Arquivos de sites

A Verdade é uma Aberração

Hoje vou começar pelo aberrante histerismo patente em muitas das parangonas dos meios de comunicação generalistas para escrever sobre os mais recentes desenvolvimentos que nos ajudam a compreender um pouco melhor o que podemos esperar, nos próximos tempos, do excedente de energia indispensável para o carburar desta sociedade moderna.

Ora então… nos espaço de 11 horas, os meios de comunicação deram destaque de parangona a isto:

Petróleo mais forte com reconstrução do Japão.
In Agência Financeira
Preços do petróleo recuam com receios de descida na procura pelo Japão.
In Jornal de Negócios

Compreendo que ainda todos andem a tentar compreender que influência na economia irão ter os problemas que assolam o Japão, mas um pouco mais de tino e bom senso, de modo a não nomearem logo os culpados mais fáceis, seria uma forma muito mais correcta de abordar esta questão e seria principalmente muito menos histérica. Este é apenas um dos incontáveis “erros” expostos diariamente nos meios de comunicação generalistas, culpa do aberrante copy\paste, pois, na maioria das vezes, nem se dão ao trabalho de verificar se o que escrevem hoje não choca de frente em incongruências fatais com o que escreveram ontem… mas enfim…
Continuando…
O engraçado nestas duas parangonas antagónicas é que ambas poderão reflectir o que se irá passar no futuro mais próximo com o preço do petróleo e, por inerência, a pressão da inflação, e não só, sobre todo o globo.
É uma verdade que os preços do petróleo tenderão nos tempos mais próximos a descer, culpa da quase paragem das industrias no Japão e de muitas outras noutros países que estavam e estão dependentes daquilo que as industrias japonesas produzem. É também verdade que quando as industrias japonesas voltarem a carburar a fundo, essa desalavancagem de pressão sobre a oferta de petróleo irá desaparecer, isto para além de que com o desaparecer de parte da capacidade geradora de energia eléctrica no Japão, especialmente das centrais nucleares que irão ser desactivadas, iremos assistir a um aumentar da pressão sobre a oferta de petróleo e consequente aumento do seu preço.
Podemos juntar a estes sinais de pressão mais um… quase todos os investimentos que estavam a ser feitos no mundo em novas centrais nucleares estão parados, novas centrais que iriam ajudar este mundo a reduzir uma fatia daquilo que consome de petróleo… iriam – nos tempos mais próximos…

A pressão que o Japão irá gerar sobre a oferta mundial de petróleo é apenas mais um dos factores que irão muito provavelmente conduzir este mundo até a um choque económico que porá todo o globo de gatas, que poderá ser em breve… se até lá isto não estoirar por culpa do vício da banca ao jogo, ou pelo excessivo endividamento das economias (ditas) desenvolvidas.

Para nos ajudar a compreender um pouco melhor as pressões que estão a ser exercidas sobre o petróleo, Robert Lenzner escreveu um excelente artigo na Forbes, que nos diz:

Iremos necessitar de 126 milhões de barris de petróleo por dia dentro de duas décadas – dos 90 milhões que actualmente a economia global requer. E metade desses 36 milhões de barris adicionais por dia estão ainda por desenvolver, até mesmo descobrir, de acordo com o relatório anual da Schlumberger para 2011.
In Forbes

Portanto, este mundo irá necessitar de mais 36 milhões de barris por dia daqui a 20 anos – isto claro se a economia global “não der o peido” até lá, sendo que mais de metade desse valor ainda não está desenvolvido, até mesmo descoberto e o que está actualmente a ser explorado nunca irá reduzir a sua produção? (Não existem poços de petróleo infinitos, por isso daqui a 20 anos a maioria poderá já ter deixado de produzir – isto nem vou levar em consideração, o que faria aumentar exponencialmente a insuficiência de petróleo para os próximos 20 anos)
Hmmm… portanto isto indirectamente diz-nos que o mundo tem uma margem de manobra para acomodar um aumento da procura de petróleo inferior a, na melhor das hipóteses, 18 milhões de barris por dia – a outra metade está por descobrir ou perfurar… ainda não conta, tal como ainda não conta para estas contas as reservas que daqui a 20 anos irão estar a produzir muito menos que hoje em dia, se é que mesmo grande parte delas ainda existirão como tal.
Para os mais incautos, que vivem num presente que para eles será sempre de crescimento eterno, tal número seja mais que suficiente para que este globo económico consiga continuar a crescer e que o amanhã venha a ser sempre melhor do que este presente… mas…

“Para encontrar petróleo, tem de perfurar. Mas não tem apenas de perfurar, também tem de aumentar a intensidade com que perfura em termos de sofisticação tecnológica, complexidades com os poços e reservatórios e eficiência operacional e a sua efectividade.”
In Forbes

Portanto, esses 18 milhões de barris aventados como colchão para o crescimento futuro deste mundo estarão intimamente dependentes dos factores acima destacados… hmmm… então este mundo está dependente da capacidade da tecnologia conseguir resolver essas questões, a mesma tecnologia que causou indirectamente o derrame de petróleo no Golfo do México e o acidente com as centrais nucleares no Japão… a mesma tecnologia que terá de ser cada vez mais infalível porque a margem será cada vez menor para acolchoar erros… hmmm…
Sabem, como pessoalmente não gosto nada de basear a minha vida em contos de fadas em que o bem triunfa sempre sobre o mal, gosto de fazer contas com os números que me vão surgindo à frente… Ora então, tendo este mundo actualmente capacidade de produzir, para lá do que consome, “apenas” mais dois milhões de barris por dia e que terá de encontrar\desenvolver mais 16 milhões barris por dia nos próximos 10 anos (metade do aventado na notícia da Forbes), ou seja, mais 1,6 milhões de barris a mais por ano durante os próximos 10 anos, significa que o mundo terá de margem apenas pouco mais de um ano de colchão para amparar problemas… Não sei se compreendem que 1 ano é igual a quase nada neste mundo económico que baseia todas as suas assumpções de que a economia irá continuar a crescer eternamente… 1 ANO!!!!
O nosso futuro está dependente que nada de mal corra que possa colocar em causa esse ANO de margem entre o precipício e o eterno crescimento eterno…
Sabem como reagem os mercados económicos mundiais quando colocados perante o risco?
1 ANO é NADA!

E que tal juntar a esta noção os problemas que estão a assolar actualmente o globo e a economia mundial?

O mundo está actualmente em modo de crise, culpa de um impensável desastre natural no Japão até às revoltas que assolam o Médio Oriente e a África do Norte.
Como se estes eventos não fossem já de si suficientemente preocupantes, está provavelmente a desenvolver-se uma crise ainda maior que poderá “abanar os mercados globais”, afirma o colunista da Forbes Gordon Chang: A luta pelos recursos globais de energia irá crescer conforme se forem agravando as pressões e os receios de uma diminuição na oferta de energia, já de si com preços bastante elevados.
In Yahoo! Finance

Portanto, este mundo, que tem pouco mais de 1 ano de colchão, está a ser acossado por problemas… hmmm…
E acho que o Gordon Chang não estava a falar sobre o futuro mas sim sobre o presente, pois a “guerra” na Líbia encaixa na perfeição na sua última frase – digo eu.
1 ANO… hmmm

E voltando um pouco atrás nesta história, quem no mundo tem capacidade para aumentar a produção diária de petróleo?A Arábia Saudita, correcto?

Impulsionada pelo crescimento populacional, aumento da qualidade de vida e crescimento da industrialização, está em crescendo a demanda de energia da região e uma diminuição não se perfila no horizonte.
Nos últimos anos, Kuwait, Qatar, Arábia Saudita e UAU, todos sentiram falhas no fornecimento de energia que resultaram em “blackouts” localizados que por vezes se estenderam durante vários dias. O consumo por vezes ultrapassa a capacidade de oferta disponível, principalmente nos meses de Verão quando o consumo destes países atinge o pico em resultado de aumento no uso dos ar condicionado.
In Arabian Business

Hmmm… a zona do planeta que é o colchão do globo – 1 ANO – está ela a braços com falta de energia?!?!?!
1 ANO, onde?!?!?!
Talvez haja 1 ANO a mais para esses países, ou então… guerra… por… petróleo… quer dizer, já está a ser tudo preparado para tal! Verdade? Será? Líbia? Bahrein? Síria? Iémen? Arábia Saudita? Todos?
1 ANO? Para quem? Para onde?

Conclusão:
E não é que as aberrações por vezes dizem a verdade… mesmo que a verdade seja antagónica da real verdade? E não é que é verdade que este globo poderá crescer ainda mais além… além das fronteiras da razão?
E não é verdade que um ano é mais que nenhum… mesmo que o nada seja apenas pouco mais que um?
E não é verdade que quem ainda tem já pouco mais terá?
Sabem… as ditas verdades são suspeitas nesta aberração…

Notícia da Agência Financeira – Petróleo mais forte com reconstrução do Japão
Notícia do Jornal de Negócios – Preços do petróleo recuam com receios de descida na procura pelo Japão
Notícia da Forbes – We Need To Find 36 Million More Barrels Of Oil A Day
Notícia do Yahoo! Finance – World at Crossroads Over Energy Supply: “This Is Not Over Yet,” Chang Says
Notícia do Arabian Business – Energy, not politics is Gulf’s top challenge

Anúncios

Tsunami Económico

Continuação do artigo: Tsunami Nuclear

As certezas da vida moderna foram num pequeno instante colocadas em causa por um terramoto imenso, por um tsunami de dimensões cataclísmicas e por um desastre nuclear.
O Japão, a terceira maior economia deste nosso mundo, ficou de rastos. Quais os impactos para o restante do mundo deste tsunami económico que se está a formar?
Esta é a pergunta que vou tentar parcialmente responder, e escrevo parcialmente porque a amplitude de tal solavanco para a economia mundial tem tantas ramificações que se torna quase impossível de conseguir extrair todos os seus impactos directos e indirectos.

Antes demais, para não variar, muita da informação que iremos ter acesso nos meios de informação generalistas tenderá a fornecer-nos uma visão optimista, na melhor das hipóteses… isto caso os meios de comunicação generalistas sigam com a sua conduta habitual, tal como podemos facilmente constatar neste caso:

Desastres no Japão não causarão recessão mundial, acreditam economistas.
In Deutsche Welle

Mas pior, é que esta informação anda quase esquecida nos meios de informação… e quando escrevo “quase”, estou a ser simpático para com a ausência de análises a este problema, pelo menos nos meios de comunicação em língua portuguesa.
Mas seguindo com as palavras dos economistas optimistas:

Wolfgang Leim, acredita que no momento não há perigo de recaída numa recessão. Ele acredita que, como ocorre após grandes greves, a redução provocada pelo cancelamento da produção em alguns setores pode ser recuperada. Parte da produção pode ser deslocada das empresas afetadas para suas unidades em outros países.
O economista-chefe do Unicredit, Andreas Rees, opina que, mesmo havendo um recuo nas atividades econômicas japonesas nos próximos dois ou três meses, este efeito será compensado posteriormente.
O primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, (…) o Japão pode até mesmo experimentar um boom econômico, comparável ao dos Estados Unidos na década de 1930, durante o “New Deal” do presidente Franklin Roosevelt.
In Deutsche Welle

Quase tudo positivo e bonito, não é verdade? O Japão vai recuperar num instante, o mundo não sofrerá consequências e isto até poderá mesmo representar um “boom” económico para o Japão. Estarão estas noções correctas? Porque razão quase só deram voz a noções positivas? Será isto uma vez mais informação tendenciosa, a quase regra da informação presente nos meios de comunicação generalistas? A ver vamos, mas os indicadores…

Quais os impactos para o sistema económico, para as energias e para o crescimento económico deste mundo?

O desastre na terceira economia do mundo é um factor inesperado que veio baralhar todos os outros que estavam previstos e descontados por analistas e mercados financeiros.  (…) está agora em risco não só o crescimento económico no Japão e na Ásia, como também a nível global. Para além do drama humano, começam-se a fazer cálculos económicos, após os efeitos imediatos da destruição de cidades, infra-estruturas rodoviárias e ferroviárias, fábricas, bens de consumo duradouro, campos agrícolas e fontes energéticas.
Também serão severamente afectadas as relações comerciais com os seus principais parceiros, nomeadamente a China que é o seu principal fornecedor. Não só se quebrará parte da procura nipónica para as suas cidades e fábricas na parte norte do país (no cenário futuro de reconstrução esta situação será fortemente invertida), como as exportações serão menores, com os efeitos que tudo isto acarreta a montante e a jusante.
In Diário Económico

Comecemos então pelo sistema económico:

Weinberg questiona se as pessoas afectadas pelo desastre irão pagar as suas hipotecas, os seus créditos e as dívidas dos seus cartões de crédito.
Ele afirma: “Poderemos assistir aos bancos a terem de assumir perdas em parte do seu portefólio de empréstimos.”
In CNBC

Esta é uma questão de análise tão simples no entanto nem sequer tem sido identificada pela grande maioria dos meios de comunicação generalistas.
Que perdas terão de ser assumidas pela banca japonesa que está intimamente ligada à banca mundial?
Sabemos que o Banco Central japonês já injectou mais de 300 mil milhões no mercado. Terá de injectar quanto mais para “salvar” os portfolios dos seus bancos? E a inflação que daí resultará?

A economia japonesa, já enfraquecida, talvez já mesmo em recessão antes da calamidade, irá ficar ainda mais fraca.
In New York Times

Portanto, é quase uma inevitabilidade o Japão entrar em recessão, Japão que representa aproximadamente 6% do PIB do mundo…6%! Se o Japão entrar em acentuada recessão o que irá acontecer ao crescimento no mundo? Sabem, em matemática 1+1=2, e neste caso é igual a uma provável recessão…

“Uma acentuada desaceleração no PIB do mundo, na segunda metade deste ano, é algo que não pode ser descartado.”
In The Globe and Mail

Num mundo já assolado pela crise no petróleo, pelas “revoluções” no Norte de África e Médio Oriente, pela alta da inflação na Ásia e nos mercados emergentes, pelas crises do crédito e descrédito com a banca, e pela dívida monumental que assola as economias desenvolvidas do mundo, tem agora de se juntar a isso tudo a crise de fundo no Japão.

Analistas dizem ser possível que as consequências venham a ser sentidas pelo mundo na forma de inflação mais elevada, diminuição no crescimento, ou num choque potencial para o sistema financeiro.
In The Washington Post

Porquê uma aceleração da inflação?

Especialistas em logística afirmam que o terramoto expôs pontos fracos críticos para uma vasta gama de negócios comerciais, tal como para as indústrias electrónicas e de produção automóvel.
In The Wall Street Journal

Uma aceleração na inflação porque o Japão representava quase 40% das exportações de componentes electrónicos para o mundo. A destruição das áreas costeiras japonesas levou com elas tanto as centrais nucleares como outras centrais geradoras de energia eléctrica, assim como muitas fábricas produtoras. O Japão não tem actualmente capacidade geradora de energia eléctrica para alimentar todo o seu tecido produtor, nem tal será exequível num espaço de tempo inferior a seis meses. O mundo terá de encontrar novos fornecedores, ao mesmo tempo em que a oferta diminui, o que fará inevitavelmente disparar o preço dos bens… preço que daqui a uns meses estará reflectido no mercado para os consumidores.
E há outro factor que está a ser recorrentemente “esquecido”… o Japão tenderá a passar de economia exportadora para uma economia importadora de forma a conseguir reabilitar as infra-estruturas que ficaram destruídas, assim como para conseguir aumentar a sua produção de energia através dos métodos convencionais, petróleo e carvão, que irão ser mais um dos factores a criar pressão inflacionária sobre o mundo. O Japão irá aumentar a pressão da procura sobre matérias-primas que já estavam sobre pressão na produção, e em vários casos, até mesmo em declínio, o que criará uma vaga inflacionária sobre o mundo.

Para além de que esta falta de componentes já estar a arrasar com parte da economia mundial:

Na quinta feira passada, a General Motors Co. tornou-se no primeiro produtor de automóveis a ter de encerrar uma fábrica por causa da crise no Japão.
In The Wall Street Journal

Desengane-se quem pensar que será apenas um problema para as fábricas de automóveis… Quase todas as indústrias que necessitam de componentes electrónicos estão a ser afectadas de forma violenta, levando que a maioria das fábricas produtoras no mundo estejam a reduzir a produção de modo a tentar evitar a todo o custo a paragem, e a tentarem arranjar tempo para encontrar novos fornecedores num mercado já de si espremido.

Mas existe um problema que poderá vir a ser mesmo uma bomba atómica para a economia mundial:

As suas corporações e bancos estão imensamente interligadas com o mundo e fazem parte do tecido que liga a economia global.
In The Washington Post

O Japão foi o segundo maior comprador de bilhetes do Tesouro americanos, e comprou em Janeiro mais de 20% (…) da dívida emitida pelo Fundo de Estabilidade do Euro para financiar os países em dificuldades na periferia do Euro.
In The Globe and Mail

O Japão é um dos maiores e mais activos financiadores das economias mundiais. O Japão é o segundo maior detentor de dívida americana e um dos maiores de dívida dos países europeus. Se actualmente já é tão difícil para a maioria dos países encontrarem financiadores para a sua dívida, o que irá acontecer daqui para a frente com o quase desaparecer do Japão do mercado enquanto comprador?

“As suas poupanças irão agora ser redireccionadas, directa ou indirectamente (através da aquisição de títulos japoneses), para a reconstrução, estes fundos deixarão de estar disponíveis para financiar economias estrangeiras.”
In The Globe and Mail

Mas há ainda pior… e se o Japão tiver de vender os seus investimentos em dívida dos outros países de modo a conseguir financiar a sua reconstrução?

O iene ganhou terreno durante toda a semana ao dólar – o oposto que se poderia esperar. Mas as companhias japonesas e investidores estiveram a fazer retornar o seu dinheiro para o território japonês, de modo a conseguirem pagar os imensos custos de reparação.
In New York Times

O Japão poderá vir a vender parte dos seus investimentos em dívida estrangeira, incluindo dívida dos Estados Unidos, para financiar um aumento da despesa depois do maior terramoto registado no país ter deixado milhões sem electricidade e sem água, de acordo com a Brown Brothers Harriman & Co.
In Bloomberg

Este é o terceiro factor de pressão inflacionária directamente ligado aos problemas que afectam o Japão. Mais dólares e mais euros entrarão no mercado se o Japão começar a vender os títulos de dívida de países estrangeiros. Eis o porquê do desespero dos bancos centrais das sete economias mais fortes do mundo andarem que nem doidos a vender ienes de modo a tentar controlar uma implosão das moedas mundiais.
Se o Japão começar a vender dívida de terceiros o mundo económico irá mais que provavelmente explodir em inflação e em contracção económica.

E o que fará este mundo casineiro e bananeiro quando tiver de enfrentar pelos cornos estes problemas?
O mesmo que tem vindo a fazer até aqui (Já o está a fazer)… irá imprimir dinheiro para tentar acolchoar a queda, acção que irá aumentar e agravar as pressões inflacionárias sobre o mundo… que irão por si ajudar a contrair ainda mais fortemente a economia mundial…

E falta juntar a todos estes tópicos a cereja no topo do bolo.
Se acontecer um desastre nuclear tipo Chernobyl no Japão, como se afigura cada vez mais provável? Pois é… todos estes factores tenderão a ser exponencializados N vezes… e a seguir será apenas o início do fim há muito anunciado…

Conclusão:
Japão papão em apagão… apagão que já se estende a todo o mundo… e inflação que irá papar tipo comilão aquele mundo que julgava estar desenvolvido… mas desenvolvido poderá ser apenas um desenvolver em marcha-atrás… atrás daqueles sonhos que são na realidade mais pesadelos, criados por homens que se julgavam superiores ao planeta… mas este planeta é vida, e a vida não se padece com sonhos de crescimento eterno… e de inflação em inflação iremos chegar até ao porto da desgraça em que seremos violentamente consumidos pela onda de um tsunami económico que engolirá todo este mundo… de eterno… e ilusório… crescimento.

Notícia do The New York Times – Certainties of Modern Life Upended in Japan
Notícia do Deutsche Welle – Desastres no Japão não causarão recessão mundial, acreditam economistas
Notícia do Diário Económico – Godzilla existe!
Notícia da CNBC – Nikkei Losses to Double: Economist
Notícia do The New York Times – A Crisis That Markets Can’t Grasp
Notícia do The Globe and Mail – Global economy faced with a new recession
Notícia do The Washington Post – Japan earthquake’s aftermath: Economists more pessimistic about long-term impact
Notícia do The Wall Street Journal – Crisis Tests Supply Chain’s Weak Links
Notícia do The New York times – Stress Test for the Global Supply Chain
Notícia da Veja – Catástrofe no Japão pode mudar planos de montadoras
Notícia da Bloomberg – Japan May Sell U.S. Treasuries After Earthquake, Brown Brothers’ Thin Says

Quem Nos Salva?

Taxa de juro aumenta 249% em 11 meses. Portugal irá necessitar de 20 anos para conseguir regularizar a dívida. Doze bancos espanhóis têm de reforçar capital em 15 mil milhões. Fitch: Bancos espanhóis precisam de pelo menos 38 mil milhões. Moody’s: Bancos espanhóis necessitam no mínimo de 40 mil milhões. Molycorp diz que a China em 2015 passará a ser importadora de elementos raros. A contaminação do plástico no oceano Atlântico. Japão vai rever a lei de mineração, para tentar chegar até aos 3,6 biliões em recursos subaquáticos. A doença do derrame de petróleo está a destruir vidas.

Portugal, Espanha, China e mundo de candeias às avessas, aos solavancos, aos trambolhões na insanidade de uns quantos.

Ficámos hoje a saber, não é que seja uma surpresa, pelo menos para quem tem andando minimamente atento, que os juros cobrados a Portugal aumentaram, desde Abril do ano passado, 249%249%!!!!!
Portanto, já todos(?) deverão estar cientes que Portugal irá ter de pagar em juros, simplisticamente falando, mais 249% em milhares milhões de juros, para além dos imensos milhares de milhões que tem em dívida.
Se acham que tal é pagável, quem sou eu para contrariar tal convicção, mas mesmo assim gostava de referir que os sonhos não são necessariamente passíveis de serem transformados em realidades…

A realidade é, como ficámos hoje a saber, que Portugal irá necessitar de pelo menos 20 anos, duas décadas, para conseguir regularizar a sua dívida de modo que esta fique abaixo de 60% do seu PIB.
Isto para mim é puramente um sonho dentro da actual funcionalidade deste sistema monetário. Teria de escrever imensas linhas para tentar justificar toda essa minha opinião, por isso irei utilizar apenas os dados mais facilmente palpáveis para a tentar justificar, baseando-me apenas e como sempre em notícias dos meios de comunicação generalistas que saíram nos dias mais recentes.

20 anos… duas décadas… Será que estão cientes que isso poderá significar que irão ser duas décadas de contracção económica, duas décadas de aumentos nos impostos, duas décadas de redução da qualidade de vida, duas décadas de redução no rendimento per capita disponível, duas décadas de perdas de direitos adquiridos, duas décadas de diminuição do Estado Social, duas décadas de aperto no cinto? Duas décadas! Vinte anos!
Estará o Zé Povinho disponível para aguentar a contracção deste sistema e a regressão no seu nível e qualidade de vida durante duas décadas, vinte anos?
O povo é sereno, dizem alguns… por isso, talvez… mas também talvez não…

E então se forem (muito) mais que apenas duas décadas, como pessoalmente considero que é o mais provável, dados os indicadores que temos actualmente disponíveis?
Comecemos por pegar nos indicadores que nos chegam de Espanha…
Então, ficámos hoje a saber que doze, 12!, bancos espanhóis chumbaram nos testes de stress desenvolvidos pelo governo de nuestros hermanos, e que terão de aumentar em 15 mil milhões de euros o seu capital.
Ok, nada de mais, poderão alguns pensar… Talvez peçam uns empréstimos e tapem esses buracos com numerário (ilusório)… talvez… ou talvez não…
E se o tamanho do buraco for como a Moodys e a Fitch anunciam?
E se o buraco for de até 100 mil milhões de euros, cinco vezes mais que o total que o Estado português necessita de financiamento para este ano? Hmmm… quando analisado desta forma as semelhanças com a Irlanda são realmente peculiares, no mínimo… e no mínimo o Estado espanhol irá cair… de joelhos…
Hmmm, com que então vinte anos para Portugal conseguir acertar as suas contas, mas essa análise baseia-se no facto que a Espanha se mantenha de pé. Então, se a Espanha ruir, quantos mais anos teremos de adicionar a esses vinte? (Isto sem sequer contemplar a hipótese de Portugal cair)

Seguindo…
E ontem conheci a Molycorp, a maior produtora de elementos raros do planeta fora da China, que disse esta coisinha importante que poderá escapar à mente dos mais incautos:

“Elementos do governo chinês alertam consistentemente sobre a intento da China continuar a restringir as exportações dos elementos raros, e a possibilidade da China se tornar importadora dessas elementos por volta de 2015,” afirmou a companhia com sede no Colorado, Greenwood Village, quando anunciava os seus resultados do quarto trimestre do ano que findou. “O consumo interno de elementos raros da China irá continuar a aumentar ao ritmo do crescimento do seu PIB.”
In Bloomberg

Como para muitos esta coisa dos elementos raros do planeta poderá ser território desconhecido, irei fazer uma pequena abordagem a eles (simplista).
1 – Quase tudo o que são tecnologias modernas necessitam deles, sem eles não seria possível o seu desenvolvimento – LCDs, telemóveis, todos os desenvolvimentos tecnológicos nas renováveis, carros eléctricos, etc, etc, etc, etc,…
2 – A China é o maior produtor e exportador mundial, com uma cota de produção de 95% de todos os elementos raros do planeta.
Pegando nestes dados verdadeiramente primários… depois do mundo ocidental ter “despachado” quase toda a indústria transformadora para a Ásia e ter ficado “apenas” com as indústrias de tecnologia de ponta, que são as grandes sorvedouras dos elementos raros do planeta, vê-se agora a braços com o seu mundo a ficar sem as matérias-primas que são a base funcional dessas indústrias. A China já começou este ano a reduzir e significativamente as suas exportações de elementos raros e em breve, segundo o relato disponibilizado, juntar-se-á a todo o restante mundo na luta pelos restantes 5% do total produzido não extraído no seu território.
Hmmmm… portanto, aquilo que temos ouvido recorrentemente dos nossos bananas, “Portugal está a investir nas indústrias de ponta, nas novas tecnologias”, será realmente algo com futuro e que poderá realmente ajudar na redução de dívida?
Hmmm… talvez sim, se descobertas muito em breve formas para contornar esse problema… mas talvez não… muito provavelmente, não, e dados os dados que temos em mão, Portugal, que é quase insignificante neste mundo, dado o seu tamanho geográfico, não irá conseguir angariar matéria-prima para sustentar as suas empresas de tecnologias de ponta.
Portanto, ainda consideram que em vinte anos, duas décadas, Portugal poderá conseguir reduzir a sua dívida?

Ainda temos o mar. A nossa costa marítima é a mais extensa da Europa. Poderá estar por aí o nosso futuro, poderão alguns pensar… e bem, diga-se de passagem…
É sem dúvida uma das formas de Portugal desenvolver a sua economia, mas infelizmente também cada vez mais os oceanos são a casa de banho, a lixeira e zona aberta das loucuras de uma sociedade que está dependente do petróleo e das matérias-primas, e que vive em estado de espiral crescente sofreguidão.

A imagem dos oceanos como a casa de banho e lixeira das sociedades humanas:

O SES recolheu mais de 6000 amostras de plástico(…). Um dos espólios mais chocantes foi efectuado durante uma recolha que durou 30 minutos em 1997, quando os cientistas recolheram 1069 pedaços nesse pequeno espaço de tempo. Calcularam que isso equivalia a 580 mil pedaços de plástico por quilómetro quadrado.
Os plásticos contêm também químicos que são gradualmente libertados nas águas e na atmosfera. Os peixes ao respirar esses químicos presentes na água acabam por ficar contaminados. Depois são capturados pelos pescadores e essa contaminação acaba por entrar na cadeia alimentar humana.
In Earth Times

Portanto, se em 1997 andavam à deriva nos oceanos 580 mil pedaços de plástico por quilómetro quadrado, passados 14 anos, como acham que estará o quilómetro quadrado nos mares?
Ainda teremos mar, disso não restam dúvidas, mas que mar teremos e em que estado estará para ajudar a aliviar a dívida nacional?

Talvez por lá exista para Portugal o mesmo que os japoneses estão a pensar conseguir amealhar:

O ministro do Comércio japonês planeia simplificar a lei de mineração dos recursos marinhos, pela primeira vez desde 1950, para ajudar no desenvolvimento da exploração de recursos subaquáticos que poderão ascender a 300 mil milhões de yenes.
In Bloomberg

Talvez também tenhemos por lá ouro e outros minerais que tal. Mas quais poderão ser as consequências para o futuro da riqueza marinha e para a saúde da nossa população?
Talvez a melhor forma de se analisar isso seja tentar entender que danos foram até agora estabelecidos como causa directa do derrame e dos dispersantes usados para tentar controlar o desastre da BP no Golfo do México:

“Os dispersantes estão a diluir-se na água e a deixar solúveis os compostos químicos, que são depois transportados pelo ar, que chegam a terra através das águas da chuva.”
“Estou assustado com o que tenho descoberto. Estes compostos cíclicos misturam-se com o Corexit [dispersante] e geram outros compostos cíclicos que não são nada bons. Esta é uma catástrofe ambiental sem precedentes.”
In AlJazeera

Este é o resultado dos sonhos e vícios do Homem em sociedades que não medem as consequências dos seus actos para o seu futuro. O investimento nos oceanos, tal como é analisado por esta estrutura económico-social actual, resulta num perigo monumental para a natureza, para o Homem e para o planeta.

“Sr. Presidente, a minha preocupação é que estes componentes tóxicos lesivos ainda estejam a ser utilizados e que irão, a longo prazo, criar um grave problema ao nosso Estado, aos nossos cidadãos, ao nosso ecossistema, à nossa economia, à nossa indústria pesqueira, à nossa vida marinha e à nossa cultura.” Senador da Luisiana, AG Crowe.
“Não seremos enganados a acreditar que o petróleo e as toxinas já desapareceram. Como os dispersantes tóxicos foram, e ainda estão em uso actualmente, o petróleo está a descer até às colunas submarinas de água e entrar num ciclo interminável na corrente do Golfo afectando de forma adversa o nosso meio-ambiente.”
In AlJazeera

A corrente do Golfo passa mesmo aqui ao lado…
Nos oceanos não existem fronteiras, assim como no ar… a poluição e destruição causadas noutros pontos do planeta chegam quase sempre à nossa costa… e como poderá Portugal desenvolver uma solução económica para si próprio quando aquilo que julga ser seu é na realidade de todos? E pior, é na realidade a casa de banho do mundo…

Portanto, vinte anos poderá ser uma previsão no mínimo muito optimista, para não escrever mesmo sonhadora.
Não irão ser apenas vinte anos de prisão económica, de retracção social, irão ser muitos mais a não ser que todo este mundo em que vivemos comece a olhar para o seu mundo com olhos de gente realmente preocupada.
Só será possível em vinte anos se as desigualdades entre classes forem rebatidas, se os Estados aumentarem os apoios à união social através de estudos para todos, se os seus Zé Povinhos passarem a ser o seu maior bem e se a natureza que nos envolve passar a ser mais que apenas matéria-prima para ajudar nos ganhos pessoais, lucro, de uns quantos, muito poucos, homens que vivem como se não houvesse amanhã.

Conclusão:
O juro cobrado à nossa vida é medido pela taxa de loucura de uns quantos, muito poucos, que viveram e vivem num presente sem futuro… e que sem uma mudança radical na sua forma de viver a vida que é de todos, nem 40, nem 30, nem 20 anos mais haverão… até pode ser que os quantos, muito poucos, dos nuestros hermanos que viveram e vivem nesse presente sem futuro consigam desencantar mais uns anos para nós… mesmo que os árbitros das finanças dos loucos digam que os anos estão já contados para eles… até pode ser que o crescimento continuado da loucura chinesa nos possa vir a ajudar, mesmo que a sofreguidão com que cresce faça decrescer as esperanças de uma vida vivida para além deste presente… e talvez os mares nos salvem… mas… primeiro… temos todos de salvar os mares que vivem hoje ao ritmo de uma vida sem futuro…
Ao fim ao cabo, afinal de contas, quem nos salva… a nós… e ao mundo?

Notícia do Correio da Manhã – Taxa de juro dispara 249% em 11 meses
Notícia do Diário de Notícias – Portugal vai demorar 20 anos para regularizar dívida
Notícia do Diário Económico – Doze bancos espanhóis forçados a reforçar capital em 15 mil milhões
Notícia do Destak – Bancos espanhóis precisam de pelo menos 38 mil milhões de euros- Fitch
Notícia da Reuters – Moody’s reduz nota da Espanha e cita custo para recuperar bancos
Notícia da Bloomberg – Molycorp Says China May Become Net Importer of Rare-Earth Minerals by 2015
Notícia da Earth Times – Plastic Contamination in the Atlantic Ocean
Notícia da Bloomberg – Japan to Revise Mining Law, Seeking $3.6 Trillion in Undersea Resources
Notícia da AlJazeera – Gulf spill sickness wrecking lives

Renováveis na Esperança

O nosso vício do petróleo está a drenar todas as gotas. A corrida para a energia verde está a levantar importantes questões financeiras na Europa. Um aumento na produção de biocombustíveis poderá seguir o aumento do preço do petróleo. O défice alimentar está a agravar-se. Mervyn King afirma que o nível de vida poderá não voltar a recuperar da crise.

A esperança… que deve ser a última a desvanecer… quando para alguém passa ser o único porto seguro deixa de ser esperança e passa a ser quase apenas puro desespero… uma ilusão…
Estará este nosso mundo agarrado à esperança de que as energias renováveis conseguem salvar este sistema económico e social?
Infelizmente tenho-me deparado com cada vez mais pessoas agarradas a essa esperança, o que em muitos casos já profundamente ultrapassou a fronteira da esperança, tal a convicção com que é defendida, que mais parece um puro desespero sustentado por vezes em meras ilusões sonhadoras desprendidas da realidade das coisas e deste sistema…

Escrito isto…

Actualmente o fornecimento de energia providencia o equivalente a 22 mil milhões de escravos, de acordo com o antigo homem do petróleo Colin Campbell.
A noção que um problema fundamental se está a avolumar, em que um aumento da procura supera uma oferta incapaz de crescer, conduzirá a uma carência na oferta do sangue que faz mover a economia global.
A descoberta de novos poços de petróleo atingiu o seu pico em meados da década de 1960, e tendo por base várias estimativas, ou estamos lá muito perto, ou então já estamos a vivenciar o pico da produção mundial de petróleo. A seguir, a disparidade entre a procura e a oferta aumentará inexoravelmente.
Hoje em dia as principais preocupações são que um aumento no preço do petróleo, impulsionado pelas sublevações no Médio Oriente, possa fazer perigar a “recuperação” económica. Mas existe uma ameaça muito maior e sistémica do pico e declínio da produção global de petróleo. O conduzir até ao supermercado, a quantidade de alimentos nas prateleiras, até mesmo como de manhã lavamos os dentes – toda a natureza da vida moderna nos países ricos está dependente da existência de petróleo barato e abundante.
In The Guardian

Abri com esta explicação de modo a contextualizar parte dos problemas que estão, ou irão em breve ser colocados à nossa forma de vida, a este sistema e a este paradigma social.
É quando confrontados com estes problemas que muitos adoptam o caminho da esperança, que pode ser ilusória, sem que para tal se baseiem em factos, apenas em desejos. Depois tomam opções de vida com base em um “quase nada”…
Eis então que surgem as renováveis que irão gradualmente substituir os 22 milhões de escravos que o petróleo providencia… a esperança de muitos… também a minha esperança mas não são certamente parte da minha certeza…

Nos últimos anos, o espectacular crescimento no número e tamanho das fontes de energia renovável na União Europeia — especialmente as solar e eólica — impulsionadas por gordos subsídios e retórica sobre as alterações climáticas, por parte dos governos, deixaram as redes de distribuição de electricidade em maus lençóis.
(…)”são necessários e urgentes avultados investimentos na rede de distribuição.”
Os custos estimados para o fortalecimento, melhoramento e eficiência das redes de distribuição chegam aos 100 mil milhões de euros, apenas para a próxima década, numa época em que os orçamentos estão estrangulados e em que os Estados impõem ou contemplam reduções nos seus esquemas de subsídios.
In Scientific American

Um dos problemas, que por norma escapa a quem se agarra intensamente à esperança das renováveis, é que uma contracção na oferta de petróleo é igual a uma redução no crescimento, o que por si conduz a uma redução da capacidade de investimento dos Estados e dos privados. Numa época de contracção não é socialmente sustentável, quanto mais aceite, que uma boa parte do excedente disponível (monetário) tenha de ser retirado aos benefícios sociais para se poder continuar a desenvolver as energias alternativas. Num mundo em contracção, um dos lados terá sempre de perder em favor do outro. Qual deles?
Estarão as pessoas dispostas a abdicar dos seus benefícios sociais?
A história diz-nos que não sem que tal não conduza a revoluções… que são, nesta altura do campeonato, do pior que pode acontecer com o excedente para o investimento.

(A Alemanha) produz usualmente pouco mais de 5 giga watts de energia eólica, e quando recentemente a produção disparou para um recorde de 20 GW num fim de semana particularmente ventoso, as ligações às redes fronteiriças dos países vizinhos tiveram de ser desligadas por não conseguirem lidar com o aumento de energia disponibilizado.
In Scientific American

Outro dos pontos usualmente negligenciado é o da volatilidade das fontes primárias de energia renovável, solar e eólica, com a sua produção a ser afectada positiva e negativamente consoante os dias, o tempo… não são estáveis. Este sistema social e económico não sustenta a instabilidade… Depois ainda não existe uma forma economicamente viável, nem mesmo exequível em larga escala, de armazenamento do excedente de energia gerado por estas fontes.
Infelizmente nenhuma das soluções eólica e solar actualmente disponíveis dispensam a existência dos combustíveis fósseis e ficar na esperança que venham a surgir os avanços tecnológicos, que na sua grande maioria só serão possíveis com a existência de um excedente de capital para investimento, quando na realidade podemos ter de vir a enfrentar uma contracção, que até pode ser extrema, pode ser apenas um pregar para o deserto… um sonho… uma ilusão…
A realidade é que o mundo está com décadas de atraso no investimento que devia ter sido feito nestas tecnologias e, dependendo que como decorrerem os próximos anos, talvez se venha a testemunhar que agora já poderá ser tarde demais…

Abordei apenas as questões sociais e de investimento com que se depara o nosso mundo para conseguir funcionar a renováveis. Unam essas questões à escassez cada vez mais pronunciada das matérias-primas que servem de base à tecnologia verde, solar e eólica — tema já abordado aqui na mOsca. O facto das energias eólica e solar serem sucedâneos de energia e não fontes de energia como o petróleo que é “moldável” em, por exemplo: pasta de dentes — como referenciado no texto de abertura. As renováveis, solar e eólica, só geram electricidade e pouco mais, e o nosso mundo necessita de muito mais que “apenas” electricidade.

Então e os biocombustíveis? (perguntarão alguns)

(…)a produção de biocombustíveis poderá enfrentar um ponto de viragem e começar a crescer exponencialmente consoante o aumento do preço do petróleo os for tornando cada vez mais rentáveis — em muitos países em desenvolvimento no mundo — os combustíveis que derivam de plantações.
(…)é provável que este crescimento na produção de biocombustíveis aconteça principalmente nos países em desenvolvimento que tenham populações em rápido crescimento e aumento da procura de bens alimentares. Isso é porque esses países, onde estão incluídas muitas nações africanas, são particularmente vulneráveis ao aumento do preço do petróleo, tanto para transporte como para a agricultura.
In The Guardian

Estará este mundo disposto a ter cada vez menos alimentos disponíveis de forma a ceder lugar a um crescendo da produção de biocombustíveis?

Os mais reduzidos inventários de milho desde há 37 anos são um sinal de que os agricultores do mundo não estão a conseguir produzir grãos suficientes para sustentar o aumento do consumo, mesmo com a expansão das plantações e com o aumento dos preços.
In Gulf News

Duvido! Porque entre a fome e a necessidade de energia, é a fome que assume o papel primordial.
Depois convém relembrar que os biocombustíveis são apenas isso… combustíveis… são também “apenas” um sucedâneo de energia e não uma energia moldável em por exemplo: pneus para o seu carro.
O futuro dos biocombustíveis está dependente da fome que existir no mundo para poder crescer, sob pena do mesmo mundo entrar em convulsões sociais. Talvez… talvez se houver um maior investimento no desenvolvimento da tecnologia se consiga descobrir uma fórmula mais eficaz, mas isso ficará dependente daquilo que já descrevi acima. Por isso os biocombustíveis irão, muito provavelmente, continuar a ser parentes pobres na produção de energia… e relembro que nem a energia eólica, nem a solar e nem os biocombustíveis ocupam o espaço usado pelo petróleo neste sistema social e económico. Energias eólica e solar: electricidade. Biocombustíveis: (pouco mais que) combustíveis.

E que futuro podemos esperar perante tal cenário de contracção do petróleo disponível e de fontes geradores de energia que estão atrasadas no seu desenvolvimento.
Ontem tivemos direito a uma frase de um dos maiores casineiros e banana deste nosso mundo que disse, o que para mim, foi algo inusitado, quase sem paralelo nos dias de hoje:

O Governador do Banco de Inglaterra alertou ontem que o nível de vida poderá não mais retornar ao que era antes da crise financeira, e que as famílias estavam apenas a começar a sentir o impacto total dos erros dos banqueiros.
“Estou surpreendido que a contestação popular tenha sido tão moderada.”
In The Independent

Sem dúvida que concordo com as suas afirmações, mas gostava de salientar que ele afirmou isso usando como base apenas a crise financeira causada pela banca no seu casino do mercado mundial. Imaginem o que teria de dizer caso juntasse a isso a mais que provável crise energética que está a aí à porta?
Revoluções… (?)
Juntem todos os factores, façam as continhas, e vejam lá bem onde poderá isto ir parar. Não usem como vosso sustento apenas as esperanças, que por muito importante que sejam para manter o ânimo, poderão não servir de sustento para uma tomada de opções para o vosso futuro e futuro dos vossos filhos que seja baseado no real.
Não se esqueçam… num mar de sonhos, por norma, afogam-se aqueles que mais sonham…

Conclusão:
Sopra uma brisa… o sol na praia… a mente que sonha em esperanças de uma vida vivida sem contratempos… enquanto isso, os bananas esticam… esticam… estiiiicam… a corda da realidade deste pesadelo tentando renovar os sonhos e esperanças daqueles que os vivenciam… e por aí fora… a fome… a fome dos combustíveis e um pesadelo que muitos perferem sonhar em esperanças profundas… mesmo que isso… seja apenas sinal de fome… e cada vez mais fome…
E entretanto, uns raros exemplares de uma espécie de sonhadores dizem… baixinho… será provavelmente o início deste FIM

Notícia do The Guardian – Our addiction to oil is draining every last drop
Notícia da Scientific American – Rush to Renewable Energy Generates Big Financial Questions in Europe
Notícia do The Guardian – Biofuel boom could follow oil price spike
Notícia do Gulf News – Worsening food deficit
Notícia do The Independent – King says living standards may never recover from the crisis

Um Faz de Conta…

Médio Oriente é o espelho de revoluções por inflação desde 1200 DC. A América do Sul aprecia um “boom” na classificação de crédito… por ora. Bancos Centrais sul americanos vêem agravamento do risco económico. A economia brasileira vacila com o aumento dos preços. É dito que a Argentina está a ameaçar os economistas que questionam os dados. Colômbia aumenta inesperadamente a taxa de juro para controlar a inflação. Beijing irá crescer menos. Economia dos Estados Unidos cresce apenas 2,8%.

Os motores do mundo desde 2007, as economias dos mercados emergentes, principalmente as dos BRIC, estão a começar a sentir os solavancos de uma economia mundial excepcionalmente dependente da liquidez de dólares e do preço do petróleo.
Se os mercados emergentes começarem a reduzir o passo do seu crescimento (PIB) o mundo irá, muito provavelmente, começar a contrair num todo.

Já por aqui fui escrevendo sobre as economias asiáticas, sobre os Estados unidos, sobre a Europa, sobre o Médio Oriente, mas estava em falta falar das economias sul americanas e principalmente da economia brasileira.

Antes de mais, vou tentar contextualizar com a História aquilo que o mundo está a enfrentar hoje em dia, pois desengane-se quem pensar que estamos a lidar com um caso sem paralelo:

Desde a Idade Média que a inflação conduziu a revoluções politicas e podemos estar na presença da quinta revolução do género.(…)
A primeira vaga de alterações nos preços aconteceu durante a Idade Média, culminando com a peste negra. As outras três ocorreram no séc. XVI, no séc. XVIII e no virar do século passado. Cada uma dessas ondas inflacionárias durou aproximadamente 100 anos, de acordo com o trabalho de Fischer.
“Durante as últimas quatro revoluções nos preços, os alimentos e a energia lideraram o movimento de crescimento, seguidos de perto pelo aumento dos bens manufacturados e dos serviços,” escreve Yardeni, um reconhecido estratega de Wall Street que já fez parte da Reserva Federal americana e do Tesouro. “A relevância da história das anteriores vagas inflacionárias é simplesmente assustadora.”
In CNBC

Portanto, os homens que actualmente andam a brincar à inflação têm plena consciência dos danos que tal acção pode causar no nosso mundo, pois sabem o que aconteceu na História. Podemos então afirmar que andam a brincar com o fogo e que quem brinca com o fogo costuma queimar-se a si e a todos os outros…

Então que história é essa que a História nos conta?

(…) descreve o inicio das vagas com o aumento da inflação, seguida depois com os governos a imprimir moeda. Em resposta, começa a surgir um acnetuado aumento no preço dos bens, gerando um cavar das desigualdades entre rendimentos porque a elite resiste ao aumento de impostos. Os desprezados, especialmente os da geração mais jovem, ficam desesperados e irados e começam a mobilizar-se em grupos para estimular revoluções politicas. A vaga termina numa tremenda volatilidade financeira e no fim em um colapso dos preços e das taxas de juro.
In CNBC

Relembro que esta é uma análise do passado e não uma dos dias de hoje… mas é incrível a semelhança entre o que ontem o mundo enfrentou e o que hoje o mundo enfrenta e está a enfrentar..
Irá desta vez ser diferente?
Terão os Homens aprendido com os erros do passado?

Entrando agora na América do Sul, que servirá neste texto como exemplo para tentar responder às questões que salientei acima…

A América do Sul está a beneficiar de um “boom” na avaliação ao seu crédito, não obstante um declínio constante das credenciais financeiras nos bancos do Médio Oriente, mas existem sinais que isso poderá ser uma bolha que pode estoirar sem aviso.
Na semana passada o Brasil recebeu avisos de que o seu inflado mercado de crédito comporta riscos que podem arrastar a sua exuberante economia, depois de repetidos alertas de que as moedas sobreaquecidas de vários países emergentes, incluindo as do Brasil e do Chile, poderem minar o crescimento dos seus PIBs que são impulsionados pelas exportações.
In UPI

A verdade é esta… estes países estão quase totalmente dependentes das exportações para crescer e sofrem mais violentamente e directamente as agruras do aumento da inflação quando em crescimento, pois para se manterem competitivas as suas moedas têm usualmente de depreciar. Ao invés, caso o mundo no seu todo comece a entrar em contracção as suas exportações entram em declínio e com elas as suas economias, sobrando apenas altas taxas de inflação e depressão, aquilo que é o mais temido no mundo financeiro: a estagflação – contracção económica acompanhada de inflação.

Alguns poderão afirma que tal cenário de stagflação é verdadeiramente descabido perante a exuberância demonstrada por estas economias, mas atenção que:

Os principais bancos centrais da América do Sul concordaram na sexta-feira que a sua tarefa se tornou mais complexa diante de maiores pressões inflacionárias causadas pela alta dos alimentos e do petróleo.
Além disso, as entidades indicaram que os riscos de uma desaceleração mundial aumentaram devido à tensão no Oriente Médio e norte da África.
In Reuters

Portanto, não é de todo algo descabido, muito antes pelo contrário…

Mas existem outros problemas subjacentes ao crescimento desmedido e descontrolado que estas economias têm gerado.

O Brasil é um excelente exemplo de como décadas de fraco crescimento económico deixaram o país mal preparado para as exigências do crescimento que está actualmente a gerar .
Desde interrupções na distribuição de energia, a estradas incapazes, à falta de mão-de-obra qualificada, pontos de estrangulamento na economia que estão a fazer aumentar os custos de produção e de distribuição e a limitar o fornecimento de bens e serviços a um mercado devorador. As limitações, não obstante o constante crescimento, colocam em causa a capacidade do Brasil progredir em direcção a uma prosperidade sustentável a longo termo.
In Wall Street Journal

Portanto, o Brasil, assim como a maioria das economias emergentes, são (quase) apenas verdadeiras estruturas remendadas com pouca sustentabilidade e geradores de cada vez maiores discrepâncias de rendimentos entre classes. Como vimos atrás, a História conta-nos que isso foi o rastilho que impulsionou as sublevações sociais, assim como o presente nos está a apresentar os mesmos condimentos em acção no Médio Oriente.
O Brasil e as restantes economias emergentes têm de esperar que o mundo continue a crescer ao ritmo que lhes tem providenciado o seu crescimento económico, porque não têm mercado interno suficiente para manter uma sustentabilidade mínima das suas economias. A sua dependência das exportações é tal que um soluço da economia mundial poderá deixar várias destas economias emergentes em profundo estado de coma social.

Acho que alguns destes mercados emergentes já começaram a tentar controlar o eminente estado de coma… ora vejamos:

O governo argentino está aparentemente a entalhar a pressão gerada pelos economistas do sector privado que questionam a fiabilidade dos seus dados sobre a inflação.
O responsável de uma firma de consultadoria financeira afirmou esta sexta-feira ter recebido telefonemas em tom de ameaça de modo a tentar prevenir que tecesse comentários sobre a inflação.
De acordo com o Indec, os preços ao consumidor subiram 10,6% em Janeiro. Mas economistas dizem que a verdadeira taxa de inflação está próxima dos 25%, ou mais, e que os preços poderão subir ainda mais rápido este ano.
“Nem o governo militar chegou a tal ponto,” afirmou Ferreres. (…)
In Nasdaq

A História conta-nos também que o status quo instituído faz de tudo para manter a coesão social que lhes dá guarida ao poder, seja na Argentina, no Brasil, nos Estados Unidos, em Portugal, ou na cochinchina…
Estará a América do Sul, a América, a Europa, o mundo nas mãos do mesmo tipo de cambalachos nos números?
Acho que basta ir lendo as notícias do dia para terem direito a uma resposta concisa em relação a isso… SIM!

Talvez por isso seja quase sempre uma surpresa para os (pseudo) analistas internacionais quando um país aumenta as taxas de juro nos seus bancos centrais. Desta vez foi na Colômbia:

Os responsáveis colombianos subiram hoje inesperadamente a sua taxa de referência, pela primeira vez em dez encontros, para tentar acalmar a crescente demanda interna.
In Bloomberg

Isto só é uma surpresa porque os números não batem certo, porque a baterem nunca existe surpresa que conduza à tomada de tal medida que coloca em causa o crescimento económico, e como todos (?) já devem estar a par, as últimas medidas que as economias desejam tomar são as que colocam travão ao crescimento.
Daqui só há uma questão a retirar: A inflação está descontrolada!

Portanto, estes mercados emergentes que têm sido a âncora, nos últimos anos, do crescimento do mundo estão a braços com taxas de inflação quase inacreditáveis, com défices estruturais monumentais e com uma cada vez mais que provável manipulação dos dados que servem de sustento à sua realidade… tudo bons indicadores…

Falta juntar a isto mais um indicador, a China e os Estados Unidos:

O Primeiro Ministro Wen Jiabao afirmou que o objectivo oficial para o crescimento nos próximos 5 anos será revisto em baixa de 7,5% para 7%.
In The Wall Street Journal

A economia dos EUA cresceu 2,8% no quarto trimestre de 2010, face ao homólogo, e não os 3,2% anteriormente estimados, revelou esta sexta-feira o Departamento do Comércio norte-americano.
In Agência Económica

Por fim… os dois principais mercados mundiais que absorvem as exportações dos países emergentes estão em contracção no seu crescimento. A dependência dos mercados emergentes destes dois motores da economia mundial é tal que contracções marginais das suas taxas de crescimento poderão conduzir a pequenas catástrofes nas economias dos emergentes. E como o motor principal das grandes economias do nosso mundo, o petróleo, não dá sinais de querer parar de subir de preço, o que iremos inevitavelmente assistir será a uma contracção no crescimento dos seus PIBs que poderá conduzir a uma nova recessão no mundo.
Tenho poucas dúvidas ao afirmar que um mundo em recessão será desta vez muito mais violento para as economias emergentes, que escaparam do solavanco de 2008, do que para o restante deste mesmo mundo. As suas economias cresceram desmedidamente nestes últimos anos, impulsionadas por um aumento exponencial da procura de matéria-prima e excesso de investimento\liquidez nos seus mercados, e como estruturalmente são economias seguras quase apenas por arames poderão vir por aí abaixo tal como o que estamos a presenciar hoje em dia no Médio Oriente…

Conclusão:
A História está cheia de histórias de quem não olha para o passado e por ele acaba por ser sorvido… e os que hoje emergem nesta História fazem-no mergulhados num rio de liquidez de riqueza ilusória, de papel… papel que no papel mostra que são apenas meros agrafos o que os segura a essa ilusão… e do mesmo papel é rasurada a verdade da verdade, sobrando pouco mais que mentira descrita em linhas de um faz de conta… e alguns continuam a fazer de conta que é sempre uma surpresa a surpresa de serem surpreendidos com linhas que nunca bateram com as contas, um faz de conta…
Por isso e para quem hoje emerge, talvez seja melhor continuar a fazer de conta que as suas contas são feitas de futuro… e sem agrafos…

Notícia da CNBC – Middle East Mirrors Great Inflation Revolutions Since 1200 AD
Notícia do UPI – S. America enjoys credit ratings boom — for now
Notícia da Reuters – BCs da América do Sul veem agravamento do risco econômico
Notícia do The Wall Street Journal – Brazil Economy Flickers as Bottlenecks Drive Up Prices
Notícia do Nasdaq – Argentina Said To Be Threatening Economists Who Question Data
Notícia da Bloomberg – Colombia Unexpectedly Raises Rate to Tackle Inflation
Notícia do The Wall Street Journal – Beijing to Slow Growth
Notícia da Agência Financeira – Economia dos EUA só cresce 2,8%

A Sopa… da Pedra na Cabeça do Zé Povinho

China volta a subir os rácios de reserva para tentar controlar o excesso de liquidez no mercado. Economia chinesa começa a mostrar sinais de abrandamento. FMI avisa sobre os riscos para o crescimento, mas defende a desvalorização do dólar. O uso do crédito de emergência do BCE continua hoje em alta. Um futuro sombrio, para os bancos alemães. Bruxelas prevê resgate de Portugal em Abril. Estado reduz défice com venda de imóveis a si próprio. Portugal cada vez mais longe dos rendimentos dos países mais ricos.

O que vou escrever é quase uma continuação dos artigos de dia 15 (A inflação e os Homens da Lua) e do de ontem, tantos foram os indicadores e indicações que emergiram hoje nos meios de comunicação generalistas.

Passados apenas 10 dias de ter tomado a última medida para tentar controlar a descontrolada inflação que grassa em chamas na economia chinesa, eis que a autoridade monetária da China obriga, uma vez mais, os bancos sediados no seu território a aumentar o rácio de reserva para 19%… 19%!!!!
Escrito por eles o porquê (meios de informação generalistas):

“O mercado está inundado em dinheiro e é improvável que o Banco Central fique a assistir a isso como um mero espectador”, disse um negociante de um dos bancos estatais sediado em Beijing. “Será apenas a questão de saber que ferramentas irá utilizar (…)”
In CNBC

Desta fez a ferramenta é o aumento das reservas de capital. Há 10 dias foi o aumento das taxas de juro – preço do dinheiro.
Mas antes de continuar…O que é o rácio de reserva?
Explicando de forma simples… é o dinheiro (vivo) que os bancos têm de ter nos seus cofres.
Explicando um pouco tecnicamente… quer dizer que têm de ter em reserva no mínimo 19% do valor total do dinheiro “emprestado”.
Existem muitas formas da banca contornar isso, mas nem me vou alongar por aí porque senão não escreveria sobre mais nada…
Qual o rácio de reserva (capital) exigido na Europa à banca?
É de 4,5% é terá de ser de 6% em 2019.
Na Europa, sistema que melhor conheço, está envolto em tantas artimanhas que me arrisco a escrever que é quase apenas e só um organigrama funcional do que uma acção real.

Como resultado das medidas que estão a ser aplicadas na china, para salvar uma economia em chamas, o motor do mundo a nível de crescimento económico começa a mostrar os primeiros sinais de fadiga… começa a perder velocidade:

O indicador económico que mede a situação futura da economia chinesa deu sinais de queda pela primeira vez desde 2008, destacando assim que a economia de mais rápido crescimento mundial pode estar a dar sinais de abrandamento.
In Jornal de Negócios

Esta é explicação simplista fornecida pelos meios de comunicação para as massas, aquilo que não explicam (nunca) é que o crescimento económico está intimamente interligado com a criação de nova dívida, e que sempre que são tomadas medidas de controlo à circulação de moeda o resultado subsequente é invariavelmente uma contracção do investimento, o que depois se transforma numa contracção do crescimento.
Dívida = Crescimento = Mais moeda = Inflação… pum, pum, pum, pum… um, dois, três, quatro, tudo ligado!
Ah… e não se esqueçam, se a China começar a desacelerar o mundo poderá facilmente entrar em contracção económica…

Enquanto isso, o FMI:

O Fundo Monetário Internacional vai avisar os ministros das finanças do G20, que irá decorrer este fim de semana, dos riscos com que se depara a economia mundial devido ao aumento dos preços dos alimentos e do desequilibrio das finanças públicas, enquanto também irá defender um dólar um pouco mais fraco.
In Buenos Aires Herald

Não se esqueçam que há dias esta mesma instituição aconselhou os países asiáticos, onde se inclui a China, a não controlarem artificialmente o valor das suas moedas, deixando-as valorizar, afirmação que intitulei de dúbia e tendenciosa em favor do dólar americano e das economias ocidentais, e eis que hoje záasss… aí está ela da boca deles: Desvalorizem o dólar!!!! Dólar que é responsável por grande parte da inflação que está a queimar o mundo!
Ao mesmo tempo diz estar preocupada com a inflação que está a escaldar o mesmo mundo… Hmmm… verdadeiramente especial esta instituição… instituição de logros, mentiras e virtudes desvirtuadas… quase única, não fosse ela apenas uma das várias caras da demo-cracia…
Aconselho todos a não ouvirem o que eles dizem e a evitar fazer o que eles desejam!

Continuando… tal como ontem, hoje continuou uma correria desenfreada da banca aos empréstimos do BCE.
Já ontem deixei a pergunta no ar: O que se estará a passar?
Hoje começamos a ter direito a algumas sugestões em formato de resposta:

A concessão emergencial de crédito pelo Banco Central Europeu (BCE) se manteve excepcionalmente elevada pelo segundo dia seguido nesta sexta-feira, aumentando o temor de que um banco da zona do euro possa estar enfrentando sérios problemas de financiamento.
In Reuters

Hmmm… estará algum dos banquinhos queridos dos nossos bananas europeus agarrado à máquina de sobrevivência do Banco dos Endividados?
Hmmmm…
Será que poderá ser um banquinho alemão? (sou eu a mandar massa ao ar…)

Muitos dos maiores bancos alemães continuam com a apoio vital do governo, depois de terem efectuado más apostas durante os anos de desenvolvimento da bolha.
E com o acesso a capital barato há muito perdido, as perspectivas de se tornarem uma vez mais rentáveis são cada vez mais dúbias.
“A fragilidade do sector bancário alemão coloca uma ameaça substancial à sustentação económica da Alemanha”(…)
As autoridade europeias, abertamente frustradas com a falta de celeridade com que a Alemanha tem lidado com estas instituições, avisou que está a chegar o dia do juízo final.
“Não podemos simplesmente adiar este assunto para outro dia”, disse Joaquín Almunia, o vice presidente da Comissão Europeia responsável pelas políticas de competitividade. (…)
In CNBC

Hmmmm… a forte e imperturbável Alemanha poderá ao fim ao cabo andar de rastos… hmmm…
Os próximos tempos irão fornecer as respostas a estas perguntas… talvez…

E agora virando o bico ao pato para Portugal:

“Portugal está a afundar-se e não será capaz de aguentar após Março”, afirma fonte europeia, citada pela Reuters.
In Expresso

Já foram aventadas tantas datas que esta é apenas mais uma… ou… ou não?
Desta vez quem afirma isso não é um banco, um ministro, um economista ou um outro qualquer, quem o disse foi um elemento da estrutura da Comissão Europeia, não foi um qualquer!
Quer dizer que temos aproximadamente mais um mesito de acalmia antes de entrarmos no carrossel das loucuras do FMI e da UE… Aproveitem bem o tempo que resta…

E talvez já em desespero, quem sabe, o Estado volta uma vez mais a copiar as artimanhas financeiras tão queridas e amadas pelos casineiros.
Não é que o Estado teve o descaramento de:

O Estado diminuiu o défice com a venda de imóveis a si mesmo. A empresa pública comprou 393 imóveis cujo valor total ascendeu aos 290 milhões de euros, o equivalente a 0,2% do PIB. Segundo avança o Jornal de Negócios, a Estamo, empresa pública que apoia o Estado na gestão do património imobiliário terá sido fundamental na operação.
In Jornal I

Nem me vou dar ao trabalho de retractar tal inusitada operação, vou apenas tentar passar para a realidade do Zé Povinho o mesmo tipo de acção.
Imaginem que, em caso de aperto financeiro, pegavam , por exemplo, no vosso carro próprio e o vendiam a vocês próprios de forma a cobrir as dificuldades financeiras impostas pelos bananas e casineiros nesta economia… não seria tal solução tão boa e agradável?
Agora na realidade… acham que o Estado iria permitir tal coisa? Se calhar iam parar à prisão por terem cometido um crime de colarinho branco, não é verdade?
E agora imaginem que o Estado volta a vender os mesmos imóveis novamente à Estamo… Não seria esse dinheiro uma vez mais contabilizado como proveitos que iriam ajudar a reduzir o défice? E depois a Estamo voltava a vender ao Estado… e faziam isto vezes sem parar até colocar o défice em -20% do PIB… Descobrimos a pólvora!!! Portugal está salvo!!!!
Enfim… só possível num mundo de faz de conta que infelizmente é cada vez mais real para a vida de alguns e de algumas instituições que influenciam directamente a nossa vida… o mundo pintado ao tom que eles desejam que nós vejamos…

E é um tom tão ilusório que:

PIB per capita português cai nove posições no ranking mundial das economias mais ricas entre 2000 e 2015.
No início dos anos 80, os portugueses estavam na 39ª posição a nível mundial. Conseguiram subir até ao 34º lugar em 1990 onde ficaram até ao ano 2000. A partir daí tem sido sempre a descer. Se as projeções do FMI para 2015 se confirmarem, Portugal será ‘apenas’ o 43º numa tabela liderada pelo Qatar.
In Expresso

Esta é a realidade, infelizmente… esta é a verdade que os bananas andam sempre a tentar pintar em tons mais suaves… e mesmo depois de terem lido o artigo publicado no Expresso, não se esqueçam disto: os valores apresentados não foram ajustados à inflação, porque se o forem, quase aposto, até o numerário per capita é inferior ao da década de 1980… igual ou similar ao que aconteceu nos Estados unidos e reportado no artigo que antecede este.

Conclusão:
Em chamas, a China está em chamas!!!… E os bombeiros estatais despejam toda a água que têm para as tentar apaziguar… E o FMI, que se apresenta sempre como o bombeiro que salva o mundo, é ele próprio mais um dos incendiários… E o BCE lança mais palha para as chamas da vaidade da banca… banca que poderá estar a dançar a última valsa alemã na Alemanha… enquanto isso: Portugal! Portugal! Portugal! As couves de Bruxelas já preparam em lume brando a refeição a ser servida em Março… enquanto por cá se prepara a sopa com batatas que não chegaram a ser colhidas; a chamada sopa da pedrada na cabeça do Zé Povinho…

Notícia do Jornal de Negócios – China volta a subir rácios de reservas dos bancos para refrear inflação
Notícia da CNBC – Window Open for More PBOC Liquidity Tightening
Notícia do Jornal de Negócios – Economia Chinesa dá sinais de abrandamento
Notícia do Buenos Aires Herald – IMF warns of growing risks, would welcome weaker dollar
Notícia da Reuters – Uso de crédito emergencial do BCE tem alta inesperada
Notícia da CNBC – For Germany’s Banks, a Grim Future
Notícia do Expresso – Bruxelas prevê resgate a Portugal em abril
Notícia do Jornal I – Estado reduz défice em 300 milhões com venda de imóveis a si próprio
Notícia do Expresso – Portugal cada vez mais longe dos países mais ricos
Notícia de Apoio:
Notícia da Agência Financeira – Novas regras: bancos nacionais cumprem rácios de capital mínimos

%d bloggers like this: