

A Organização Mundial de Saúde a dizer tal barbaridade perante toda a informação que estava e está disponível? PARA JÁ não existe risco FORA do território japonês e no território japonês não existe risco para além da zona de exclusão?!?!?!
Podemos confiar nestes “monstros” que defendem quase exclusivamente interesses que não os das populações deste mundo?
VERGONHA!

Responsável das Ciências da Grã-Bretanha:

“Assumindo o pior dos cenários, acontecerá uma explosão”, disse. “Bem, isso é bem sério, mas será sério apenas para a área local. Não será um problema sério para outras áreas.”
Assumindo que os padrões de vento irão conduzir a radioactividade até Tóquio, não haverá “nenhum problema sério” para a saúde humana.
In Bloomberg

Inacreditável se não fosse verdade a inverdade monumental exposta nestas palavras de um “ser” que tem responsabilidades na defensa do respeito pelas bases com que a ciência deve proteger este nosso mundo!
Monumental… é única palavra que me vem à cabeça para adjectivar tal displicente comportamento!

Mas não ficamos por aqui…
Então o que disse a Agência de Energia Atómica ou, simplesmente, o braço político-cientifico da ONU para a energia nuclear?

O Secretário Geral da Agência, Yukiya Amano, diplomata japonês que assumiu o cargo em 2009 depois de lóbie intenso por parte de Tóquio. Amano e a sua equipa foram acusados de responsabilidade nas longas demoras na divulgação dos desenvolvimentos sobre o desastre em Fukushima.
“Depois de Chernobyl, todas as forças da industria nuclear foram dirigidas para o esconder deste evento, de forma a não manchar a sua reputação. Os acontecimento em Chernobyl não foram suficientemente estudados porque que tem o dinheiro para realizar esses estudos? Apenas a indústria nuclear. Mas a indústria não gosta disso,” disse Andreev à Reuters.
“Os japoneses foram demasiadamente gananciosos e utilizaram todos os centímetros de espaço. Mas quando se tem uma densa disposição na bacia de combustível usado, então terá um aumento das probabilidades de fogo, caso a água seja retirada da bacia,” disse Andreev.
In The Guardian

Podridão, dinheiro, interesses, são palavras que poderão qualificar a verdadeira essência do ser humano quando em presença de dinheiro a ganhar e de interesses.
Mas mais grave que isso, digo eu, é os meios de comunicação social ficarem agradavelmente à espera que esta carrada de seres asquerosos emitam comunicados pseudo-oficiais, ou seja mentirosos, para reportar em 90% das suas linhas editoriais aquilo que outros desejam que seja a verdade… quando na sua essência essas linhas escritas são apenas uma grande mentira.

Poucos foram os meios de informação que desde o início do acidente não seguiram o guião das informações (ditas) oficiais, as inverdades, e que deram lugar de destaque àquilo que hoje já é uma verdade quase inquestionável. E a verdade é que o que está a acontecer no Japão está a caminhar de forma imparável na direcção de um desastre total, que aparentemente irá continuar a ser “encoberto” na maioria das linhas editoriais da comunicação social deste mundo.
Mesmo assim há uma informação que está a ser recorrentemente “escondida” das páginas da comunicação social, mesmo naqueles exíguos 10% abertos à realidade:

“Cremos actualmente que a unidade 4 possa ter perdido uma parte significativa do seu inventário, se não mesmo toda a sua água,” disse Jaczko perante a Comissão de Audiência de Energia e Comércio. “O que sabemos da unidade 3, e reafirmo que a informação que temos é limitada, o que achamos é que também existe um rompimento na piscina de combustível usado da unidade 3, o que poderá conduzir à perda de água.”
“Estamos muito próximos do ponto sem retorno,” afirmou o Dr.Michio Kaku.
“Temos rompimentos, rompimentos nos silos… e se esses rompimentos aumentarem ou se acontecer uma explosão, estaremos a falar de Chernobyl, algo para lá de Chernobyl,” afirmou Kaku.
In ABC

Esta é muito provavelmente a real realidade da situação neste momento. Enquanto isso os nossos meios de (des)informação preferem dar lugar de destaque a algo que pessoalmente considero um desenho animado para a cabeça dos Zé Povinhos do mundo tal a sua insignificância, até mesmo estupidez:

Poucos minutos depois das 10.00 da manhã no Japão (2.00 em Portugal), helicópteros do exército atiraram água do mar (mais de 7.500 litros) para o reactor 3 (o mais perigoso porque contém plutónio em vez de urânio). No reactor 4 está prevista a injecção de água através de camiões preparados para o efeito.
In Diário de Notícias

Hmmm… os mesmos helicópteros que têm dificuldades em conseguir apagar um vulgar incêndio numa mata estão a ser usados para tentar fazer baixar temperaturas nos reactores que podem ultrapassar temperaturas quase incomensuráveis?!?!?!?!?!?!
Não sei se hei-de rir ou chorar tal o estado das coisas por lá, mas este poderá ser indubitavelmente um sinal que já estejam a tentar o impossível, a gastar os últimos cartuxos.
E mais simples ainda… meus senhores, se eles pensam que conseguem arrefecer os reactores com água lançada de helicópteros, então poderá ser porque o silo, que protege o mundo da radiação do reactor, está exposto, de outra forma seria apenas água contra as paredes do sarcófago nuclear… e se o silo está exposto…

O lançamento de água do mar a partir de helicópteros militares para tentar resfriar um dos reactores da usina de Fukushima 1 não surtiram os efeitos esperados e os níveis de radiação seguem altos no local, informou nesta quinta-feira a empresa Tokyo Electric Power (Tepco), que opera o complexo nuclear.
In Folha

Pois claro…

Conclusão:
Uma onda de mentiras inundou este mundo… mentiras compradas desde há décadas para que o mundo não se apercebesse da onda que já estava formada… e um tremor em formato de temor assumiu posição no mundo… exceptuando nos meios de informação para as massas que são quase apenas e só máquinas de impressão de mentiras… e por isso, grande parte do mundo vive ainda hoje como se não houvesse amanhã… o problema é que o amanhã pode não chegar como desejado hoje… pode não vir a ser um cantinho amado… pois poderá estar a caminho um tsunami nuclear…

Notícia do Expresso – Agência de segurança nuclear exclui acidente do tipo Tchernobyl
Notícia da ABC – Fukushima: Mark 1 Nuclear Reactor Design Caused GE Scientist To Quit In Protest
Notícia do The Guardian – Japan’s nuclear crisis: regulators warned of reactor risks
Notícia do Público – Escândalos e dúvidas na história da central de Fukushima
Notícia do Sol – Japão foi avisado sobre perigo de sismo nas centrais nucleares
Notícia do The Guardian – Japan radiation leaks feared as nuclear experts point to possible cover-up
Notícia do Spiegel – Japanese Leaders Leave People in the Dark
Notícia do Público – OMS: não há risco fora do perímetro de segurança
Notícia da Bloomberg – Radioactive Risk to Tokyo Limited Even in Worst Case, U.K. Official Says
Notícia do The Guardian – UN’s nuclear watchdog IAEA under fire over response to Japanese disaster
Notícia da France24 – Japan’s nuclear crisis is ‘uncharted territory’
Notícia da ABC – Nuclear Crisis: NRC Says Spent Fuel Pool at Unit Four Lost Massive Amounts of Water; Japan Disputes Claims
Notícia do Diário de Notícias – Helicópteros lançam água para evitar fusão
Notícia da Folha – Operação com helicópteros fracassa e níveis de radiação seguem altos em Fukushima

Vergonha das Vergonhas!

Quão seguras são as dívidas soberanas da zona euro? Triunfo total da Alemanha com a subjugação do peixe miúdo da Europa. União Europeia desenvolve uma nova linha de salvação para Portugal. Portugal acha que os juros se situarão entre os 5% e os 6%. Novo programa de austeridade foi feito com técnicos do BCE e da Comissão Europeia. Reformados são os mais afectados pelas novas medidas de austeridade. Pensionistas com menores rendimentos irão ser os mais castigados nos impostos. Reformados pagam mais de mil milhões da consolidação. Pensionistas devem receber menos 449 milhões. IRS pode subir até mais de 540 euros para os reformados. Governo insiste no tecto às despesas com a saúde para 1,5 milhões de contribuintes. Saúde prepara novos cortes nas comparticipações. Executivo quer liberalizar rendas antigas. Finanças voltam à proposta de subida do IVA nos produtos alimentares. Executivo não vai forçar portugueses a comprar dívida pública. Governo vai encorajar a poupança automática das famílias. Governo prepara redução do IVA para o golfe.

Há momentos em que os dramas causados pela natureza neste nosso mundo fazem com que deixemos escapar os dramas evitáveis cozinhados usualmente por aquelas classes de Homens que são verdadeiramente anormais… os bananas e os casineiros.

Portugal, a sua soberania e o seu Zé Povinho – o que não faz parte do 1% – foram nestes últimos dias atacados por um tsunami de medidas dantescas com o cunho dos anormais. Infelizmente a natureza presenciou-nos com um tsunami que era, esse sim, imparável. O tsunami social que está a ser desenvolvido contra o Zé Povinho português é evitável… desde que…

Antes de entrar, propriamente dito, nos danos para Portugal, façamos uma pequena “tour” pelas dívidas soberanas e suas classificações atribuídas pelas entidades internacionais:

In The Telegraph
Há aqui coisas que saltam logo à vista.
– As economias mais fortes da Europa, quase sem excepção, são as que estão mais endividadas e todas elas estão no topo das classificações, exceptuando a Itália que é por sinal a rainha das dívidas.
– Porque razão a Estónia, que não pede quase dinheiro emprestado, não está classificada como AAA?
– Porque razão a Itália que é um monstro sorvedouro de dívida não está ao nível da Grécia?
Há por aqui coisas que derrotam o bom senso, digo eu.
Será esta uma classificação da força e poder da banca e não uma classificação ao risco de incumprimento de pagamento de um Estado, como nos é constantemente transmitido pelos nossos(?) meios de comunicação social?
A Estónia que nada deve tem um risco de incumprimento comparável ao de Portugal? Brincamos ou quê?
Os que mais devem são, por norma, aqueles que melhor classificação têm? Brincamos ou quê?
Como é possível a Itália não estar a ser consumida pelas agências de rating, tal a monstruosidade da sua dívida? Brincamos ou quê?
Pelos visto isto poderá ser mais uma brincadeira dos casineiros com a conivência dos bananas, tal a incongruência demonstrada nesta tabela quando comparada com as palavras usadas para explicar os seus porquês.

E então o facto da Alemanha ter uma vez mais imposto as suas medidas no seio da Europa?
Haverá um país que será mais que os outros nesta Europa a muitos… poucos? Pelos vistos…

A dama de ferro Chanceler da Alemanha não podia ter sido mais clara. “Quem quiser crédito terá de aceitar as nossas condições.”
In The Telegraph

Mas isto é uma Europa a 1 ou a 17?
A resposta? A 1!

E quais foram as imposições da Alemanha aos três párias da Europa, Grécia, Irlanda e Portugal?
Grécia:

À Grécia, os termos são a obrigação de vender bens do Estado no valor de 50 mil milhões no espaço dos próximos quatro anos, um aumento de dez vezes sobre os iniciais 5 mil milhões que o Primeiro Ministro George Papandreou julgava ter assinado no ano passado.
In The Telegraph

Os principais bens do Estado grego estão avaliados em pouco mais de 15 mil milhões de euros, onde irá o governo grego desencantar mais 35 mil milhões? Onde? Irá vender ilhas? Irá vender soberania? Irá vender o seu Zé Povinho? Talvez tenha de vender um pouco de tudo de forma a conseguir agraciar a banca alemã com o cumprimento das dívidas…

Irlanda:

Para a Irlanda, uma condição apenas – ainda não aceite – que é subir a taxa de IRC de 12,5% sobre o investimento, descrito pelo líder francês Nicolas Sarkozy como “obsceno”.
In The Telegraph

Para Portugal:

Para Portugal, é mais cortes, uma redução do défice para 5,3% num ano. Pensões, apoios sociais e gastos com a saúde terão de ser reduzidos, depois das medidas já adoptadas de redução dos salários.
In The Telegraph

Pessoalmente tenho muito orgulho em ser português, tenho muito orgulho das minhas origens e não aceito de bom grado, sob condição alguma, que alguém de fora do meu país decida o que o Zé Povinho português terá de sofrer de modo a que um grupo de bananas e casineiros possa lavar a sua face perante a alta sociedade do despesismo e da dívida europeia. Que moral tem essa dama de ferro para exigir o que quer que seja aos outros quando ela governa um dos maiores desgovernos na Europa? Que moral atesta esse Sarkozy para exigir aos outros aquilo que ele não faz?
Porque não exigem a vós, Alemanha e França, uma redução de 90% das suas dívidas públicas, de forma a ficarem equiparáveis às restantes da Europa? Porque não exigem à Itália a redução em 90% da sua dívida pública de forma a ficar comparável aos restantes membros desta Europa a poucos?
PORQUÊ?!?!?!?!?!?!?

E os bananas de Portugal aceitam ser subservientes do despesismo dos outros para que o seu despesismo possa ser salvo por uma linha de financiamento que permitirá aos nossos bananas poderem recorrer a ela caso os mercados lhe fechem a porta. Portanto, Portugal já está a receber o pacote de ajuda(?) – belo nome dado pelos predadores a um pacote de LUCRO – providenciado pelo União Europeia. Só falta o FMI, mas como as semelhanças entre EU e FMI são mais que muitas, venha o diabo e escolha o pior…
E os nossos bananas vendem a sua subserviência e soberania do nosso Portugal por taxas de juro entre os 5% e os 6%. Para quem já não se lembre, ainda não faz um ano e Portugal financiava-se nos mercados a taxas aproximadas a 3,5%. Onde está ajuda? Pelo menos digam a verdade… não é uma ajuda é apenas e quase só um lucrar POR VEZES um pouco menos do que se fosse em mercado aberto. Isto são acções de predadores e não de países que se dispõem a ajudar Portugal.
E claro, como confirmação da venda da soberania nacional a uns casineiros e bananas estrangeiros, ficámos a saber que as medidas de austeridade que estão agora a ser cozinhadas foram feitas sob anuência e presença física de membros da União Europeia e do Banco Central Europeu.
Perdoem-me a expressão: Em tempo de guerra a traição à pátria é um crime de extrema gravidade, e como considero que o Zé Povinho está a ser dizimado e bombardeado nesta guerra aberta dos casineiros com a conivência dos nossos bananas, isto é um crime de LESA PÁTRIA!

Uma equipa de técnicos do Banco Central Europeu de várias nacionalidades incluindo alemã, assim como técnicos da Comissão Europeia estiveram durante estas duas últimas semanas a desenhar com o Ministério das Finanças as medidas hoje anunciadas, apurou o Negócios.
In Jornal de Negócios

Eu tenho vergonha dos nossos bananas! VERGONHA!!!!!

Mas vergonha deviam eles ter e não têm, pois é mesmo à descarada que assumem a defesa daqueles que não necessitam dela para desproteger ainda mais os mais pobres! VERGONHA!!!!
Então ficámos a saber que as medidas IMPOSTAS pelos casineiros e bananas alemães e afins servirão para retirar o pouco que ainda sobra aos mais pobres e aos mais desprotegidos de modo a conseguirem continuar a alimentar o seu modo de vida totalmente desconectado da realidade de 99% do Zé Povinho. VERGONHA!!!!

Reformados são os mais afectados pelas novas medidas de austeridade.
Cortes nos rendimentos mensais e aumento do pagamento de impostos em sede de IRS será a nova realidade dos pensionistas portugueses.
In Jornal de Negócios

Pensionistas com menores rendimentos vão ser mais castigados nos impostos.
Agravamento fiscal anunciado pelo Governo pode ultrapassar os 530 euros para reformados com pensões de cerca de 805 euros mensais.
In Diário Económico

Reformados pagam mais de mil milhões da consolidação em 2012.
Um quarto do esforço previsto para 2012 será pago pelos idosos portugueses através de cortes de pensões e aumentos de impostos,
In Jornal I

IRS pode subir até mais 540 euros para os reformados
Além de cortes ou congelamentos no valor na pensão, uma grande fatia de reformados poderá contar com outra ceifadela no valor da sua reforma por via do IRS.
Serão prejudicados todos os reformados com pensões abaixo de 2.300 euros/mês, mas o sacrifício maior será para quem ganhe abaixo de 1.700 euros. Nalguns casos, o IRS a pagar pode duplicar.
In Jornal de Negócios

Não há maior descaramento social que retirar àqueles que menos têm para dar aos que já têm demais. Alguém por acaso ouviu alguma medida para taxar mais os que mais têm?!?!?!?!?
Por acaso alguém ouviu alguma medida para retirar os benefícios fiscais e taxar mais a banca?!?!?!?!
Por acaso alguém ouviu alguma medida para taxar os lucros em bolsa?!?!?!?!
Por acaso alguém ouviu alguma medida para taxar o movimento de capitais para as offshores?
ALGUÉM?!?!?!?!?!?!
VERGONHA!!!!!!!

Ah, mas não nos esqueçamos que os alemães exigiram cortes na despesa com a saúde.
Quem, do Zé Povinho, é mais afectado por cortes da despesa com a saúde? Quem? Principalmente os reformados e os mais pobres!!!! VERGONHA!!!!

Os contribuintes com um rendimento colectável entre 7.410 e os 61.244 euros por ano arriscam-se a sofrer um forte aumento da carga fiscal nos próximos anos, caso as intenções do Governo em matéria de IRS avancem.
In Jornal de Negócios

Portanto, todos os contribuintes que ganhem mais de 610 euros por mês, ou seja, quase todo o Zé Povinho, deixará de poder deduzir despesas com a saúde…
Ok, ainda não tiraram tudo pois não?

Saúde prepara novos cortes nas comparticipações
Novas medidas de controlo da despesa do SNS podem passar pela redução nas comparticipações de medicamentos e pela revisão das tabelas da ADSE.
In Diário de Negócios

Ainda não tiraram tudo mas vão tirar mais uma talhada. E quem irá sofrer mais com mais esta medida? Os reformados e os mais pobres!!!! VERGONHA!!!!!!!!!

Será que ainda haverá espaço para mais vergonhas?

Executivo quer liberalizar rendas antigas.
Em causa está o aumento de 429 mil rendas anteriores a 1990.
O Governo anunciou ontem a intenção de liberalizar as rendas antigas – anteriores a 1990. Em causa estão 429 mil rendas de entre as cerca de 700 mil existentes, segundo dados dos Censos de 2001.
In Diário Económico

Então não há!!! Até conseguirem que deixe de haver Estado Social esta seita de predadores racionalmente bajuladores da banca e dos interesses internacionais irão sempre encontrar mais medidas para irem com as suas conspurcadas mãos de traição ao bolso dos mais pobres!
Quem paga rendas anteriores a 1990?
Na sua grande maioria os reformados!!!! VERGONHA!!!!!!

Mais?

Finanças retomam proposta de subida de IVA nos produtos alimentares.
Na mira do Executivo poderá estar novamente o aumento das taxas reduzidas e intermédias de IVA que incidem sobre alguns produtos. Isto é: passagem de alguns produtos com taxa de 6% para 13%, e desta taxa intermédia para a taxa normal que, desde Janeiro deste ano, passou de 21% para 23%.
In Diário Económico

Há sempre espaço para mais uma…
Quem senão os mais pobres irá sofrer com o aumento da taxa de IVA sobre os produtos alimentares de primeira necessidade?
VERGONHA!!!!!

E depois disto tudo ainda temos direito à ideia do século, que me fez recordar tempos passados num passado com muito pouca liberdade e ainda menos liberdade de expressão:

O ministro das Finanças anunciou hoje que está a trabalhar com o Banco de Portugal num plano de promoção da poupança interna e redução do endividamento das famílias.
O Ministério das Finanças não explica que forma vão assumir estas “poupanças automáticas”. Da oferta da banca fazem parte algumas soluções que prevêem a entrega mensal de montantes fixos para contas poupança.
In Jornal de Negócios

Hmmmm… quase sempre que os bananas colocam um título pomposo nas suas medidas como “poupança automática”, acaba invariavelmente por demonstrar ser o contrário. Por isso, talvez isto ainda venha ser uma “poupança compulsiva”, porque quase a única coisa que a esmagadora maioria do Zé Povinho português consegue poupar é na raiva para com os bananas!

“A poupança é voluntária”. Foi com esta resposta ao Diário Económico que o Ministério das Finanças descartou a possibilidade de o pagamento do 13º mês ser efectuado com títulos de dívida pública portuguesa. Isto significa que se Teixeira dos Santos decidir adoptar esta medida de contenção, a mesma não surgirá como uma imposição. Um ligeiro alívio para os portugueses que acabam de conhecer novas medidas de austeridade.
In Diário Económico

Ahhhhh… com que então esta medida poderá ser uma artimanha com um título todo pomposo para esconder o que na sua essência será um IMPOSTO COMPUSIVO SOBRE O 13º MÊS de ordenado do Zé povinho… ahhhh!!!! VERGONHA!!!!!

E para fechar por hoje nada melhor que aqui deixar um claro sinal dado pelos nossos bananas de que nem todos os impostos irão subir e quem nem todo o Zé Povinho irá sofrer ainda mais:

Os campos de golfe deverão voltar a ser tributados à taxa reduzida de IVA, de 6%, em vez dos 23% que são obrigados a praticar desde o início do ano, com a entrada em vigor do Orçamento do Estado (OE) para 2011. A mudança surge num momento em que o Governo prepara medidas de austeridade que também atingirão o IVA, mas será feita à margem delas, e dispensará inclusivamente qualquer alteração legislativa: passará por uma informação vinculativa do Fisco a estabelecer uma nova interpretação jurídica para a lei agora em vigor.
In Jornal de Negócios

Mal tenho palavras para conseguir descrever isto!!!!! Então rouba-se à descarada dos pensionistas, dos mais pobres,  retiram-se-lhes quase direitos consagrados na constituição portuguesa, aumenta-se o IVA para os produtos que são primeira necessidade para os pobres, e baixa-se o IVA para os campos de golfe?!?!?!?!?!?!?
ISTO É UMA CASA DE LOUCOS GERIDA POR LOUCOS BAJULADORES DESPRENDIDOS DE QUALQUER SENTIMENTO SOCIAL!!!!!!!!!!!
Alguém por aí joga golfe e paga a mensalidade (baixinha) de um clube de golfe????
VERGONHA!!!!!!!

Conclusão:
Quanto mais se deve mais famoso se fica, este é o sinal dado pelo mundo dos artistas… onde uma das maiores e mais famosas artistas é uma alemã que subjuga todos os outros que não são tão famosos na dívida quanto ela… e lança o isco da salvação ilusória para o peixinho miúdo morder no anzol da ilusão da fama… e o isco são 5 ou 6 chumbadas na cabeça do Zé Povinho… chumbadas que foram moldadas por outros que nos dizem não pescar em Portugal… e ainda mais miúdo é o peixe que se preparam para capturar, o peixe reformado e cansado, e o peixe pobre e quase seco…  retirando-lhes quase tudo o que já nem sequer têm… retirando-lhes a saúde e a casa que mal têm… retirando-lhes a papinha da boca que já nem têm… e dando-lhes aquilo que dizem ser bom mas que é realmente um pau de dois bicos… e entretanto… um “all in one” para aquele 1% do Zé Povinho que é peixe graúdo…
Vergonha das vergonhas!

Notícia do The Telegraph – How safe is Eurozone sovereign debt? – table
Notícia do The Telegraph – Total German triumph as EU minnows subjugated
Notícia do Diário Económico – União Europeia cria uma nova linha de salvação para Portugal
Notícia do Jornal de Negócios – Portugal aposta em que a ajuda europeia limite juros entre 5% a 6%
Notícia do Jornal de Negócios – Novo programa de austeridade foi feito com técnicos do BCE e da Comissão
Notícia do Jornal de Negócios – Reformados são os mais afectados pelas novas medidas de austeridade
Notícia do Diário Económico – Pensionistas com menores rendimentos vão ser mais castigados nos impostos
Notícia do Jornal I – Reformados pagam mais de mil milhões da consolidação em 2012
Notícia do Jornal de Negócios – IRS pode subir até mais 540 euros para os reformados
Notícia do Jornal de Negócios – Governo insiste nos tectos às despesas de saúde para 1,5 milhões de contribuintes
Notícia do Diário Económico – Saúde prepara novos cortes nas comparticipações
Notícia do Diário Económico – Executivo quer liberalizar rendas antigas
Notícia do Diário Económico – Finanças retomam proposta de subida de IVA nos produtos alimentares
Notícia do Jornal de Negócios – Governo vai “encorajar poupança automática das famílias”
Notícia do Diário Económico – Executivo não vai forçar portugueses a comprar dívida pública
Notícia do Jornal de Negócios – Governo prepara redução do IVA para o golfe

À Mesa da Ganância

Antigo Primeiro Ministro diz que o Banco Central Europeu ajudou a alimentar a crise. Testes de stress à banca ainda não começaram e já são alvo de críticas. Juiz americano suspende a condenação da Chevron por danos ao ambiente no Equador. Exploração petrolífera da Shell ameaça uma das maiores maravilhas do mundo. Estaremos a perder vista às verdadeiras causas das mortes em massa de animais? Milhões de sardinhas aparecem mortas na Califórnia.

Hoje havia muito por onde pegar para escrever. Podia pegar na situação de Portugal, na inflação, na “guerra” na Líbia, etc., mas acho que por vezes é mais importante afastar-nos dos temas que estão na “moda” e abordar vários temas aparentemente dispersos e tentar criar uma imagem mais fidedigna da podridão que por este mundo caminha…

Abro as hostes com a afirmação de John Bruton, antigo Primeiro Ministro irlandês de 1994 a 1997, que disse esta coisa digna de figurar nos anais das verdades mais inconvenientes:

(…)acusou os bancos franceses, ingleses, alemães e belgas de “empréstimos irresponsáveis… escudados na esperança que também eles pudessem lucrar com a bolha imobiliária irlandesa.” O Sr. Bruton afirmou num discurso na Escola de Economia de Londres que aos bancos “estava disponível muita informação referente ao crescimento em espiral dos preços das habitações na Irlanda.”
Foram supervisionados pelos seus bancos centrais e pelo Banco Central Europeu que “aparentemente não levantaram objecções a esses empréstimos.”
In CNBC

O almoço foi servido e todos se banquetearam como se não houvesse amanhã. O problema é que há sempre um amanhã e que quando chega, chega servido de realidade… realidade que expôs as ânsias de ganância da banca irlandesa, os olhos fechados do Banco Central irlandês, a corrida desenfreada dos bancos europeus a uma fatia do lucro da ilusão e um Banco Central Europeu que foi gradualmente baixando as taxas de juro para impulsionar de forma (in)directa esse banquete dos insanos.
Todos juntos, todos culpados, mas todos inocentes menos aqueles que deviam ter os árbitros à perna desde o início desta história, os bancos irlandeses, e principalmente o Zé Povinho irlandês que foi atraído para uma bem montada armadilha pelas acções do Banco Central Europeu.
Agora o Zé Povinho irlandês está a pagar pelos devaneios insanos dos seus casineiros e a pagar do seu bolso aos bancos franceses, alemães, ingleses e belgas que se banquetearam com a formação da desgraça e se continuam a banquetear da desgraça consumada, tudo isto com o apoio tácito do Banco Central Europeu e da comunidade bananeira da União Europeia.
Esta é a história da Irlanda, mas também é a da Grécia, a de Portugal, a de Espanha, a de todos os países em que os casineiros dos outros jogaram as cartas da desgraça.

E agora entro numa notícia que já devia estar a fazer parangona por todo o lado, tal a dimensão do dano que poderá causar aos países periféricos, à Europa… ao mundo:

Os critérios que servirão de base aos novos ‘stress tests’ à banca europeia deverão ser anunciados na próxima semana. No entanto, alguns dos pontos já conhecidos suscitam críticas no mercado. O responsável pelo principal instituto alemão de estudos económicos afirmou, este fim-de-semana, que os novos testes são demasiado negligentes e que não são melhores do que os realizados no ano passado, os quais foram amplamente criticados.
In Diário Económico

Portanto, vem aí mais areia para os olhos dos mercados e dos Zé Povinhos. Sabem uma coisa, ser enganado uma vez, acontece, duas vezes, é estupidez. Acham que os mercados irão cair na esparrela de serem novamente enganados por testes que aparentemente voltarão a ser teatros e encenações de princípios desvirtuados?
Não contem com isso!
Uma vez mais os casineiros deste mundo, talvez com um fundo por baixo da mesa, têm o apoio tácito da classe bananeira da Europa de modo a voltarem a conseguir esconder as suas verdades incómodas dos olhos dos mercados e dos dos Zé Povinhos.
Se a Grécia está mal, a Irlanda pouco melhor está, se Portugal para lá caminha, a Espanha agarrada está a um balão de oxigénio… como acham que irão ficar depois dos mercados voltarem a castigar as encenações de intenções destas classes de actores mentirosos, ou ilusionistas da verdade?

Seguindo…
Pois é, o dinheiro… essa coisa que compra tudo menos a alma do Homem moderno, talvez seja a razão principal deste juízo jurídico nos Estados Unidos:

Um juiz americano estendeu temporariamente a proibição à colecta da multa de 1,39 mil milhões de dólares devidos pela Chevron por danos, afirmando que o gigante petrolífero americano irá sofrer um dano irreparável se tiver de pagar a indemnização – ordenada por um tribunal equatoriano – por poluição em áreas da floresta tropical amazónica.
O Juiz Lewis Kaplan afirmou que existiam evidências que os advogados dos 30 mil queixosos equatorianos iam sem demora avançar para apreensão dos seus bens um pouco por todo o globo, incluindo em áreas em que a Chevron não conseguiria apresentar recurso no imediato. Afirmou que a sua decisão se justificava porque sem ela a Chevron poderia ver-se em risco de incumprir com “encomendas estratégicas”.
Mas Karen Hinton, a porta-voz dos equatorianos, disse que a incapacidade revelada pelo juiz Kaplan de levar em conta evidências chave, ou a marcação de uma audiência para se inteirar de mais factos, fora um “atropelo do processo” e “um inapropriado exercício do poder judicial.”
In The Independent

Esta é a vida vivida neste mundo corrompido por uma falsa imagem de justiça, por uma falsa imagem de democracia, por uma ilusão de igualdade. Esta demo-cracia vive a soldo… a soldo daqueles que têm a mais e que fazem o que mais lhes dá “na real-gana”.
Esta é a face desta demo-cracia ocidental que o ocidente tenta exportar, por vezes à força, para outras partes do globo. Meus senhores, isto não é nem democracia nem justiça, isto é dinheirocracia e justiçocracia, onde os que podem, safam-se, e os que não têm meios, pagam…

Talvez a notícia que expus acima também seja um sinal de um mundo que já não consegue defender o seu mundo natural sob pena de entrar em colapso total por falta do sangue que lhe faz bater o coração, o petróleo.
E, por sinal, hoje saiu uma notícia que poderá ser uma imagem mais fidedigna daquilo que acabei de escrever… e, antes de mais, gostava de salientar o “desprezo” informativo dos meios de comunicação em Portugal perante uma notícia que, digo eu, é significativamente importante:

A petrolífera Shell está debaixo de intensas criticas por planear uma exploração de petróleo e gás que poderá colocar em causa o recife de coral na costa da Austrália que está entre os ecossistemas marinhos mais importantes no planeta.
In The Independent

Esta notícia também devia ter referido o facto de a Shell só estar a planear isso porque os bananas australianos lhe deram autorização para tal. Mas, “prontos”, saltemos esse “pequeno” detalhe e avancemos direitos às palavras incómodas…
Existem Homens que tudo podem fazer neste e deste planeta, às custas de tudo o resto que vive nele. Talvez seja porque o sangue do mundo está a rarear, talvez… talvez seja apenas ganância, talvez… talvez seja apenas mais uma entre tantas vergonhas escondidas para impulsionar os lucros de uns quantos accionistas que se julgam maioritários em relação a este mundo. Mas o mundo não é dos accionistas privados dos grandes aglomerados económicos. O mundo é pertença de todos e principalmente parte dos outros seres vivos que não têm voz.
Irá este mundo ficar a olhar para mais uma destruição que mais tarde ou mais cedo irá, como quase tudo o mais, ser ligada ao aquecimento global como forma de retirar o peso da culpa destes grandes aglomerados económicos?

E quase como que a pedido, como forma de justificar as minhas últimas palavras, saiu uma notícia que devia dizer muito a este mundo… mas não, pelo menos em Portugal passou incógnita… talvez uma coincidência, talvez… mas talvez tenha sido mais um dos recorrentes silêncios impostos à sociedade pelos mesmos que se intitulam o garante da democracia. Como poderão ser um garante se eles próprios fecham muito do conhecimento num silêncio ensurdecedor?
Enfim… avencemos mas é direito à notícia em causa:

Incidentes (de mortes em massa) foram reportados um pouco por todo o mundo, mas agora depois do google ter mapeado os incidentes, ficou claro que a maioria dos casos estão concentrados na ponta sudeste dos Estados Unidos – bem ao lado do derrame no Golfo do México.
Depois da inexplicável morte de pássaros em Beebe, caíram do céu pássaros em Kentucky e em Louisiana. Incidentes com peixes mortos, inclusive de estrelas e outras vidas marinhas, foram reportados ao longo da corrente do Golfo por toda a costa oceanográfica ocidental. Até mesmo os casos de mortes em massa de caranguejos e peixes nas ilhas britânicas ocorreram no caminho da corrente do Golfo.
In Earth Times

Talvez não venha a acontecer o mesmo no recife de coral australiano, talvez… mas talvez venha a suceder o mesmo, e então quem depois irá pagar pela impagável destruição de vida? Quem? A Chevron? A Shell? A BP? Os juízes que constantemente defendem estes “meninos”? Quem? Os bananas?
Pagamos todos pelos erros de uma sociedade que é incapaz de analisar que a sua riqueza não é medida em numerário, mas sim em quantidade de vida e a qualidade com que é vivida em respeito pela a sua casa, pelo planeta Terra.
Talvez este mundo tenha de gritar a uma voz com a voz de todos os Zé Povinhos que nele habitam e dizer:
DEVOLVAM-NOS AQUILO QUE É DE TODOS!

E talvez por algo como tal estar em falta, ontem, uma vez mais…:

Milhões de sardinhas foram encontradas ontem mortas numa marina de Los Angeles, Califórnia. As operações de limpeza já começaram, mas ainda são desconhecidas as causas da morte dos peixes.
In Diário de Notícias

Conclusão:
À mesa da ganância só são servidas desgraças… e na mesa da ganância empanturram-se aqueles que afirmam não serem ímpios… e o no teste à sua ganância são ilusionistas, brincalhões, uns verdadeiros palhaços da concórdia corporativista… e de corporativismo está a justiça deste mundo cheia… cheia… parece um balão de dólares inflado por mentiras e inverdades putrefactas… putrefacção que ainda não chegou a todos os sítios… e talvez por isso a ganância dos mesmos corporativistas ilusionistas e brincalhões queira por lá mergulhar… mesmo que as águas que agora são ímpias já pouco para mais sirvam do que servir de bandeja para a morte chegar… que chega para incontáveis milhões… até ao dia em que o Homem será ele… também… parte do mexilhão…

Notícia da CNBC – ECB Helped Fuel Irish Bubble, Says Ex-PM
Notícia do Diário Económico – ‘Stress tests’ ainda não começaram mas já são alvo de críticas
Notícia do The Independent – US judge halts damages claim over pollution in Amazon
Notícia do The Independent – Shell oil exploration threatens one of the world’s great wonders
Notícia do Earth Times – Losing sight of the real causes of mass animal death?
Notícia do Diário de Notícias – Milhões de sardinhas encontradas mortas na Califórnia

O Carnaval no Cortejo dos Loucos

Uma conspiração com um revestimento de prata. A secreta “rede de especialistas” de Wall Street. BPN: Governo tentou esconder perdas mas a UE não permitiu. Censos “escondem” os falsos recibos verdes. Banco Central Europeu quer “despachar” as obrigações dos PIIGS. Subida dos juros castiga ainda mais as famílias. Tudo somado, há 70% das famílias portuguesas em risco.

Lembro-me de há cinco anos ter começado a afirmar que estava na altura de se  começar a investir no ouro. Na época, o seu preço estava aproximadamente nos 750 dólares a onça e hoje está aproximadamente a 1.450 dólares a onça. Poucos investimentos, em tão pouco tempo, teriam duplicado em lucro… (digo eu)
Desde meados do ano passado comecei a aconselhar (aos amigos) a compra de prata, porque (finalmente) foi intentada uma acção judicial por manipulação contra a JPMorgan, e a sua cotação começou a disparar, e digo mesmo que poderá crescer até níveis “do outro mundo”…

Eis os porquês de tal estar a acontecer pelas palavras de um meio de comunicação generalista… situação extremamente rara porque aborda o tema de modo fracturante para os meios casineiro e bananeiro…:

(…)como explicar o preço da prata? Nos últimos seis meses, o preço da prata aumentou quase 80%, até mais de 34 dólares a onça de aproximadamente 19 dólares a onça. Apenas no mês passado, o seu preço aumentou quase 23%.
In The New York Times

Portanto, a prata está a “estoirar”. Em seis meses, quem investiu em prata, viu o valor do seu investimento quase duplicar.
Venham de lá os certificados de aforro, as contas a prazo, os investimentos na bolsas… venha o que vier, os lucros comparados com o investimento na prata serão “peanuts”…

E porque está a prata a “estoirar”?

(…)o preço da prata disparou depois de um delator ter exposto uma alegada conspiração para manter os preços artificialmente baixos, mesmo com as pressões inflacionárias do dinheiro barato da Reserva Federal. (Alguns suspeitam até que a própria Reserva Federal esteve por trás da tentativa de manter baixos os preços da prata, como medida para sustentar um valor do dólar artificialmente mais elevado.) (…)
No entanto, o mais intrigante é que grande parte desta especulação se apresenta como altamente plausível.
In The New York Times

O que começou como uma dita teoria da conspiração está a ganhar contornos de realidade no preço da prata, e de forma mais mais significativa, digo eu, está a ganhar contornos de realidade nas análises dos analistas que têm direito a ter voz nos meios de comunicação para as massas.

Só o facto de estes analistas, ou pseudo analistas, consoante a análise que cada um faça das suas palavras, estarem a colocar em causa a idoneidade de uma instituição que quase podemos intitular de “a casa mãe da banca mundial”, é algo quase verdadeiramente inusitado.

Mas que especulação é essa que está a impulsionar o preço da prata?

Quando a JPMorgan Chase comprou a Bear Stearns em Março de 2008, herdou a enormíssima aposta da Bear Stearns de que o preço da prata iria cair. Com o passar do tempo, foi aumentando a aposta, e depois no mercado entrou o banco internacional HSBC  com o mesmo estilo de aposta. Estas acções “depreciaram significativamente o preço da prata.”(…)
In The New York Times

Antes de mais, gostava de salientar o uso da palavra “aposta”… Aposta é, infelizmente, a vida da banca nesta sociedade pseudo liberalizada para lucro de uns quantos loucos perversos… (digo eu)…
Portanto, dois dos maiores bancos, ou centro de casineiros, conforme os desejem catalogar, andaram a “brincar” com a prata… assim como “brincam” com quase todos os outros veículos de dinheiro neste mundo…  mesmo com alimentos… e se “bricam” com alimentos é então é quase certo que andem a “brincar” com a prata.

Esta manipulação foi posta a nu com uma acção judicial movida contra a JP Morgan, facto digno de registo porque foi intentada por um “insider”, um dos seus:

“A conspiração e o esquema foram altamente bem sucedidos, providenciando aos réus substanciais lucros ilegais”, em torno de milhares de milhões de dólares, entre Junho de 2008 e Março de 2010, de acordo com o processo crime. O processo afirma que em conjunto a JPMorgan e o HSBC “controlavam mais de 85% das posições comerciais de “short position” em contratos de futuros da prata na Comex, (…) e uma “quota de mercado de 90% de todos os contractos de derivados de metais preciosos, excluindo os do ouro.”
In The New York Times

Será coincidência terem sido estes dos bancos que maior crescimento nos lucros apresentaram no mundo?
Terão estado apenas distraídas as instituições que deviam controlar(?) os mercados e que existem para evitar(?) abuso na acumulação de matérias-primase manipulação dos mercados?
Estas são daquelas coincidências, não é verdade, e daquelas distrações, não é? Pronto… coincidências apenas… distracções… apenas… apenas palheta…

E como funciona\funcionava essa manipulação?

A JPMorgan andava a gabar-se do dinheiro que estava a ganhar “como resultado da manipulação”, que exigia “o inundar do mercado” com “short positions” sempre que o preço da prata começava a subir. (…) Os negociantes da JPMorgan’s mantinham dessa forma o preço da prata artificialmente mais baixo.
In The New York Times

Manipulação… o mesmo que cria as bolhas da loucura financeira que acabam invariavelmente por rebentar no colo dos Zé Povinhos deste mundo! Enquanto eles… vão de iate passar férias na sua ilha grega…

Estarão os poderres bananeiro e judicial a fazer alguma coisa em relação a este tipo de conduta?

Passados dois anos e meio, a investigação da Comissão Futurs Trading ainda não chegou a uma conclusão, e pelo menos um dos comissários – Bart Childon – pensa que depois de entrevistar mais de 32 pessoas e rever mais de 40.000 documentos, diz já ter havido investigação a mais e acusações a menos.
In The New York times

Sim estão a fazer algo… o mesmo que se vê quase sempre em relação aos crimes de colarinho branco… estão a fazê-lo desvanecer no tempo da memória, com acções que raramente conduzem a algo mais que apenas comissões para investigar o que não desejam que seja realmente investigado… quase um jogo de “faz-de-conta que estamos a investigá-los”…
(Muito mais informação há no artigo do New York Times)

E das poucas vezes em que o mundo bananeiro e judicial aprofundam realmente um pouco mais os meandros da vida dos casineiros, e isso chega ao conhecimento do Zé Povinho, acabamos (todos) por ter de mergulhar dentro da lama deles, na porcaria e na insanidade das suas acções, na demência e no seu incontrolável vício!

Talvez as palavras de Danielle Chiesi nos ajudem a compreender um pouco melhor o seu mundo, o mundo dos “eles”:

A antiga analista de fundos de investimento, comparou o insider trading a ter um orgasmo, admitindo ter lucrado pessoalmente quatro milhões com as transacções ilícitas.
In The Guardian

O vício… o descontrolo… a loucura… a insanidade, tudo isto de mãos dadas com os poderes banananeiro e judicial que cada vez mais aparentam andar de caso na cama do casino das loucuras. E enquanto se deleitam na cama dos prazeres, o mundo vai sendo corroído no seu âmago…

Será diferente no bananal de Portugal?

O governo tentou diluir em vários anos as perdas para o Estado resultantes da nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN), soube o i. E chegou a conversar com o Eurostat, o organismo da União Europeia (UE) que fiscaliza as contas dos estados-membros sobre esta hipótese.
A estratégia permitiria suavizar o impacto nas contas do Estado e ganhar tempo para recuperar perdas potenciais e reduzir o prejuízo. No entanto, o cenário acabou por não passar nas conversas com o Eurostat.
In Jornal I

As mesmas jogadas, os mesmos estratagemas, as mesmas ilusões para tentar alterar o numerário para que este fique mais de acordo com as suas pretensões, desvirtuando a realidade e criando bolhas que mais tarde ou mais cedo irão estoirar invariavelmente no colo do Zé Povinho. O mesmo tipo de manipulações… o mesmo tipo de vícios!!!
Isto dá aso a uma questão: Porque hão-de os bananas querer julgar as acções dos casineiros se eles próprios assumem o mesmo tipo de forma de estar na vida?
Massa do mesmo pão, farinha do mesmo saco!

“É esconder completamente e impedir que se saiba a realidade dos falsos recibos verdes. Quando saírem os resultados dos censos vai dizer-se que existem x trabalhadores por conta de outrem, quando o que sabemos, à partida, é que neste miolo estarão milhares de falsos recibos verdes identificados como trabalhadores por conta de outrem”
In Jornal I

Mais um exemplo de como a verdade é constantemente escondida debaixo do tapete da vergonha, pois a saber-se a verdade vir-se-ia a saber que seria o Estado o maior prevericador. Defender o Zé Povinho é que não, certamente… digo eu… e isto é apenas mais uma gota no oceano de pequenas e grandes injustiças a favor de uns muitos poucos e a desfavor de muitíssimos mais!
Será na defesa dos seus “mais que tudo”, dos seus queridinhos?

Talvez por isso, e não só, ficámos a saber que o Banco Central Europeu quer ver-se livre dos 77 mil milhões de dívida que comprou, em menos de um ano, aos PIIGS – Portugal, Irlanda, Itália, Grécia e Espanha – e passá-los para o fundo de apoio ao euro.
Sabem quem paga o fundo de apoio ao euro?
Os Zé Povinhos da Europa.
Portanto, será o bolso dos Zé Povinhos da Europa a ter de pagar MAIS 77 mil milhões de euros de algo que, digo eu, de ajuda irá ter muito pouco, para que dessa forma os casineiros que andaram a brincar às dívidas dos Estados não venham a ter prejuízos directos…
Mais uma vez a natureza simplesmente anti-social desta raça de homens predadores e sanguinários… e a verdadeiramente bajuladoura e subserviente dos bananas…
Como acham que irá terminar esta história dos 77 mil milhões?
Para mim, e com muito poucas dúvidas em relação a isso… com o Zé Povinho a arcar com o fardo…

O mesmo Banco Central europeu que diz agora ter de subir as taxas de juro para controlar a inflação.
Ora bem, nem mais, um dos principais responsáveis pelo ecolodir desta inflação no mundo, através dos milhares de milhões injectados em forma de pacote de ajuda à banca, e não só, vem agora dizer que irá ajudar a controlar essa mesma inflação por si gerada. Inflação que tem ajudado a tirar o pão da boca de muitos, irá agora ser combatida com acções que irão ajudar a tirar ainda mais pão da boca de muitos mais.
Pode parecer mentira, ou um contra-senso, mas infelizmente:

Se o Banco Central Europeu (BCE) aumentar a taxa de juros de referência para a Zona Euro já em Abril, como sugeriu Jean-Claude Trichet na semana passada, as famílias e as empresas portuguesas vão ser das mais castigadas da União Europeia (UE).
In Correio da Manhã

Portanto, arranjam soluções para controlar os danos das suas próprias acções, como salvadores chegados num cavalo branco…. isto só é possível num mundo a viver num carnaval…
Merece uma pergunta.
Sabiam eles que isto caminhava para aí?
Desengane-se quem pensar o contrário…
Lucraram com a crise e irão continuar a lucrar com a crise!

E quem paga?

As premissas são simples, mas negras. 1. Em Portugal praticam-se salários baixos face aos pares europeus, num fosso que não pára de crescer. Segundo dados da Direcção-Geral dos Impostos, preenchem-se em Portugal 4,7 milhões de declarações de rendimentos por ano. Segundo esta fotografia global de “quem ganha quanto”, os desequilíbrios são evidentes: há 3,3 milhões de agregados (70% do total) que declaram um ganho médio mensal bruto igual ou inferior a 1200 euros e, nestes, há 2,7 milhões de famílias com rendimentos brutos mensais inferiores a 800 euros – ver gráfico nas páginas anteriores. Tudo isto atira para um ganho médio bruto anual de 18 mil euros por agregado em Portugal – daí os 1200 euros brutos/mês considerados neste trabalho -, contra os 21,5 mil euros de média em Espanha e os 27 mil euros médios na Europa (segundo estudo da Addeco de 2010). E nestes números não está reflectido o impacto de qualquer medida de austeridade europeia ou portuguesa.
Não fosse esta disparidade salarial um desequilíbrio suficiente, 2. os portugueses têm às costas uma carga fiscal que de ano para ano fica mais pesada e distante da praticada na Europa, tendo ainda 3. de “aturar” custos obrigatórios – luz, por exemplo – acima da média europeia e 4. apoios sociais agora em mínimos históricos.
In Jornal I

Os mesmo de sempre! O Zé Povinho!

Conclusão:
A prata da casa dos casineiros está a soldo por preços bem inferiores aos de mercado… mercado que é regado por um bando de bananas que está a soldo da prata da casa dos outros… por isso escondem as mentiras das suas verdades em papelinhos de cor de carnaval… e no carnaval do casino ocidental, o BCE procura desesperadamente passar a outros os papelinhos com as cores dos “porcos”… e aos olhos deles, casineiros e bananas, os “porcos” somos nós, os párias somos nós, mas a verdade é que as máscaras são eles… e por causa das máscaras, mais de 2\3 do Zé povinho português está bem perto de dar o passo em frente na direcção do cortejo dos pobres… e por isso mesmo… pode ser dito que esta é quase apenas uma vida vivida no cortejo de carnaval dos loucos…

Notícia do The New York Times – A Conspiracy With a Silver Lining
Notícia do The Guardian – Wall Street’s secretive ‘expert networks’
Notícia do Jornal I – BPN. Governo tentou esconder perdas, mas UE não aceitou
Notícia do Jornal I – Censos “escondem” falsos recibos verdes
Notícia do Der Spiegel – European Central Bank Wants to Unload PIIGS Bonds
Notícia do Correio da Manhã – Subida de juros castiga famílias
Notícia do Jornal I – Crises. Tudo somado, há 70% de lares portugueses em risco

%d bloggers like this: