Arquivos de sites

Este Mundo é Uma Mentira Inundada de Mentiras

Seis tabelas que demonstram que os bancos centrais pelo mundo estão a imprimir dinheiro de forma imprudente. Bernanke pede para que as regras do jogo sejam clarificadas. Como os biocombustíveis fazem aumentar o preço dos alimentos pelo mundo. Exportações de petróleo da OPEP caiem 2% empurradas pelo declínio na Arábia Saudita. Portugal endivida-se cada vez mais para comer. Portugal vive numa democracia podre. Nicolas Sarkozy diz que é necessário agir contra a grande ameaça da inflação. Economia americana: um grande esquema em pirâmide. Barclays pagou apenas 1% em impostos.

Inflação… o mundo bananeiro e casineiro está a começar a acordar (nas palavras) para o que se tem vindo a amontoar há pelo menos três décadas, desde quando o dólar deixou de ser resgatável em ouro, e exacerbado pela crise financeira de 2008 – excesso de liquidez nos mercados, vulgo, inflação.

Uma excelente compilação de dados no Business Insider ajuda-nos a compreender melhor a extensão da loucura desenfreada de um pseudo crescimento económico sustentado no numerário, quase afastado do real, conduzido por uma classe de Homens verdadeiramente, ou quase, dementes e diminutos na sua forma de analisar este mundo que devia ser de todos e para todos.

Se o dólar americano está a ser desvalorizado de forma tão intensa, então quais os porquês de por vezes ganhar valor a outras moedas do mundo? Bem, é porque actualmente estão todos a imprimir dinheiro de forma imprudente.
In Business Insider

Este tema devia ser uma preocupação central faz muito tempo… mas não… a mesma pandilha de bananas e casineiros que estão por detrás desta loucura monumental, apoiados por um silêncio ensurdecedor dos meios de comunicação generalistas e seus pseudo especialistas, são os mesmos que agora se dizem preocupados com o problema que eles conscientemente e ardentemente criaram.
Vejamos:

Estados Unidos

Fonte: Reserva Federal de Saint Louis

Um crescimento aproximado de 500% dos dólares em circulação no espaço de 30 anos!!!!! Aproximadamente 16% de aumento ao ano da moeda em circulação!!!!!

Europa


Um crescimento aproximado de 950%, ou 31,6% ao ano!!!!! (comparando com 1980)

Inglaterra


Fonte: Banco de Inglaterra

Um crescimento aproximado de 800%, ou aproximadamente 26% ao ano!!!!! (comparando com 1980)

China


Fonte: Banco Central da China

Um crescimento aproximado de 600%, ou aproximadamente 20% ao ano!!!! (comparando com 1980)
(Mais tabelas e exemplos estão presentes na notícia original – 6 Charts Which Prove That Central Banks All Over The Globe Are Recklessly Printing Money )

As conclusões a retirar destas tabelas são verdadeiramente simples: Um dia, este sistema que nos (des)governa irá deixar de conseguir absorver o excesso de dinheiro em circulação.
Acho que os sinais são mais que óbvios que estamos quase a lá chegar, se é que não estamos já por lá, mesmo que os insanos que nos conduziram até aqui consigam encontrar mais um coelho na cartola… mesmo assim é quase uma impossibilidade matemática o dinheiro fiat em circulação continuar a crescer a estes níveis…
Acho que já todos estão cientes que uma contracção do dinheiro em circulação é igual a recessão… por isso… que soluções existem para contornar isto?
Nenhuma que seja exequível dentro deste sistema que nos (des)governa sem que tal não exija taxas de crescimento negativo pelo mundo fora, ou seja, uma longa e continuada recessão durante décadas de forma a absorver gradualmente o dinheiro em excesso.
Qual o caminho que está a ser adoptado?
O da constante e contínua desvalorização das moedas em circulação, vulgo inflação, solução que é um imposto indirecto sobre os poupados e principalmente sobre as classes média e pobre.

Escrito isto, voltemos ao mundo da realidade pintada pelos meios de comunicação social para as massas…

O presidente da Reserva Federal dos EUA alertou hoje que os capitais que inundam os países emergentes ameaçam a estabilidade económica global, pedindo aos parceiros do G20, reunidos em Paris, que tomem medidas para resolver o problema.
“Os fluxos de capital estão, outra vez, a levantar desafios notáveis à estabilidade financeira e macroeconómica”, disse Bernanke, à margem da reunião dos ministros das Finanças e governadores de bancos centrais das 20 maiores economias desenvolvidas e emergentes.
In OJE

Depois de verem as tabelas expostas acima, o que me dizem de tais afirmações e vindo de um dos maiores impulsionadores da criação de moeda para impulsionar o (pseudo) crescimento (numerário)?
Pois é verdade, este é o mundo deles que infelizmente também é o nosso por ignorância da grande maioria dos Zé Povinhos deste mundo!

E então se analisarmos as pressões inflacionárias causadas pelo excesso de moeda fiat em circulação e o que está à acontecer com o sangue que tem sustentado esse crescimento do numerário, as energias?

As exportações de petróleo da OPEP caíram 2% em Dezembro, comparando com Novembro, com a Arábia Saudita, o maior exportador mundial, a reportar um declínio de 4,9%.
As exportações sauditas caíram para 6,05 milhões de barris por dia em Dezembro , quando comparado com Novembro, mesmo que a sua produção tenha aumentado para um máximo de dois anos de 8,37 milhões de barris por dia.
“Esta é uma diferença significativa,” disse John Sfakianakis, economista Chefe do banco com sede em Riade, Saudi Fransi, sinalizando a diferença de 2,32 milhões de barris por dia entre o que produz e o que exporta.
“Não é claro que a Arábia Saudita tenha consumido os 2,32 milhões de barris durante esse mês, mas é evidente que um aumento do consumo interno está eminente”, disse.
O total de exportações no mundo caiu 14% em Dezembro, comparando com o mês anterior, para 55,5 milhões de barris por dia, o valor mais baixo desde 2002, principalmente nos produtores não alinhados com a OPEP, especialmente os da América Latina.
In The Washington Post

Um declínio da produção na Arábia Saudita, um declínio na produção dos membros da OPEP, um declínio da produção na América Latina, um declínio monumental na produção do mundo e o constante crescimento das moedas fiat no mercado… Isto é verdadeiramente explosivo, digo eu, porque o petróleo é o principal motor gerador de riqueza neste mundo, e se ele está em contracção e as moedas continuam a ser imprimidas como se não houvesse amanhã, então a riqueza estará a ser delapidada em duas frentes, inflação e contracção do petróleo, que a continuar assim só trilham um caminho para este sistema económico: Hiperinflação!

E o que anda este mundo a tentar fazer para combater o declínio na produção de petróleo?
Anda a investir nos biocombustíveis.
Qual a influência destas medidas para tentar amenizar as quebras de oferta de petróleo no mundo?

O investigador de Princeton, Tim Searchinger, na semana passada numa coluna no The Washington Post, afirmou que os biocombustíveis estão a contribuir para a crise no preço dos alimentos. Constatou que os biocombustíveis – tanto o etanol de milho nos Estados Unidos como os biocombustíveis, que dependem do óleo de palma – consomem actualmente mais de 6,5% da produção mundial de grãos e 8% do óleo vegetal. Em 2004, estava entre os 2% e virtualmente nada. Num pressionado mercado de alimentos mundial, constrangido pelas condições atmosféricas, onde a dispersão de óleos e grãos é sentida no seu preço, especialmente nos países em desenvolvimento onde o aumento nos artigos de consumo é passado directamente para os consumidores. (Nos países desenvolvidos, o marketing e embalamento são os responsáveis pela fatia de leão no preço dos artigos o que amortece o aumento do preço dos artigos aos consumidores.) “Hoje em dia, o mercado está desequilibrado, escreveu Searchinger.
In Time Magazine

Em que ficamos?
Inflação gerada por excesso de moeda em circulação, mais inflação gerada por uma contracção na oferta de petróleo e mais inflação gerada pelas soluções desenvolvidas para controlar a inflação gerada pelo aperto nas exportações de petróleo!
Inflação + inflação + inflação!!!!!!!

Será diferente em Portugal?

As primeiras previsões agrícolas do ano, feitas pelo Instituto Nacional de Estatística não deixam margem para dúvidas: “as elevadas precipitações ocorridas até meados de Janeiro impediram a realização das sementeiras, levando inclusivamente à diminuição generalizada das superfícies semeada”.
O ano passado Portugal importou 80% das suas necessidades de cereais. Este ano será seguramente pior. Ou seja, o desequilíbrio da balança de pagamentos agrícola irá aumentar.
In Expresso

Obviamente que não! Já sabemos que os euros andam a inundar o mercado, que o petróleo não está a baixar e que este ano ainda irá ser o pior de sempre em termos de importação de alimentos.
Que podemos esperar deste ano?
Inflação!

E serei apenas eu que ando para aqui neste blogue a escrever recorrentemente sobre a inflação, tentando chamar à atenção de quem por aqui passa? Serei eu apenas um pessimista, um pseudo divulgador das histórias mais negras?
Joe Berardo:

Numa entrevista à agência Lusa, o empresário disse estar “muito preocupado com o aumento do custo de vida em Portugal” e elegeu o desemprego entre os jovens como “o problema mais grave a nível mundial” porque “vai resultar em revoluções”, como as da Tunísia e Egipto.
Sustentou que os aumentos do petróleo, IVA, impostos, redução dos ordenados na função pública, ou a duplicação do preço do trigo em menos de um ano são situações que vão provocar “uma inflação incontrolável daqui a pouco tempo”.
In Diário Económico

Nicolas Sarkozy:

A inflação coloca uma significativa ameaça ao crescimento global, arriscando o surgimento de sublevações perigosas se os preços dos alimentos crescerem para lá das possibilidades das pessoas”, Nicolas Sarkozy, o Presidente francês, em forma de aviso aos ministros das finanças do mundo.
“Um mercado sem regras é um mercado que será controlado pela especulação,” disse Sarkozy. “Mercados têm de ter, A market without rules is a market which is governed by speculation,” Mr Sarzoky said. “Markets have to have, tecidos neles, regras.”
In The Telegraph

Não, não sou apenas eu! Este é o problema do momento e o momento actual já poderá ser tarde demais para a controlar… digo eu… ate´pode ser que os bananas consigam desencantar mais um coelho da cartola para adiar esta conclusão.
Portanto… inflação causada pelo excesso de moeda em circulação, mais inflação gerada pela redução das exportações de petróleo, mais inflação causada pelas medidas tomadas para amenizar a redução nas exportações de petróleo, mais inflação causada por especuladores…
Onde irá isto parar?
Quase certamente, tal a pressão generalizada, à hiperinflação!!!

E pegando numa das últimas frase que expus de Sarkozy, “um mercado sem regras é um mercado que será controlado pela especulação”, o que nos contam as acções dos mesmos bananas que agora se mostram tão preocupados com a inflação?
Danny Schechter:

Economia americana: um grande esquema em pirâmide.
Enquanto Bernie Madoff desvanece na prisão, os banqueiros continuam a lucrar enquanto os pobres perdem a esperança e as suas casas.
O melhor relato sobre esta matéria não está nos meios de comunicação generalistas mas numa revista de música, na Rolling Stone, onde Matt Taibbi investiga o porquê de todos em Wall Street não estarem ainda na cadeia: “Financeiros desonestos colocaram a economia mundial de gatas – mas o Fed faz mais para os proteger do que para os processar,” escreveu.
Agora os republicanos querem diminuir as regulações sobre o mercado de derivados presentes na legislação financeira Dodd-Frank, afirmando que as regulações irão conduzir a um aumento do desemprego. Isto era previsível: todos os esforços para defender os grandes interesses económicos são sempre apresentados como medidas para ajudar o público.
O The New York Times reportou: “O representante Stephen Lynch, democrata de Massachusetts, avisou: “Acham que a regulamentação é dispendiosa? Então o que me dizem dos 7 biliões que perdemos por não haver regulação no mercado de derivados?
Não obteve resposta.
A passividade do público é em parte resultado da inundação de meios de informação que não aprofundam as questões e de uma eficiente privação de informação.
In Aljazeera

Pois… a verdade é que os bananas que (des)governam este mundo, que já por si é (des)governado por este sistema económico que é gerido por casineiros desgovernados, não fazem nada de nada, ou quase nada, para que o descontrolado comboio das economias mundiais consiga retornar aos seus carris.

E como ainda poderá haver por aí alguém que diga: Ah, isso é o Danny Schechter que está sempre a falar mal – para mim uma das vozes mais lúcidas no jornalismo mundial -, ou isso é da Aljazeera que está sempre contra o mundo ocidental:

O facto de o Barclays, terceiro maior banco britânico, ter pago apenas 113 milhões de libras (134,3 milhões de euros) de impostos no Reino Unido em 2009, o que equivale a cerca de um por cento dos lucros (11,6 mil milhões de libras), gerou hoje vários protestos de indignação.
In Público

Pois… a verdade é que não são os Danny Schechter’s e Aljazeeras deste mundo que estão a falar mal, a verdade é que a verdade é a vida sumptuosa cheia de benefícios de uns quantos muitos poucos, e a vida cada vez mais complicada de muitíssimos mais que são os penalizados.
E também poderá haver ainda alguém que pense que o que aconteceu com o Barclays em Inglaterra se cinge a Inglaterra… e para isso basta ver e saberem o que aconteceu em Portugal com o valor dos impostos pagos pela banca. Este é um sintoma generalizado neste mundo ocidental intitulado de desenvolvido. Desenvolvido? Sim… desenvolvido pela ganância, pelo engano, pela mentira, pelo abuso, pela traição, pela indecência, por desavergonhados indecorosos!

Conclusão:
Uma maré de papel fictício inundou a nossa vida… tal como inundada está de falsos profetas que se escondem debaixo de um manto de virtuosismo técnico… E as soluções (des)encontradas para suster parte da maré que aí vem mais não são que água que está ajudar a transbordar ainda mais o dique da desgraça… Enquanto isso, é bombeado cada vez mais de menos do sangue vital para o sistema mundial… E assim a fome é agua que paulatinamente inunda o nosso mundo… E por vezes: Verdade! A verdade! Alguém fala da verdade com verdades! Homens que sugaram e sugam o tutano deste mundo começam agora a abrir as goelas em terror… AHHHHHHH!!!!!!… Este mundo é uma mentira inundada de mentiras!!! Este mundo é como o Egipto, uma pirâmide construída acima dos Homens e só para alguns homens…

Notícia do Business Insider – 6 Charts Which Prove That Central Banks All Over The Globe Are Recklessly Printing Money
Notícia do Oje – Ben Bernanke pede controlo nos fluxos de capitais
Notícia do The Washington Post – OPEC Oil Exports Fall 2% as Saudi Shipments Decline
Notícia da Time – Why Biofuels Help Push Up World Food Prices
Notícia do Expresso – Portugal endivida-se mais para comer
Notícia do Diário Económico – Portugal vive uma “democracia podre”
Notícia do The Telegraph – G20 Paris: Nicolas Sarkozy calls for action against inflation’s ‘great threat’
Notícia da Aljazeera – US economics: One big Ponzi scheme
Notícia do Público – Notícia de que Barclays pagou impostos equivalentes a 1% dos lucros gera protestos

Um Mundo pintado a Números

A bomba relógio do desemprego entre os jovens. O porquê da importância da inflação no preço dos alimentos. Especialistas debatem os limites da aquacultura. Governos começam a dar aos seus cidadãos alimentos de graça. Apostas que o petróleo irá chegar aos 250 dólares, por causa dos riscos no canal do Suez. Arábia Saudita não consegue aumentar a produção de modo a controlar os preços no mercado. A teoria dominó e o síndroma saudita.

Os jovens…futuro das sociedades deste mundo… estão cada vez mais perdidos num mundo que está em provável contracção, mesmo que os números económicos queiram expressar exactamente o contrário.
Na Tunísia, no Egipto, em Portugal, na Europa, no mundo ocidental desenvolvido, são os jovens que mais estão a ficar desprotegidos, desamparados, desempregados… isolados… engolidos por uma onda de crescimento (numerário) económico desenfreado, desequilibrado e desprendido dos valores sociais.
Uma “monumental” peça jornalística da Bloomberg explica-nos de forma mais aprofundada esse crescente problema:

Os Hititas (tunisinos) e os Shabab (egípcios) têm irmãos e irmãs espalhados por todo o globo. Na Grã-Bretanha, são chamados de NEETs (Jovens que estão fora do sistema de educação, dos cursos profissionais, ou desempregados). No Japão, são os chamados “freeters” – uma amálgama da palavra inglesa freelancer e da palavra alemã, Arbeitr, ou trabalhador. Os espanhóis chamam-lhes os “mileuristas”, palavra que retracta os jovens que ganham menos de mil euros por mês. Nos Estados Unidos, são os “jovens boomerang”, jovens que terminaram a universidade e voltam para casa dos pais por não conseguirem encontrar trabalho. Até numa China em rápido crescimento, onde a falta de mão de obra é mais comum que o excesso de oferta, tem a sua “tribo-de-formigas”, jovens recentemente graduados que vão viver em grupos para apartamentos baratos nas franjas das grandes cidades por não conseguirem encontrar empregos suficientemente bem remunerados.
In Bloomberg

Isto devia servir de mensagem de alerta para todos os bananas deste mundo… mas não, o numerário económico, o excedente que a banca gere, a dívida para gerar mais crescimento, são invariavelmente preferidas ao abordar deste problema… e isto poderá vir a ter custos muito mais elevados do que os gerados por uma contracção do numerário (por vezes fictício) impulsionada pela contracção do crescimento…

A fissura entre os jovens e os que já não são jovens está a alargar-se. O antigo Primeiro Ministro italiano Giuliano Amato disse ao Corriere della Sera: “As gerações passadas consumiram o futuro das mais jovens”. Na Grã-Bretanha, o Ministro do Trabalho, Chris Grayling, comparou o desemprego crónico a uma “bomba relógio”. A. Jeffrey A. Joerres, chefe executivo da Manpower (MAN), uma companhia de trabalho temporário com escritórios em 82 países, acrescenta: “o desemprego nos jovens irá claramente ser uma epidemia na próxima década, a não ser que o abordemos já no imediato. Não se pode fechar os olhos a isto.”
In Bloomberg

Alguém vê por aí alguém (bananas, instituições internacionais, etc.) a abordar este problema de forma capaz… até mesmo ao de leve?
Eu não! O que vejo são os números… os números da economia a serem abordados de forma quase insana perante a realidade de um mundo que não se contabiliza nas folhas de cálculo de uns quantos economistas viciados no 1, no 2, no 3, na escala dos números, nos números que reflectem mais o mundo dos “eles” do que o verdadeiro mundo de todos nós:

No ano passado a ILO encontrou uma réstia de esperança. Depois de analisar os dados de 56 países, os investigadores estimaram que o número de desempregados entre os 15 e os 24 anos, em 2010, tinha regredido nessas nações, em quase 2 milhões, para menos de 78 milhões. “Inicialmente pensámos ser um bom sinal”, disse Steven Kapsos, economista da ILO. “Parecia que os jovens estavam a conseguir penetrar no mercado de trabalho. Mas depois apercebemo-nos que era o número de trabalhadores em busca de um emprego que estava a declinar. Os jovens estavam a desistir.”
In Bloomberg

Estará este sistema económico a criar párias? Revolucionários? Ladrões e criminosos? Pobres?
Talvez um pouco de tudo… jovens destruídos pela incapacidade de um sistema que se baseia nos números e que se afasta cada vez mais da realidade do real.

E se juntarmos esse cocktail potencialmente explosivo de jovens à deriva com a inflação dos preços do alimentos que está a ocorrer  por todo o mundo, inflação que na sua génese está intimamente ligada aos pacotes de estímulo que foram injectados um pouco por todo o mundo desenvolvido e não só?

Dos dados da inflação são excluídos os preços voláteis dos alimentos e da energia numa tentativa de pintar um quadro mais real a longo prazo. É por isso que Bernanke pode dizer que a inflação continua quase silenciosa. Se retirarmos os preços dos alimentos e dos combustíveis, a inflação é realmente baixa.
Mas até alguns dos economistas “bullish” já não estão a ir na cantiga, como Ed Yardeni, presidente da Yardeny Research. Está a começar a ficar preocupado que Bernanke possa, com o QE2, ter libertado a besta da inflação pelo mundo.
In Daily Finance

Pois é, num mundo pintado e gerido a números, pelas classes banananeiras e casineiras, quase nada mais lógico existirá para eles que criar novos algoritmos que os ajudem a pintar no tom desejado o mundo em que todos nós vivemos, de modo a que o mundo dos “eles”, distante e ilusório para a grande maioria, possa continuar a crescer no papel.
Quem em seu perfeito juízo pode retirar das contas da inflação os alimentos e os combustíveis? Quem se não os doidos, ou os mentirosos?
Eu próprio respondo à minha pergunta: Os bananas e os casineiros!

E como o verdadeiro mundo não se rege pelos números artísticos de uma classe que vive num número próprio, eis que parte dessa classe, a medo depois dos recentes desenvolvimentos e revoluções na Tunísia, no Egipto, etc., resolve começar a doar alimentos à população de modo a tentar controlar possíveis sublevações sociais nos seus feudos. Os mesmo que arriscam a real realidade do mundo numa folha contabilística desvirtuada, apresentam-se a partir de agora como os bons… amigos…

O Ministro do Comércio e Indústria embarcou esta terça-feira numa campanha de distribuição e oferta de provisionamentos alimentares a todos os cidadãos elegíveis para os receber, como parte de uma oferta do Amir HH para o público do Kuwait.
In Arab Times

Hmmm… que mãos abertas… hmmm…
E para quem estiver menos atento e pensar que isto está a acontecer apenas nos países do Médio Oriente, relembro que 15% da população americana recebe do Estado cheques mensais para se conseguir alimentar … 15%!!!!!

Enquanto isso, o mundo das ciências, e as suas constantes evoluções e soluções para quase todos os males que o apoquentam, líderes numa acção maioritariamente benéfica a nível social mas igualmente enganadora, vão também constantemente chocando de frente com os limites físicos de um planeta que não se coaduna com soluções finais e totais.
A aquacultura, método apontado como salvador dos bancos de pesca do mundo, está a chocar de frente com os seus limites:

“Vamo-nos deparar com cada vez mais constrangimentos em termos de espaço disponível, de acessibilidade à água  – principalmente água doce – e também com os impactos ambientais e no fornecimento de rações”, disse o Sr. Cochrane.
In The New York Times

Eis que passadas umas décadas depois de ter sido anunciada como a solução final para os problemas de excesso de exploração dos bancos de pesca do mundo, este mesmo mundo tem de chegar à conclusão que as soluções salvadoras finais não podem\devem ser vistas e analisadas como tal, sob pena de serem quase sempre apenas um engano. O mundo e o Homem são limitados… ilimitados são apenas os sonhos do Homem.
Portanto, para além das “brincadeiras” com os números que estão a levar os preços dos alimentos até ao inacessível a uma boa parte deste mundo, também temos de começar a analisar profundamente que não irão ser apenas os cereais, as frutas, as verduras e a carne que irão aumentar exponencialmente de preço.
É só boas notícias…

E para adicionar um pouco mais de sal a tudo isto, ficamos a saber que há casineiros a apostar que o petróleo irá em breve custar 250 dólares por barril. 250 dólares por barril!!!! Se os “eles” estão a apostar que o barril irá a estar a 250 dólares é porque na mente deles o preço tenderá, muito provavelmente, a passar largamente esse valor:

Os investidores subiram as apostas de que o preço do petróleo poderá chegar aos 250 dólares o barril, preocupados que a revolta no Egipto possa interromper o tráfego marítimo no canal do Suez e alastrar-se até à Arábia Saudita.
In Bloomberg

Quando li isto pensei: “custa-me a acreditar que seja apenas por causa do enunciado nesta notícia… 250 dólares é 150% a mais que o preço actual… é demasiado… e até os casineiros são minimamente sãos das ideias…
E eis que hoje surge algo que me parece bem mais real, para reflectir essas apostas, do que os problemas no canal do Suez:

A revelação do conteúdo de um telegrama liberado pelo Wikileaks urge Washington a levar seriamente em conta um aviso de um executivo petrolífero do governo saudita de que as reservas do reino podem ter sido exageradamente estimadas em mais de aproximadamente 300 mil milhões de barris – quase 40%.
In The Guardian

Bomba!!!! Se as reservas na Arábia forem menos 40% do que ao proclamado, detendo a Arábia as maiores reservas do mundo e sendo o maior produtor e exportador mundial, então este mundo poderá ter menos de 1\5 de todo o petróleo que julga ainda existir por explorar.
Talvez esta informação nos ajude a compreender muitos dos porquês de tantas das coisas que estão a acontecer fora das páginas contabilísticas do mundo dos “eles”. Quase tudo o que temos passado nos últimos tempos, sejam preços, bancos, petróleo, revoluções, dívida, quase tudo poderá não mais ser do que o mundo real a responder à falta do sangue que faz mover este sistema das coisas que nos (des)governa…

E levando tal cenário de menos 40% de reservas em consideração, o que poderemos esperar daqui para a frente?
Guerras? Revoluções? Fome? Colapsos? O quê?
Já assistimos a revoluções, já estamos acostumados a ver a fome, já vimos colapsos… aquilo que ainda não vimos, e que nos conta a História acontecer quase sempre em épocas de contracção, foram as guerras, ou guerra:

Obrigado, Chairman Bernanke, por alegremente ter derrubado o dominó de Eisenhower através de uma estúpida e míope negação dos impactos da sua política monetária no preço global dos alimentos e das energias. Obrigado por assumir o lixo do “hedonismo” que distorce os números da inflação, que também o defende por enviar para a rua desempregados quase esfomeados em áreas altamente instáveis do mundo.
No final do dia, Sr. Bernanke, o único grupo que talvez lhe vá agradecer poderá muito bem ser o complexo industrial militar americano… isto assumindo que a máquina de guerra não irá gripar por falta de petróleo.
In Taipan Daily

Conclusão:
Jovens sem tino nem destino, números de um papel escrito por quem os números são deuses… inflação que é bandeira que corrói e ao mesmo tempo defende os deuses dos números… números que são cada vez menos animadores para os grandes desenvolvimentos em forma de solução total desenvolvidos pelo Homem… os “eles” que de nós quase apenas têm só medo, já dão comida de graça para na graça do Zé Povinho voltarem a cair… e dos números para quem os números são deuses, ficamos a saber que o número para o futuro da nossa vida é imensamente inferior ao proclamado… número que na sua essência poderá mais não ser do que mais um algoriticamente embelezado de modo a pintar o nosso mundo num tom mais suave…
E no final?
No final a História é invariavelmente madrasta com os números… num mundo pintado a ilusões…  só nascem, por norma, desilusões…

Notícia da Bloomberg – The Youth Unemployment Bomb
Notícia do Daily Finance – Why Global Food Price Inflation Really Matters
Notícia do Arab Times – Govt starts giving citizens free food
Notícia do The New York Times – Experts Debate Limits of Fish Farming
Notícia da Bloomberg – Bets on $250 Oil Rise as Traders See Saudi, Suez Risk
Notícia do The Guardian – WikiLeaks cables: Saudi Arabia cannot pump enough oil to keep a lid on prices
Notícia do Taipan Daily – Domino Theory and Saudi Arabia Syndrome

O Aquece Que Arrefece

O que aconteceu ao “ano mais quente desde que existem registos?”: A verdade é que o aquecimento global está em pausa. Estamos a gelar devido ao aquecimento global?. Ted Turner defende uma política global de um filho por casal para salvar o planeta.

Frio, calor, chuva, seca, quase tudo é responsabilidade do aquecimento global… Esta é hoje em dia parte da lógica usada para tentar explicar o fenómeno que assola os estudos de muitos dos cientistas do clima… mas… essa tentativa de lhe transmitir lógica tem de entrar no campo da efectividade dos números, e aí, por vezes, “a porca torce o rabo”.

Fomos na última semana bombardeados com a notícia – nem lhe dei lugar aqui no minha mOsca, pois era apenas mais uma falsa e “manipuladora” notícia sobre o clima -: 2010 poderá ser o ano mais quente desde 1850.
Mais uma vez fiquei pacientemente à espera da notícia que colocasse em xeque tal parangona desmedida e potencialmente “mentirosa”. E nem tive de esperar muito tempo… hoje foi o dia.

Gostava de salientar que este tipo de notícias bombásticas sobre alterações drásticas na temperatura do planeta saem quase sempre um pouco antes do início de reuniões internacionais sobre o clima, desta feita em Cancún, e esta não foi em nada diferente… aquilo a que depreciativamente chamo de: “O joguinho dos interesses sobre os interesses daquilo que não interessa”.

Pegando nas palavras do Daily Mail:

“De pouco importa que a Grã-Bretanha, tal como nos invernos dos últimos dois anos, estivesse a lidar com uma frente fria, que levou que a temperatura baixasse até -20º em algumas localidades, e que tenha sido o ano mais frio desde 1996.”
“Cruzando dados, eles encobrem uma verdade que para alguns, parafraseando o antigo vice-Presidente dos Estados Unidos Al Gore, é realmente inconveniente: nos últimos 15 anos, o aquecimento global estagnou.”

In Daily Mail

Talvez tais linhas sejam uma surpresa para muitos, mas a surpresa para mim era tais linhas não descreverem isso mesmo, porque há muito que o tema aquecimento global deixou de ser uma questão de defesa do ambiente e passou a ser uma questão da política e das finanças, impulsionada pelo mercado dos créditos de carbono, mercado que dá ainda mais dinheiro a ganhar à banca e faz os produtos ficarem ainda mais caros ao consumidor… um imposto escondido…
Sempre que os meninos “bananas” e os “casineiros” se juntam a brincar aos mercados a mentira passa a ser lei, e a lei neste tema há muito que é mentirosa!

Continuando… as grandes mentes da ciência do clima, ainda assim, continuam a aventar que até 2100 a temperatura do planeta irá aumentar 6º… Se começarmos a fazer contas… 6º… 90 anos… 6 a dividir por 9 é igual a… 0,6º por década… hmmm…

“Na realidade, com a excepção de 1998 – um ano atípico em que aasistimos a temperaturas altas recorrentemente, devido a um «El Nino» muito forte – os dados presentes nas páginas na Internet do Met Office (Instituto de Meteorologia)e do CRU (Unidade de Pesquisa do Clima), apresentam que as temperaturas globais têm estagnado, não apenas nos últimos 10 anos, mas nos últimos 15 anos.”
(…)”pelos dados do Met Office, o aumento da temperatura global desde 1850 foi de menos de 0,8º”(…)

In Daily Mail

Ui… 15 anos de temperaturas médias globais sem representar aumento médio de temperatura? E 0,8º de aumento em 160 anos?
Acho que se calhar podemos começar a chamar a este caso o “fritanço global”, tal o aumento da temperatura!

E como aparentemente a causa do aquecimento global induzir o aquecimento do planeta começa a ter cada vez menos bases sólidas para vingar entre as populações de Zé Povinhos do mundo – até mesmo nos dados -, tais as disparidades e erros básicos na ciência, que a melhor forma começa a ser dizer que o aquecimento global provoca frio…
Por vezes apetece-me chorar tal a abstracta noção da realidade que determinados seres – pessoas que se julgam acima do senso comum – desejam passar para os Zé Povinhos do mundo.

“Ontem, a Organização Mundial de Meteorologia anunciou que 2010 figurará quase certamente num dos três primeiros lugar, desde que se iniciou o registo de temperatura em 1850 – e já há muito foi aceite que um dos efeitos das alterações climáticas podia ser o aumento da frequência de invernos rigorosos.”

In The Telegraph

Portanto, se por acaso a temperatura média do planeta começar a diminuir a culpa será do aquecimento global????
Esta ciência de doidos dá comigo em doido… ou não… isto mais parece o grito desesperado de um naufrago quando vê que terra está cada vez mais longe.
Meus senhores, não existe arrefecimento global por causa do aquecimento global, isso é um puro contracenso ilógico e incongruente!

Já habituado à constante incongruência nos temas defendidos pelas super estrelas da ciência de hoje em dia, que dão força e falsa razão aos pequenos demónios que sempre existiram na nossa sociedade, eis que um deles, Ted Turner, aproveitando o balanço dado pelo aquecimento global e a defesa do meio ambiente propõe:

O Sr. Turner – há muito um proponente da redução da população mundial– disse que a pressão ambiental sobre o planeta Terra requer soluções radicais, sugerindo que os países adoptem o exemplo da China instituindo uma política de uma criança por agregado familiar de forma a reduzir gradualmente a população mundial. Acrescentou que os DIREITOS DE FERTILIDADE POSSAM SER VENDIDOS DE MANEIRA QUE AS PESSOAS MAIS POBRES POSSAM SER COMPENSADAS DA SUA DECISÃO DE NÃO REPRODUZIR.

In The Globe and Mail

Para quem anda distraído… bem vindo ao mundo de boa parte do status quo instituído… bem vindo a um mundo em que o dinheiro compra tudo… bem vindo a uma sociedade construída e vivida para funcionar sempre de acordo com os desejos e desígnios de uns quantos que têm e terão dinheiro para viver nela.
Esta sua visão do mundo de vários filhos para os ricos e um filho, quando dá, para os pobres, é consubstanciada num estudo do ECONOMISTA Brian O’Neill realizado a pedido da americana National Center for Atmospheric Research (Centro de Estudos Atmosféricos), que chegou à conclusão:

“(…)o rápido aumento da população mundial está a contribuir para a aceleração das emissões, e que um planeamento familiar alargado poderá reduzir a quantidade de emissões até 30% até 2050.”

In The Globe and Mail

Para além de ser um economista a realizar um estudo populacional para uma instituição que estuda o clima – grande confusão, verdade?-, a noção das emissões que eles dizem aquecer o planeta, CO2, quando nos últimos 15 anos a temperatura teve um aumento médio igual a quase zero, serem reduzidas reduzindo número de nascimentos no planeta e para isso criando um mercado de compra e venda de fertilidade é algo verdadeiramente único, ou quase único, apenas possível nas mentes que vêem o mundo por um prisma económico e não ambiental.
Sim apenas por um prisma económico, porque se vissem o mundo preocupados com o ambiente o que seleccionavam para reduzir emissões seriam as grandes multinacionais que destroem o planeta em busca de lucros fáceis, as grandes indústrias poluidoras, ou talvez a redução do fosso entre ricos e pobres… mas não: Criem um mercado para a compra e venda de direitos de fertilidade!
Doentes!!!!

Conclusão:
Um aquecimento global que não tem aquecido e que por vezes até arrefece demais, é pedra de toque para muitas vezes tentar justificar o injustificável, seja à base de falsas verdades ou de teoremas sobre a vida que servem apenas o viver de muito poucos… tudo isto feito à luz do aquece que arrefece…

Notícia do Dailymail – What happened to the ‘warmest year on record’: The truth is global warming has halted
Notícia do The Telegraph – Are we freezing because of global warming?
Notícia do The Globe and Mail – Ted Turner urges global one-child policy to save planet
Notícia de Apoio:
Notícia do Jornal de Notícias – 2010 poderá ser o ano mais quente desde 1850

Desunião Europeia

UE e FMI chegam (Hoje) à Irlanda para discutir ajuda à banca. Ajuda à Irlanda poderá atingir os 100 mil milhões. Défice da Grécia de 2009 revisto em alta. Países europeus adiam para Janeiro o pagamento do empréstimo à Grécia. Crise da zona euro ameaça a União Europeia. Inflação na zona euro atinge máximo de dois anos. Inflação acelera em Inglaterra. China admite controlar os preços para combater a inflação.

Acho que já todos estão cientes dos problemas que assolam a Irlanda, mas hoje saiu uma parangona num jornal em Portugal que me deixou verdadeiramente surpreendido, não pela sua mensagem, mas por ela descrever na sua essência o tipo de salvamento que irá ser conduzido na Irlanda:

UE e FMI aterram amanhã na Irlanda para discutir ajuda à banca .

In Público

Ah!!! Até que enfim a verdadeira essência das medidas são expostas ao público sem usarem rodriguinhos e inversões na matéria!
Agora sim podem ver\ler quais são as preocupações da União Europeia e do FMI com a Irlanda: AJUDA À BANCA!
Pergunto:
Então e o Estado irlandês que está endividado até ao pescoço?
Que ajudas terá direito?
Hmmm????

Os ministros das Finanças da zona euro (Eurogrupo) e o FMI já admitiram a possibilidade de ajudar o sector bancário irlandês e o Governo aceitou, ontem à noite, iniciar negociações para preparar um potencial plano de apoio à banca irlandesa, de modo a garantir que este possa ser rapidamente accionado se for necessário.

In Público

Concluindo: É mais importante para a UE, para o FMI e para os políticos “bananas” locais salvar os bancos que estão a levar o país à ruína do que salvar verdadeiramente o país.
Estes são realmente os sinais dos nossos tempos… sem vergonha e à descarada, e na maioria das vezes com a anuência e complacência de um Zé Povinho adormecido, dormente e num estado de ignorância desejada.

Ficamos também a saber que essa ajuda poderá ascender aos 100 mil milhões de euros! PARA A BANCA!
Como também é facto recorrente os números inicialmente aventados virem a ser significativamente superiores, vou especular dizendo que o caso deverá ir parar perto dos 150 a 170 mil milhões de euros para salvar a BANCA…

Continuando a especular, o défice da Grécia de 2009 foi revisto em alta.
Pois, não, não é especulação, é mesmo uma realidade da realidade de faz de conta das instituições bananeiras que (des)governam o nosso mundo.

O défice público da Grécia em 2009 foi revisto oficialmente em alta para 15,4 por cento do seu PIB, quando antes estava em 13,6 por cento.

In Público

Fazem ideia do que está descrito nesta notícia?
Dois porcento de diferença entre os números avançados inicialmente e que serviram de base de negociação da dívida grega e os números divulgados ontem?!?!?
Desculpem… ou não sabem fazer contas, ou então foi uma vez mais manipulação de forma a apresentar números menos maus e menos embaraçosos. MAIS 2% DO PIB!!!!

Quem não achou graça nenhuma a estes números foi o governo austríaco que disse:

(…)a Grécia não cumpriu as condições para receber essa ajuda, tendo ficado aquém, nomeadamente, no seu esforço para combater a evasão fiscal.

In Público

Pergunto:
Como não iriam ficar aquém se as contas do défice estavam aquém? 1+1=2!

O governo grego respondeu ao adiar do envio do dinheirinho:

(…)“um ajuste técnico”, por causa do Natal e do Ano Novo, que “não criará qualquer problema ao país”.

In Público

Enquanto isso, nós por cá somos como a sardinha dentro da lata; até que alguém nos abra, nunca iremos saber a profundidade da verdade da nossa realidade: se somos banhados a óleo vegetal ou a água salgada. Pessoalmente suponho que na nossa lata esteja descrito óleo vegetal mas que na realidade já só haja dinheiro para a água salgada.

E enquanto os Zé Povinhos se vão entretendo a ver o que se passa na Irlanda, na Grécia e em Portugal, algo muito mais sério e grave começa a ganhar momento: Inflação.

A inflação na Zona Euro, em Inglaterra e na China (sem falar nos EU, no Brasil, Na Índia, etc… um pouco por todo o mundo) começa a ganhar contornos da realidade prevista e quase inevitável, desenhada e programada desde o lançamento para a economia mundial dos biliões de euros, de dólares e de ienes em formato de pacotes de estímulo. A estes temos agora de juntar mais 600 mil milhões de dólares do novo pacote de estímulo à economia americana e os milhares de milhões de euros que estão a ser injectados na Grécia, que irão ser injectados na Irlanda e que inevitavelmente terão de ser injectados em Portugal, em Espanha e em Itália – exactamente por esta ordem. A bem dizer, até lá talvez aconteça o que Herman van Rompuy disse ontem temer:

“Temos de trabalhar todos em conjunto de forma a conseguirmos manter a Zona Euro viva, porque se não conseguirmos manter a Zona Euro viva também a União Europeia morrerá.”

In Aljazeera

Vindo de uma das vozes mais silenciosas da União Europeia, tem realmente uma conotação verdadeiramente intensa.
Intenso é também o facto de estas mesmas afirmações terem passado um pouco despercebidas dos meios de informação ocidentais, porque será?

Voltando à inflação… se estão preocupados com os aumentos dos impostos, comecem mas é a preparar-se que os aumentos poderão vir a demonstrar ser quase insignificantes perante o escalar da inflação e o consequente aumento do preço generalizado dos bens e das hipotecas em dívida à banca.
É inevitável que todos os biliões de nova moeda criada de forma a relançar as economias mundiais cheguem mais cedo, ou mais tarde, à economia real. Os sinais que começam a emergir, um pouco por todo o mundo, é o do escalar da inflação, sinal de que está correcta a afirmação que por norma o dinheiro criado pelos bancos centrais costuma demorar dois a três anos até chegar à economia real… Ora, se fizermos as contas… 2008, pacotes de estímulo… 2010, começa a aumentar a inflação… 1+1=2
E para os mais incautos… Não, não é o preço dos bens que está a ficar mais dispendioso, – de há dois anos a esta parte o consumo tem estado em constante regressão, assim como o preço do petróleo -, é o dinheiro – moeda FIAT – que está a perder valo  devido aos biliões injectados nos últimos anos nos mercados para salvar (?) a banca.
Pensem só nisto:
Caso o consumo não tivesse entrado em retracção nestes dois últimos anos, por onde acham que andaria a inflação? Nos 2,8%? Nos 5%?
Pessoalmente acho que para o ano talvez venhamos a enfrentar taxas de inflação mensal entre os 7% e os 10%.
Para quem não consiga visualizar o que acabei de escrever, vou tentar explicar a gravidade e profundidade do que acabei de escrever:
O João ganha 500 euros por mês e gasta 200 euros em alimentos, 100 euros em gasolina e 200 euros com o seu bem estar. (Janeiro)
Em Dezembro, a uma taxa de inflação de 10% ao mês: serão necessários 440 euros para comprar os mesmos alimentos que em Janeiro e 220 para a mesma quantidade de gasolina…
Ok… estou a ser pessimista… então façam a mesma conta a 5% ao mês… e quem pensar que irá receber um aumento que venha compensar a perca de poder de compra causada pela inflação… pois bem, que pense…

Notícia do Público – UE e FMI aterram amanhã na Irlanda para discutir ajuda à banca
Notícia do Público – Ajuda à Irlanda poderá atingir os 100 mil milhões de euros
Notícia do Público – Défice da Grécia em 2009 revisto em alta para 15,4 por cento do PIB
Notícia do Público – Áustria ameaça novas ajudas à Grécia
Notícia do Público – Países europeus adiam para Janeiro pagamento de empréstimo à Grécia
Notícia da Aljazeera – Eurozone crisis ‘threatens EU’
Notícia do The Wall Street Journal – Euro-Zone Inflation Hits Two-Year High
Notícia do The Wall Street Journal – U.K. Inflation Accelerates
Notícia do Dinheiro Digital – China admite controlar preços para combater inflação

Piers Corbyn “Esmaga” o Aquecimento Global

A onda de calor na Rússia foi devido a alterações dramáticas na actividade solar.

Ainda ontem escrevi sobre os efeitos do sol no clima, quase premonitório, e não é que hoje sai uma entrevista que considero das mais violentas em relação à ciência usada para estabelecer o CO2 como a causa principal do aquecimento global.

Piers Corbyn:

“Sim. A nossa previsão para a Europa e para a zona ocidental da Rússia antevia uma onda de calor, especialmente na Europa de Leste e na zona ocidental da Rússia. E também previmos quando iria terminar e terminou quando tínhamos previsto.” (Respondendo se a onda de calor na Rússia tinha sido prevista pelo seu modelo)

“Foi causada por mudanças dramáticas na actividade solar (…) que conduziram a alterações na corrente «jet stream» (Corrente de jacto) (…) as cheias no Paquistão também cessaram em consonância com a data que tínhamos previsto.” (Em resposta a quais as causas)

“O que estamos a assistir é a uma actividade solar muito intensa e isso afecta a precipitação de partículas do sol em direcção à Terra, as quais modificam a ionosfera, o que por si altera os padrões de circulação no planeta, que são conhecidos como «jet stream»” (Estão relacionadas as cheias no Paquistão e onda de calor na Rússia?)

“Analisemos os factos. (…) Estas coisas já aconteceram no passado, particularmente a onda de calor e as cheias no Paquistão aconteceram há 132 anos, aproximadamente, e correspondia à mesma situação do ciclo solar e lunar.” (…) “As pessoas que dizem que estes eventos são causa do aquecimento global ou são ignorantes, ou então querem enganar o público com interesses políticos e financeiros.” (Ligação das cheias e onda de calor ao aquecimento global)

“Em Inglaterra os últimos três verões foram muito chuvosos, o que correspondeu ao que aconteceu há 132 anos, o que poderá dizer que iremos assistir a uma sequência destes eventos na Rússia e no Paquistão.” (É um ciclo do clima?)

“Tem de retirar o efeito que os fogos florestais tiveram sobre a temperatura. (…) Por isso, descrever este como o ano mais quente de sempre, é pura idiotice.” (Foi o ano mais quente já registado?)

“O que dizemos é que o que se passa no sol dita o que se passa com os padrões de circulação no planeta. (…) E que situações passadas idênticas da situação do sol e da lua irão criar padrões atmosféricos semelhantes.” (Como fazem as vossas previsões?)

“Estão a ser pagos para dizer essas coisas. Por exemplo, pelos bancos que ganham biliões com os créditos de CO2, ou pelas empresas petrolíferas que querem que os preços do petróleo subam. Eles adoram este golpe publicitário. (…) O que precisamos é de ciência responsável. Temos de retornar para ciência e políticas baseadas em evidências. O facto é que não existem evidências de que o dióxido de carbono seja o responsável pelo aumento das temperaturas, analisando os dados dos últimos 600 milhões de anos . (…) Os que afirmam “o último mês foi um caso sem paralelo”, estão só a dizer disparates. O último mês em 600 milhões de anos é o mesmo que comparar um centímetro com a distancia do raio do planeta. (…) Isso é pura idiotice. Esse é o nível da ciência deles. É pura tolice.” (É um acérrimo crítico da ideia do aquecimento global, porquê?)

“Somos triviais quando comparados com a natureza.” (…) “Os dados dos últimos 600 milhões de anos não apresentam nada que sustente as suas teorias.” (O impacto do homem no clima)

“O inquérito foi um branqueamento. E está a ser escondido algo mais grave, crimes contra a ciência que não são directamente da responsabilidade da Universidade de East Anglia, mas que têm mais a ver com as operações americanas, mais especificamente com os dados de satélite. Os dados por satélite têm exagerado grosseiramente as temperaturas da superfície. Estas estimativas estão tão desfasadas que para acreditar nelas significa que o lago Michigan já teria evaporado. E essas informações de dados falsos têm sido inseridos nas médias. Hoje em dia, não temos um número real para as temperaturas médias do planeta. (…) Infelizmente estes trapaceiros têm conseguido levar a deles demasiado à avante e eles têm de ser responsabilizados. (Em relação à divulgação do Climategate)

“As pessoas que têm vindo a fazer isto deviam ser afastadas, e devíamos lá ter pessoas que se dedicassem à objectividade científica.”

In RT

À falta de mais vozes nos veículos de publicidade para as massas, vulgo comunicação social, por vezes vamos tendo acesso ao contraditório.
O contraditório é apenas e só um dos processos mais importantes na ciência, e especialmente quando a ciência actual do aquecimento global (CO2) é egocêntrica e desprendida de objectividade científica, onde qualquer coisa estranha que se passe com o clima é imediatamente atribuído à sua causa – quase parece o Hitler e os judeus, onde tudo era por culpa deles… Má ciência.

Entrevista completa:
Vodpod videos no longer available.

Mais informação sobre este tema nos posts: O Aquecimento Global e o Esquecimento Mental e A Inquisição, Galileu Galilei, Aquecimento Global e Solar Max. (Uma Explosão a Caminho da Terra)(Actualizado)

Notícia do RT – Russian heat wave due to dramatic changes in solar activity – forecaster

Os Novos Delatores (Pagos a Peso de Ouro)

A traição de um banqueiro. Compra de dados de fuga ao fisco renderá à Alemanha 2 mil milhões de euros. Suspeita de nomes terem sido apagados do CD roubado do Liechtenstein.

Uma nova forma de delator está a surgir. Há uns anos era à máfia a quem os Estados pagavam por informações. Hoje em dia? Hoje em dia é a banqueiros que revelam segredos das contas dos seus cliente.
Qual a diferença entre máfia e banqueiros? Se calhar apenas o nome “profissional”…

O primeiro arrependido, pago a peso de ouro pelo seu arrependimento, a vir a público foi um banqueiro suíço chamado “Birkenfeld” – se calhar é nome de código, que foi considerado a personagem do ano de 2009 nos Estados Unidos. Por muito arrependido que esteja um criminoso, as suas acções passadas não deixaram de ser crime. e considerar tal personagem a personagem do ano acho que atesta bem dos valores abstractos que grassam na nossa sociedade moderna.

O antigo banqueiro da UBS revelou os nomes de alguns americanos que fugiam ao pagamento de impostos através do paraíso fiscal que é a Suíça, e revelou um imenso esquema fraudulento.
Surpresa? Só pode ter sido surpresa para os “bananas” e para os meios de comunicação social, porque até o Zé Povinho mais distraído sabe bem que os paraísos fiscais são mesmo paraísos… enfim…

A Alemanha e mais 13 países pagaram a um delator que trabalhava num banco no Liechtenstein para saberem os nomes de quem andava a fugir ao fisco usando os paraísos fiscais do Liechtenstein e da Suíça.
Os cd’s revelavam o nome de mais de 6 mil pessoas – todos uns pobretanas -. desde alemães, americanos, suíços, etc, etc, etc
O delator também expõe a sua consternação e surpresa por até agora só um dos 46 nomes políticos sonantes ter sido julgado por fraude. Diz que se lhe pagarem mais revelará os outros 45 nomes. Mais corrupção? Enfim… corrupção sobre corrupção, é um ciclo vicioso sem fim…

Isto é mesmo pura máfia – se lhe pagarem ainda mais revelará os outros 45 nomes? Vergonha, vergonha… Em Estados de direito em que se pode prender quem quer que seja (desde que fundamentado) até mesmo para lá das fronteiras dos próprios países, usando a Interpol como exemplo, ainda existem ilhas e paraísos que estão acima das leis dos países e das pessoas. Os bancos, ao contrário daquilo que a maioria acha, são Estados dentro dos Estados com regras e leis próprias que se sobrepõem a todas as leis do país onde estão sediados. As leis que muitos dos bancos usam são as leis marítimas e não as leis dos Estados – Isto é algo que deixo para quem quiser informar-se quais as consequências de tal legislação independente. (Lloyd’s Law Reports)

Quantos sabem que o centro financeiro inglês é uma “cidade” dentro da cidade de Londres e um país dentro de Inglaterra constitucionalmente reconhecido, chamado The City?

The City de Londres tem um estatuto político único, um legado da sua ininterrupta integridade como cidade corporativa desde o período anglo-saxónico e a sua relação com a Crown. Historicamente o seu sistema de governo era comum, mas não foi reformado pela Acta de Reforma Municipal de 1835 e muito pouco mudou desde então (…) The City tem um sistema eleitoral único. A maioria dos seus eleitores são representantes de corporações ou de outros interesses que ocupam cargos na The City.

In Wikipédia

Isto é apenas um exemplo da pouca transparência com que temos de lidar e estar atentos quando ouvimos falar sobre a banca…

Notícia do Global post – Telling Swiss secrets: A banker’s betrayal
Notícia do Dinheiro Digital – Alemanha: Compra dados sobre fugas ao fisco renderá 2.000 M€
Notícia do Diário Económico – Suspeita de ‘delete’ no CD roubado do Liechtenstein

%d bloggers like this: