Arquivos de sites

Mais Vale Ser São a Acreditar Piamente no Adão

O clima não está a ficar mais estranho. Nova teoria por detrás das alterações climáticas. Imposto sobre as emissões de CO2 sobre a produção de carne e leite poderá ajudar a reduzir a pegada de carbono da Europa. Presidente da Martifer defende imposto sobre as emissões de CO2. Vulcão islandês prestes a entrar em erupção.

As surpresas que o clima nos prega, o CO2, o Homem, o Sol, etc., factores presentes numa “molhada” de teorias sobre as alterações no clima. Umas têm tido direito a parangonas constantes e outras são constantemente votadas ao quase abandono.
Hoje vou escrever sobre uma das teorias que faz décadas que tem sido constantemente votada ao abandono e que só muito recentemente começou a ganha lugar de parangona, ainda um pouco a medo mas já tendo direito a linhas em forma de informação para as massas.

O clima não está a ficar mais estranho, eis o título que dá corpo a uma quase insólita notícia presente no The Wall Street Journal, e que nos apresenta um dos últimos estudos sobre o clima realizados pela NOAAThe Twentieth Century Reanalysis Project -, NOAA que tem sido, até ao momento, uma das mais intransigentes instituições na alteração do método de abordagem às alterações climáticas, e uma das mais proeminentes defensoras da TEORIA do aquecimento global = CO2.
Eis os resultados do seu último estudo:

As descobertas iniciais do projecto, publicadas no mês passado, não apresentam evidencias de uma tendência de intensificação dos padrões do clima. “Nos modelos que usamos para prever o clima, os extremos ficam mais extremados conforme avançamos para um mundo com o dobro de CO2 na atmosfera daqui a cem anos,” (…) “por isso ficámos surpreendidos que nenhum dos três índices principais da variabilidade do clima que usámos apresentasse um aumento da circulação desde 1871.”
In The Wall Street Journal

Portanto, nenhum dos modelos que são usados para analisar os efeitos do CO2 no clima conseguiram reproduzir as alterações que estamos a assistir hoje em dia… hmmm…
Serão fiáveis esses modelos?

“Ainda não temos dados para responder à questão de como a actividade humana afectou os padrões climáticos extremos.”
In The Wall Street Journal

Hmmm… não!
Onde está agora a quase certeza absoluta com que fomos bombardeados quase diariamente durante os últimos anos de que o Homem e o CO2 eram os responsáveis por tudo o que de mal estava a acontecer com o clima neste planeta? Hmmm… onde???

Sabemos que o dióxido de carbono (CO2) e outros gases aprisionam e re-irradiam calor. Também sabemos que os humanos têm emitido um volume cada vez maior desses gases desde a revolução industrial. O que não sabemos é o quão sensível é o clima ao aumento da presença desses gases versus outros possíveis factores – variações solares, correntes oceânicas, ciclos de aquecimento e arrefecimento do Pacífico, as oscilações da gravidade e de magnetismo do planeta, e por aí fora.
In The Wall Street Journal

Portanto, um centro que tem sido um dos maiores alimentadores da TEORIA clima\CO2\Homem, que, nos últimos anos, tem invariavelmente subestimado, até mesmo denegrido, outras teorias mais abrangentes, vem ela agora a público afirmar que analisar este mundo tendo por base apenas premissas básicas e simplistas centradas no Homem como o culpado de tudo, são na sua essência incapazes e provavelmente demasiado optimistas, ou pessimistas, consoante o prisma que se as leia, para prever o que será o futuro do clima.

Se analisarmos os desconhecidos, é possível que mesmo que gastemos milhares de milhões de dólares e abramos mão de mais biliões no futuro, de forma a reduzir as emissões de carbono até aos níveis anteriores aos da revolução industrial, o clima irá continuar a mudar – tal como sempre o fez.
In The Wall Street Journal

Perdoem-me o desabafo: Que lufada de ar fresco!!!!!
Raramente as respostas simplistas e facilitistas, servidas como resposta final para um problema, são na realidade uma resposta cabal, mais ainda quando o analisado é tão dinâmico e variável como o clima… e esse centrar de todos os males no Homem-CO2 de forma simplista e facilitista sempre me fez uma “comichão” dos diabos… uffff…

Uma das TEORIAS que mais tem captado a minha atenção nos últimos anos, tem sido a que baseia os seus estudos na influência e interacção do Sol com o nosso planeta, teoria que tem servido de base às constantes previsões acertadas de Piers Corbyn, acertos que sempre me causaram um pouco de “confusão” quando os comparava com a incapacidade dos modelos que estavam\estão em voga de conseguirem prever sequer com um mês de antecedência como iria estar o clima.

Mas aparenta que as coisas estão a começar a mudar na forma de como se analisa esta questão:

Começam a ganhar forma novas e assustadoras evidências sobre o ângulo de inclinação da Terra, os seus efeitos no clima e o início de uma nova idade do gelo, anunciada por uma série de tempestades monstruosas tais como as que caíram sobre a Inglaterra em finais de 2010, nos Estados Unidos antes do Natal e agora, no início de Fevereiro, no Este da Austrália, primeiro com as piores inundações de que há registo e depois com um ciclone de categoria 5.
In Pravda

Nem tanto ao mar, nem tanto à Terra… esta notícia também expôs isto numa forma simplista e facilitista de análise. O que trás de bom e vivo para o debate sobre um melhor entendimento das dinâmicas do planeta é uma não certeza sobre o que influencia o nosso clima, e essa não certeza é o principal catalisador da ciência… pois sem uma ciência dinâmica e crítica o conhecimento não avança, acabando por estagnar envolto em prosas de circunstância…

Tal como simplista e facilitista, e essencialmente oportunista, é o Homem, ou parte dele, pois consegue quase sempre desenvolver soluções mirabolantes para a resolução dos problemas com que se depara e, ainda mais, consegue encontrar forma de lucrar com eles.
Ora vejamos então:

Enquanto, por agora, na sua grande maioria, estas taxas sobre as emissões de carbono são cobradas aos sectores de transformação e dos transportes, novos estudos sugerem que também poderão ser igualmente efectivas, se não mesmo mais, se forem direccionadas às indústrias agrícola e alimentar. (…) Chegaram à conclusão que se se colocar um imposto de apenas 60 euros por tonelada de dióxido de carbono gerado pelas industrias de processamento de carne e de leite, a maioria dos países europeus conseguiria reduzir a emissão de gases de estufa em aproximadamente 7%, quase da noite para o dia.
In Earth Times

Portanto… mais uma solução mirabolante tendo por base uma TEORIA que poderá estar errada\incompleta para ajudar a reduzir as emissões de um gás que é o mesmo que nós humanos expiramos… muito bom…
Gostava de salientar que um imposto por si só não reduz directamente as emissões, por norma o que acontece é o preço dos bens produzidos reflectirem esse imposto no preço final ao consumidor.
Enfim… as soluções mirabolantes e simplistas… um “já tá resolvido”!

Mas não é só lá por fora que este tema é abordado desta forma simplista, facilitista e economicista. Por cá tivemos esta semana direito a um espaço no espaço público dos meios de comunicação generalistas dado a um Sr. Carlos Martins, Presidente da Martifer…
Pessoalmente nem fazia ideia quem era tal pessoa… talvez seja mesmo alguém com valor técnico para ter direito a espaço de destaque no Expresso… talvez, quem sabe… eu não fazia ideia… eles lá têm os seus barómetros para medir a qualidade dos interlocutores e a quem dão voz…

O presidente da Martifer, Carlos Martins, diz que o Governo português deve criar e cobrar um imposto sobre a emissão de dióxido de carbono, como parte da sua política energética.
In Expresso

Está bem… que mais se pode escrever para além de… para além de ser baseado em TEORIAS vagas e incompletas, tal solução tem o apoio de parte dos barões dos patrões, os mesmos que estão sempre contra todos os aumentos de impostos que coloquem em causa os seus lucros??? Bem, se aqui não está um contrasenso agudo, então podemos estar perante um forte ataque de histeria deste senhor… Há algo que aqui não está lá a bater muito bem… digo eu…

Como todos podem opiniar, ou pelo menos é isso que retiro dos nossos meios de informação para as massas, eu proponho o seguinte cenário como medida para salvar o planeta (caricato): Cobrar uma elevada taxa a todos os países que tenham vulcões nos seus territórios.
É óbvio que estou a brincar com a situação. Esta minha ideia descabida serve para relembrar que basta uma erupção de um vulcão (grande) no mundo para tornar todas as emissões de CO2 por parte do Homem desde a revolução industrial uma mera formiga quando comparadas as suas dimensões… tapem todos os vulcões!!!!
E para nos relembrar que esse potencial poderá estar aí mesmo à porta:

O Instituto de Meteorologia está desde Domingo a avisar sobre o crescente risco de uma erupção no lado noroeste do glaciar Vatnajökull, devido a um recrudescimento da actividade sísmica, e acrescentou: “É claro que apenas o tempo nos dirá se irá acontecer uma erupção ou não nesta área, e se já ou apenas mais tarde.”
Como comparação, o Bárdarbunga faz do vulcão Eyjafjallajökull um anão, o mesmo que encerrou o espaço aéreo no ano passado, depois das suas cinzas terem coberto o continente europeu.
In The Telegraph

Desenvolvam já um imposto para que a Islândia pague pelos danos que os vulcões possam causar!!!!!

Conclusão:
Certezas que são teorias expostas pela sobranceria de uns quantos homens que analisam o mundo como se este girasse em torno do Homem… coitado do Galileu Galilei que tanto lutou para conseguir explicar que o mundo é que girava em torno do Sol… Sol e planeta que podem ser a verdadeira causa para o frio, calor, vento e chuva que demarcam os nossos tempos de vida… vida que uns quantos homens utilizam para que tudo, até mesmo o ar que expiramos, sirva de sustento à sua ânsia de ganância… e enquanto isso, o planeta Terra não segue as leis criadas pelo Homem, continua a avançar no seu passo de imperturbável mudança, mudança, mudança… mudança…
Apetece-me exclamar: Por vezes mais vale ser (meio) são do que acreditar piamente em Adão

Notícia do The Wall Street Journal – The Weather Isn’t Getting Weirder
Notícia do Pravda – Panic stations! New theory behind climate change
Notícia da Earth Times – Climate tax on meat and milk could help reduce Europe’s carbon footprint
Notícia do Expresso – Presidente da Martifer defende imposto sobre CO2
Notícia do The Telegraph – Icelandic volcano ‘set to erupt’

O Aquece Que Arrefece

O que aconteceu ao “ano mais quente desde que existem registos?”: A verdade é que o aquecimento global está em pausa. Estamos a gelar devido ao aquecimento global?. Ted Turner defende uma política global de um filho por casal para salvar o planeta.

Frio, calor, chuva, seca, quase tudo é responsabilidade do aquecimento global… Esta é hoje em dia parte da lógica usada para tentar explicar o fenómeno que assola os estudos de muitos dos cientistas do clima… mas… essa tentativa de lhe transmitir lógica tem de entrar no campo da efectividade dos números, e aí, por vezes, “a porca torce o rabo”.

Fomos na última semana bombardeados com a notícia – nem lhe dei lugar aqui no minha mOsca, pois era apenas mais uma falsa e “manipuladora” notícia sobre o clima -: 2010 poderá ser o ano mais quente desde 1850.
Mais uma vez fiquei pacientemente à espera da notícia que colocasse em xeque tal parangona desmedida e potencialmente “mentirosa”. E nem tive de esperar muito tempo… hoje foi o dia.

Gostava de salientar que este tipo de notícias bombásticas sobre alterações drásticas na temperatura do planeta saem quase sempre um pouco antes do início de reuniões internacionais sobre o clima, desta feita em Cancún, e esta não foi em nada diferente… aquilo a que depreciativamente chamo de: “O joguinho dos interesses sobre os interesses daquilo que não interessa”.

Pegando nas palavras do Daily Mail:

“De pouco importa que a Grã-Bretanha, tal como nos invernos dos últimos dois anos, estivesse a lidar com uma frente fria, que levou que a temperatura baixasse até -20º em algumas localidades, e que tenha sido o ano mais frio desde 1996.”
“Cruzando dados, eles encobrem uma verdade que para alguns, parafraseando o antigo vice-Presidente dos Estados Unidos Al Gore, é realmente inconveniente: nos últimos 15 anos, o aquecimento global estagnou.”

In Daily Mail

Talvez tais linhas sejam uma surpresa para muitos, mas a surpresa para mim era tais linhas não descreverem isso mesmo, porque há muito que o tema aquecimento global deixou de ser uma questão de defesa do ambiente e passou a ser uma questão da política e das finanças, impulsionada pelo mercado dos créditos de carbono, mercado que dá ainda mais dinheiro a ganhar à banca e faz os produtos ficarem ainda mais caros ao consumidor… um imposto escondido…
Sempre que os meninos “bananas” e os “casineiros” se juntam a brincar aos mercados a mentira passa a ser lei, e a lei neste tema há muito que é mentirosa!

Continuando… as grandes mentes da ciência do clima, ainda assim, continuam a aventar que até 2100 a temperatura do planeta irá aumentar 6º… Se começarmos a fazer contas… 6º… 90 anos… 6 a dividir por 9 é igual a… 0,6º por década… hmmm…

“Na realidade, com a excepção de 1998 – um ano atípico em que aasistimos a temperaturas altas recorrentemente, devido a um «El Nino» muito forte – os dados presentes nas páginas na Internet do Met Office (Instituto de Meteorologia)e do CRU (Unidade de Pesquisa do Clima), apresentam que as temperaturas globais têm estagnado, não apenas nos últimos 10 anos, mas nos últimos 15 anos.”
(…)”pelos dados do Met Office, o aumento da temperatura global desde 1850 foi de menos de 0,8º”(…)

In Daily Mail

Ui… 15 anos de temperaturas médias globais sem representar aumento médio de temperatura? E 0,8º de aumento em 160 anos?
Acho que se calhar podemos começar a chamar a este caso o “fritanço global”, tal o aumento da temperatura!

E como aparentemente a causa do aquecimento global induzir o aquecimento do planeta começa a ter cada vez menos bases sólidas para vingar entre as populações de Zé Povinhos do mundo – até mesmo nos dados -, tais as disparidades e erros básicos na ciência, que a melhor forma começa a ser dizer que o aquecimento global provoca frio…
Por vezes apetece-me chorar tal a abstracta noção da realidade que determinados seres – pessoas que se julgam acima do senso comum – desejam passar para os Zé Povinhos do mundo.

“Ontem, a Organização Mundial de Meteorologia anunciou que 2010 figurará quase certamente num dos três primeiros lugar, desde que se iniciou o registo de temperatura em 1850 – e já há muito foi aceite que um dos efeitos das alterações climáticas podia ser o aumento da frequência de invernos rigorosos.”

In The Telegraph

Portanto, se por acaso a temperatura média do planeta começar a diminuir a culpa será do aquecimento global????
Esta ciência de doidos dá comigo em doido… ou não… isto mais parece o grito desesperado de um naufrago quando vê que terra está cada vez mais longe.
Meus senhores, não existe arrefecimento global por causa do aquecimento global, isso é um puro contracenso ilógico e incongruente!

Já habituado à constante incongruência nos temas defendidos pelas super estrelas da ciência de hoje em dia, que dão força e falsa razão aos pequenos demónios que sempre existiram na nossa sociedade, eis que um deles, Ted Turner, aproveitando o balanço dado pelo aquecimento global e a defesa do meio ambiente propõe:

O Sr. Turner – há muito um proponente da redução da população mundial– disse que a pressão ambiental sobre o planeta Terra requer soluções radicais, sugerindo que os países adoptem o exemplo da China instituindo uma política de uma criança por agregado familiar de forma a reduzir gradualmente a população mundial. Acrescentou que os DIREITOS DE FERTILIDADE POSSAM SER VENDIDOS DE MANEIRA QUE AS PESSOAS MAIS POBRES POSSAM SER COMPENSADAS DA SUA DECISÃO DE NÃO REPRODUZIR.

In The Globe and Mail

Para quem anda distraído… bem vindo ao mundo de boa parte do status quo instituído… bem vindo a um mundo em que o dinheiro compra tudo… bem vindo a uma sociedade construída e vivida para funcionar sempre de acordo com os desejos e desígnios de uns quantos que têm e terão dinheiro para viver nela.
Esta sua visão do mundo de vários filhos para os ricos e um filho, quando dá, para os pobres, é consubstanciada num estudo do ECONOMISTA Brian O’Neill realizado a pedido da americana National Center for Atmospheric Research (Centro de Estudos Atmosféricos), que chegou à conclusão:

“(…)o rápido aumento da população mundial está a contribuir para a aceleração das emissões, e que um planeamento familiar alargado poderá reduzir a quantidade de emissões até 30% até 2050.”

In The Globe and Mail

Para além de ser um economista a realizar um estudo populacional para uma instituição que estuda o clima – grande confusão, verdade?-, a noção das emissões que eles dizem aquecer o planeta, CO2, quando nos últimos 15 anos a temperatura teve um aumento médio igual a quase zero, serem reduzidas reduzindo número de nascimentos no planeta e para isso criando um mercado de compra e venda de fertilidade é algo verdadeiramente único, ou quase único, apenas possível nas mentes que vêem o mundo por um prisma económico e não ambiental.
Sim apenas por um prisma económico, porque se vissem o mundo preocupados com o ambiente o que seleccionavam para reduzir emissões seriam as grandes multinacionais que destroem o planeta em busca de lucros fáceis, as grandes indústrias poluidoras, ou talvez a redução do fosso entre ricos e pobres… mas não: Criem um mercado para a compra e venda de direitos de fertilidade!
Doentes!!!!

Conclusão:
Um aquecimento global que não tem aquecido e que por vezes até arrefece demais, é pedra de toque para muitas vezes tentar justificar o injustificável, seja à base de falsas verdades ou de teoremas sobre a vida que servem apenas o viver de muito poucos… tudo isto feito à luz do aquece que arrefece…

Notícia do Dailymail – What happened to the ‘warmest year on record’: The truth is global warming has halted
Notícia do The Telegraph – Are we freezing because of global warming?
Notícia do The Globe and Mail – Ted Turner urges global one-child policy to save planet
Notícia de Apoio:
Notícia do Jornal de Notícias – 2010 poderá ser o ano mais quente desde 1850

À Razão da Ração Para os Pobres

Cimeira de Cancún sobre o aquecimento global: cientistas pedem racionamento nos países desenvolvidos. Citigroup diz que Portugal está insolvente. Krugman: Portugal, Grécia e Irlanda são aperitivos, Espanha o prato principal. González: Bruxelas poderá ter de enfrentar novo resgate no espaço de dois meses. Bancos espanhóis têm de refinanciar 85 mil milhões em 2011. Banco Central Europeu pressionou a Irlanda e agora está a fazer o mesmo a Portugal.

Por muito que queira, não consigo deixar de ficar abismado com muitas das coisas que as consideradas mentes mais pródigas da nossa sociedade conseguem desenvolver. Também se pode analisar esse «mentes mais pródigas» e chegar à conclusão que mais parecem robôs a debitar texto que prodígios do pensamento… (assunto que ficará para outro dia)
Então em Cancún, debaixo dos coqueiros junto à praia, as mentes brilhantes que tentam encontrar uma solução para o aquecimento global do planeta – mesmo que hoje por aqui faça um frio de rachar -, chegaram à monumentalmente brilhante conclusão de que a melhor solução é usar o sistema de racionamento de bens utilizado aquando da 2ª Guerra Mundial.
Esperem lá!
Colocamos todo o mundo desenvolvido a senhas de alimentação?
Mas que raio, o Homem do mundo desenvolvido é o problema? A solução? Fazê-lo passar fome?
Hmmm…
Que tal direccionarem a vossa atenção (mentes brilhantes) para o sistema mundial de produção de bens?
Que tal voltar a impulsionar a agricultura local e a combater o despesismo de gasto de energia do sistema actual?
Não?
Que tal limitar o tamanho das multinacionais que devastam o planeta em busca de lucros fáceis?
Não?
Que tal “obrigar” as multinacionais a construir bens duradouros que não avariem no espaço de um ano – método usado para impulsionar o comércio mundial-?
Não?
Proibir o uso de carvão para gerar energia?
Não?
Portanto a solução encontrada para reduzir as emissões de dióxido de carbono é colocar os Zé Povinhos do mundo ocidental a penar fome… Pessoalmente não conseguia pensar em coisa mais estúpida, quase irracional, quando comparado com as verdadeiras causas para o aquecimento global… quer dizer… lá bem no fundo na mente deles talvez esteja que a solução ideal seja proibir que os Zé Povinhos do mundo ocidental respirem, e assim deixem de emitir dióxido de carbono… talvez… enfim…
Este é mesmo um mundo muito estranho quando visto pelos olhos das altas esferas da nossa sociedade…

Ah! Talvez a solução esteja na actual crise! Talvez o mundo seja salvo com o colapso das sociedades ocidentais!
Portugal vai ajudar nisso!
O Citigroup afirma hoje que Portugal está insolvente.
Hello! Está aí alguém? Portugal está insolvente faz anos!
O problema não é de hoje, não é dos mercados é da Europa, como afirma o nosso elefante branco Mário Soares. Se o problema é da Europa, então podemos dizer que entrámos em insolvência quando adoptámos o euro como nossa moeda e perdemos o destino e o controlo da nossa economia.
Isto não é de hoje, e só não viu quem preferiu acreditar que a Cinderela é real.
Mas como em quase tudo que assistimos nas nossas altas esferas… Qual é o problema? O euro! A solução? Não sair do euro… hmmm… ilógico não é? Resolver os problemas nunca atacando a causa dos problemas… a verdadeira arte de inventar soluções…

Aqui entra Paul Krugman, um aluno e seguidor brilhante da Escola keynesiana, que é a linha condutora do sistema económico-financeiro que (des)governa as nossas vidas.
Então Krugman afirma que Portugal, a Irlanda e a Grécia são aperitivos do prato principal que é a Espanha.
Então como aperitivos que somos temos de ser consumidos antes da Espanha de forma a não causarmos uma indigestão aos “casineiros”.
E porque está a Espanha a ser aventada como o prato principal na ementa dos “casineiros”?

“Porque está Espanha com um problema tão grande? Numa palavra, é o euro”

In Jornal de Negócios
Ah é o euro, a Europa… hmmm… vindo de um defensor intransigente das teorias keynesianas posso afirmar que o que ele diz vai contra tudo o que ele defende… Ai, como é tão usual estas mentes serem tão incongruentes… solução?

(…)”baixar os salários no sector privado e reduzir os preços”(…)

In Jornal de Negócios
Digo: Deixem de respirar e todos os problemas serão resolvidos!

E logo a seguir ao Krugman, aparece uma personagem que andava meio adormecida… Felipe González, antigo Primeiro-Ministro espanhol que nos diz:

(…)”a UE poderá, em dois meses, enfrentar uma situação idêntica há que já viveu com a Irlanda e com a Grécia.”
(…)”dentro de dois meses, Janeiro ou Fevereiro, a Europa voltará a viver a mesma sensação de emergência”

In Diário Económico
Estará a falar de Portugal ou de Espanha? Sinceramente tenho as minhas dúvidas…

Para corroborar as minhas dúvidas, nada melhor que sabermos que a banca do nosso país vizinho irá necessitar de angariar 85 mil milhões de euros de forma a cobrir os empréstimos que ganham maturidade no próximo ano.
Pegamos nesses 85 mil milhões e juntamos os juros e os outros milhões que necessitarão para manter a liquidez do sistema e… entretenham-se a fazer contas… digo apenas que são muitos mais milhões do que os aventados nessa notícia.
E 2011 até é um ano “pacífico” para a banca espanhola quando comparado com 2012, onde terá de refinanciar 30% de toda a dívida dos bancos… 30%…
Um pouco de especulação: 200 mil milhões? 500 mil milhões? 1 Bilião?

Seguindo com o Ministro irlandês da Justiça que diz:

“Claramente, houve pessoas de fora deste país que tentaram forçar-nos, a nós Estado soberano, a fazer o pedido [de ajuda financeira], fazendo de nós uns perdedores mesmo antes de termos sequer considerado essa hipótese enquanto governo” (…)
E se repararem, neste momento eles estão a fazer o mesmo com Portugal”

In Jornal de Negócios

Hmmm… estará o Banco Central Europeu desejoso que Portugal caia? Estará o Banco Central Europeu desejo de chegar até ao prato principal?
Esta perguntas são mais que válidas porque nem o resgate da Grécia e muito menos o resgate da Irlanda acalmaram os mercados, antes pelo contrário.
Qual o interesse do Banco Central Europeu no colapso destas economias?
Existe para ajudar ou para destruir?
Será a destruição o seu alimento?
Fazendo o BCE parte do grupo mais poderoso no mundo dos “casineiros”, capitalizará muito mais com a queda do que com a sobrevivência das suas sucursais: Portugal e Espanha.
Nham, nham… papinha…

E “prontos”, dei uma volta para chegar ao início, e agora poder escrever que as mentes pródigas da nossa sociedade andam a desenvolver solução para combater o aquecimento global, quando essas soluções já estão a ser aplicadas por uma Europa do euro que se está a alimentar das suas sucursais. O futuro da vida dos Zé Povinhos nessas sucursais do BCE, Portugal, Grécia, Irlanda, Espanha e mais uns quantos países, poderá vir a ser vivida à base de senhas de racionamento, não por falta de bens, mas porque os párias que são os pobres só se conseguirão alimentar com as senhas fornecidas pelas sucursais do BCE, ou seja, iremos viver à razão da ração para os pobres.

Notícia do The Telegraph – Cancun climate change summit: scientists call for rationing in developed world
Notícia do Diário Económico – Citigroup diz que Portugal está “insolvente”
Notícia do Diário Económico – “A União Europeia é o problema”
Notícia do Jornal de Negócios – Krugman: Grécia, Irlanda e Portugal são Tapas; Espanha o prato principal
Notícia do Diário Económico – Bruxelas poderá enfrentar novo resgate em “dois meses”
Notícia do Jornal de Negócios – Bancos espanhóis têm que refinanciar 85 mil milhões de euros em 2011
Notícia do Jornal de Negócios – BCE pressionou Irlanda e está agora a fazer o mesmo a Portugal

ONU Mundo Deles

Os custos da importação de alimentos irão este ano suplantar em 1 bilião o ano de 2009, diz a ONU. Preço dos alimentos poderão aumentar até 20% em 2011, avisa a ONU. China irá subsidiar alimentos depois do recente aumento dos preços. O novo plano de Abu Dabhi para a segurança dos bens alimentares. Alterações climáticas e doenças irão causar novas crises alimentares. FMI reduz o peso do dólar e do Yen no cesto do SDR. China avança contra a liquidez para reduzir a inflação. Trichet: Juros podem subir antes de terminarem as ajudas à banca.

Tal como ontem, vou quase ignorar as crises das finanças públicas, que já estão a ter (quase) a devida exposição nos meios de informação para as massas, e focar a minha atenção em algo que julgo ser muito mais preocupante e verdadeiramente mais perigoso: a inflação e o preço dos alimentos.

Hoje foi um dia em cheio para decantar muitas das tendências que irão moldar o ano que aí vem, e os seguintes.

A nossa querida, amada e estimada ONU veio a terreiro expor as suas conclusões em relação ao preço dos alimentos praticados hoje, o que espera para amanhã e quais as suas causas primárias.
Para quem anda apenas a reboque daquilo que é dito nos meios de comunicação para as massas, poderá estranhar algumas coisas que irei escrever lá mais abaixo. Para quem já deixou de consumir a informação para as massas como a verdade absoluta, servirá apenas de clarificação das tendências futuras.

A ONU prevê:

– “Os custos da importação de alimentos irão este ano suplantar em 1 bilião o ano de 2009.”
– “É pouco provável que os efeitos do aumento dos preços fiquem contidos nos seus respectivos sectores, porque muitos destes bens servem de pasto principal aos sectores de criação de gado e dos biocombustíveis.”
– “Em relação aos cereais mais importantes, a produção terá de se expandir substancialmente para suprir a demanda e recuperar as reservas mundiais.”
– “Devido a estas causas, os consumidores poderão não vir a ter outra opção para além de pagar preços mais elevados pelos seus alimentos.”

In Bloomberg

A maior parte da informação exposta neste excerto é de simples conclusão e análise para todos. Gostava apenas de salientar como estes tipos da ONU conseguem ser irracionais, ignorantes e verdadeiramente estúpidos nas suas análises, julgando que todos nós somos tão ou mais estúpidos que eles de forma a engolir as suas mensagens publicitárias!
Com que então assumem pela primeira vez que uma das principais causas para o aumento do preço dos alimentos está directamente relacionada com o sector dos biocombustíveis!
Mais abaixo voltarei a esta causa…

Continuando…

– “Preço dos alimentos poderão aumentar até 20% em 2011.”
– “O preço do trigo, do milho e de muitos outros alimentos transaccionados internacionalmente cresceram até 40% no espaço de apenas alguns meses. Os preços do açúcar, da manteiga e da mandioca estão em valores máximos de 30 anos, e a carne e peixe estão ambos significativamente mais dispendiosos do que no ano passado.”
– “Inflação dos preço dos alimentos, alimentada pela especulação, a vaga de calor na Rússia e transacções nos mercados de futuros.” (…)
– “Os pobres são quem mais irão sofrer porque sentem directamente o efeito do aumento do preço dos alimentos.”

In The Guardian

Mais informação que ajuda a desenhar parte do nosso futuro, uma boa parte com valor verdadeiramente importante, como a noção da inflação do preço dos alimentos estar apenas a ser causada pela especulação.
Mais abaixo aprofundarei esta questão.

Alguns países estão já a entrar em “estado de choque” em relação ao aumento do preço dos alimentos, tal como a China e em Abu Dhabi nos Emiratos Árabes Unidos.
Sinal dos tempos que estão para chegar?
Para mim, mais do que sinais, a evidência que algo está verdadeiramente a mudar.

Voltando à ONU…
Quais as principais causas que irão colocar em causa a produção alimentar?

– “Alterações climáticas, especulação, biocombustíveis e o aumento da procura na Ásia são os factores que irão levar a um aumento exponencial dos preços no ano que vem.”
– “Além de conduzir ao aumento da inflação em Inglaterra e no mundo ocidental, outro episódio de hiperinflação no preço terá terríveis implicações para as pessoas mais pobres do planeta.”
– A produção terá de aumentar substancialmente (…) O principal obstáculo identificado para o aumento da produção alimentar é o potencial económico das explorações para biocombustíveis e as explorações não alimentares.
– “Efeitos adversos do clima são indubitavelmente um dos principais factores na quantidade das safras de trigo e, com as alterações climáticas, poderão vir a ser cada vez mais recorrentes.”
– “Não subsistem dúvidas que as actividades especulativas trouxeram grande volatilidade ao mercado, mas não existem provas que a especulação tem conduzido ao aumento dos preços até níveis não antes vistos.”

In The Independent

Antes demais, peço desculpa pela quase desconexão do texto até este ponto, mas acho que era por demais importante expor a informação divulgada pela ONU tal como a encontrei. Serve de exemplo de como o copy\paste praticado na maioria dos casos para a divulgação de informação nos meios de informação generalistas é por vezes trocado por divulgação em formato de puzzle: várias secções da mesma história espalhadas por várias fontes, onde só lendo a totalidade das fontes se consegue ter uma ideia mais concreta da informação que está a ser veiculada.
Este é um método que encontro ser recorrente para muita da informação veiculada pela ONU… vá lá se saber o porquê…

Depois desta pequena explicação, voltando à ONU e aos alimentos…
Pegando um pouco atrás gostava de relembrar que a ONU diz que no espaço de meses o preço de alguns bens aumentou mais de 40%, mas que a sua previsão para o ano que vem é de 20% de aumento… hmmm
Gostava também de relembrar que a ONU disse que mais episódios de HIPERINFLAÇÂO terão resultados dantescos nas economias.
Gostava de vincar que o preço dos alimentos é o valor mais importante para a contabilização da inflação…

Portanto, nas palavras da ONU, as causas são, os biocombustíveis – que são imensamente subsidiados pelo mundo ocidental, o mesmo mundo que governa a ONU -, a especulação – que segundo as palavras da ONU, não existem provas que comprovem o seu impacto nos preços… talvez porque a grande maioria dos especuladores sejam parte integrante do mundo ocidental, o mesmo mundo que governa a ONU -, o aumento da procura por parte da Ásia – área do mundo em que o mundo ocidental mais tem investido nas últimas décadas, o mesmo mundo  que governa a ONU -, e para fechar, as alterações climáticas que põem em causa a quantidade das safras mundiais.

Conclusão:
– Os biocombustíveis, altamente subsidiados, são uma das principais causas para o aumento do preço dos alimentos. Deixem de os subsidiar!
– A especulação que é acção dos mesmos mercados que estão a levar o mundo à bancarrota. Limitem a acção abusiva dos mercados de capitais sobre o preço dos alimentos!
– As alterações climáticas. Bem, o nosso mundo mudou tanto que secas ou cheias são situações que acontecem apenas agora… Pelas apalavras deles quase se pode chegar à conclusão que o clima foi sempre sinónimo de estabilidade… hmmm…

De todas as causas aventadas, existe uma que, para mim, é apenas a mais relevante e que não é identificada pela ONU, talvez porque tal coisa poria em causa quase todas as causas avançadas para explicar o porquê dos preços estarem a subir tanto.
Vou tentar explicar.
O dólar é a moeda de referência mundial, é a moeda de reserva mundial. Quase todos os mercados de transacção de bens são cotados em dólares, ou seja, esses bens são transaccionados em dólares. Como todos já devem estar a par, o dólar tem vindo a perder valor de forma exponencial, o que conduz ao aumento exponencial dos preços dos bens transaccionados nesses mercados, não pelo aumento da procura mas pela desvalorização da moeda que os transacciona.

Vou tentar explicar de forma simplista o que acontece neste mundo de dólar em desvalorização exponencial:
Eu sou Portugal. Em 2005 comprei 10 dólares com euros, que me custaram, nessa altura, 15 euros.
Hoje, em 2010, vou comprar trigo no valor de 10 dólares mas os mesmo 10 dólares, que comprei em 2005, valem hoje apenas 8 euros, o que quer dizer que os mesmos 10 dólares hoje compram metade do trigo que compravam em 2005, e principalmente como eu, Portugal, paguei 15 euros por esses 10 dólares, terei hoje de cobrar, não o valor do dólar de hoje, mas sim o valor do dólar de 2005 de forma a não ter prejuízo quando for vender o trigo que acabei de adquirir. Ou seja, os 10 dólares de 2005 perderam 50% do valor inflacionado 50% o valor do bem que adquiri em 2010.
Isto é o exemplo nu e cru de muito do que estamos a assistir hoje com o preço dos alimentos, dos bens de uma forma geral, e que terá tendência a ganhar contornos de cada vez maior gravidade, porque o governo americano (Reserva Federal) continua a injectar milhar de milhões de dólares no mercado na forma de pacotes de estímulo à economia.
Talvez não seja mal pensado dizer aos senhores da ONU que nem todo o mundo é tão estúpido ao ponto de acreditar nas suas constantes inverdades, por vezes puras falsidades e muitas da vezes verdadeiras inversões.

Para nos ajudar a compreender um pouco melhor esta situação… O FMI reduziu o peso do dólar e do Yen no cesto do SDR (O peso que cada moeda tem no mercado internacional, medido pela força das suas economias).
Ora mas que raio?!??!? Perguntará quem faz contas… mas a economia da zona euro não tem sido a que mais tem contraído nestes últimos anos, quando comparada à economia americana e chinesa?
Porque raio irão dar mais peso ao euro em comparação com uma redução do peso do dólar e do yen no cesto?
Simples, digo eu, o euro é a moeda, das três, que menos tem desvalorizado.
Já ouviram falar no jogo dos espertinhos? Este é um belo exemplo… usam a moeda que tem desvalorizado menos, mesmo que tenha um peso nas transacções mundiais incomensuravelmente inferior ao dólar e esteja a perder cada vez mais terreno para o yen, de forma que a inflação apresentada pelo FMI, para os vários mercados de bens no mundo, seja menos expressiva… O mundo dos espertinhos, não é verdade???

Ah! Também o BCE começa a dar os primeiros passos para combater o temor da inflação:

“O presidente do Banco Central Europeu alertou hoje que os juros podem subir, mesmo que permaneça em vigor o programa de cedência de liquidez à banca.”

In Jornal de Negócios

Esperem lá! Mas estando a Grécia, a Irlanda, Portugal, a Espanha e a Itália, sem falar noutros, tão dependentes das taxas de juro praticadas pelo BCE para conseguirem angariar liquidez para as suas economias, Trichet vem a terreiro dizer que as taxas de juro podem subir mesmo antes de terminar o apoio às economias titubeantes da Europa?
Ólálá, temos aqui contraditório… como ajudar as economias mais frágeis com juros mais altos se são esses mesmo juros altos que as estão a estão a queimar em lume brando?
Estará o BCE a querer dizer que é preferível que os Estados mais frágeis da UE sofram ainda mais, possam mesmo colapsar, e pior, terem até de sair da moeda única de forma que os países mais ricos da UE e o euro consigam sobreviver, sem ter e terem de passar por um processo inflacionário escalante?
O tempo o dirá, mas os sinais que começam a ser dados…

Notícia da Bloomberg – World Food-Import Costs Will Exceed $1 Trillion on Higher Prices, UN Says
Notícia do The Guardian – Food prices may rise by up to 20%, warns UN
Notícia do The Independent – Climate change and disease will spark new food crisis, says UN
Notícia da Associated Press – China to subsidize food after price spike
Notícia da Reuters – Abu Dhabi’s new plan for food security
Notícia da Bloomberg – IMF Reduces Weighting of Dollar, Yen in SDR Basket
Notícia do Jornal de Negócios – Trichet: Juros podem subir antes de terminarem ajudas à banca

As Políticas do Clima

Vulcões e sol regulam o clima no Atlântico Norte. Shell e BP podem vir a lucrar  por injectar CO2 nos campos de exploração. Banco Mundial gasta milhares de milhões no carvão.

Uma equipa norueguesa do Centro de Investigação Climática de Bergen, que estudou o clima do Atlântico Norte nos últimos 600 anos, chegou à conclusão que a intensidade solar e as erupções vulcânicas regulam as variações de temperatura no clima no Atlântico Norte.

Ou estes gajo são um pouco doidos ou então puseram quase totalmente de parte o CO2… hmmm… mas como acho que são “obrigados” a ter o bom senso impingido pela maioria da comunidade cientifica internacional, sempre dizem que o CO2 poderá ser um elemento também importante… poderá….
E o Sol… mas que raio tem o Sol a ver com o clima?
É óbvio que estou a “brincar” com a situação pois em todos os estudos que defendem o aquecimento global\CO2 o Sol é elemento de somenos importância…
Vá lá saber-se o porquê de tal coisa… talvez se colocarem o Sol na equação o CO2 deixe de funcionar… talvez…

E como espero que já todos saibam, a teoria do aquecimento global\CO2 levou ao surgimento no mundo de um dos negócios mais abstractos e inusitados desde que existe a sociedade humana, talvez apenas a loucura das tulipas na Holanda no séc. XVIII consiga ser mais estranha.
Portanto, actualmente existe um negócio a nível mundial em que empresas recebem dinheiro por reduzir as emissões de CO2 – acho que o Zé Povinho também devia receber dinheiro por separar o lixo para a reciclagem… para além desse detalhe, isto até nem seria algo negativo, primeiro, caso fosse sustentado por ciência sólida, que comprovadamente não o é, e em segundo, porque as empresas que mais dinheiro estão a fazer com isto são as que mais poluem, não por estarem efectivamente a reduzir emissões mas porque encontraram forma de capitalizar ainda mais os seus proveitos com a nova indústria da redução do CO2…

Escrito isto, vejamos então qual será a próxima grande indústria que irá salvar o planeta do CO2… ela mesmo, a indústria petrolífera… que descobriu que se injectar o CO2 produzido por outras indústrias para interior dos seus poços de petróleo, irá também conseguir ganhar dinheiro com a indústria salvadora do planeta…
Como já todos sabemos, os seus poços são seguros e garantem uma total protecção ambiental… inacreditável…

E é assim que o mundo do aquecimento global\CO2 vai “brincando” às economias e ganhando dinheiro a fazer algo que tenho quase a certeza que irá estar no manual das ideias mais idiotas algumas vez usadas pela sociedade humana… daqui a umas décadas irão estar a gozar connosco…

E já agora, para vermos a dedicação para com o ambiente das instituições que mais impulsionam o mercado do CO2, neste caso em particular o Banco Mundial, ficamos hoje a saber que esse ser chamado de Banco Mundial investiu em 2009 aproximadamente 2,6 mil milhões de euros para impulsionar a indústria… do carvão… hmmm…
Mas não é o carvão um dos maiores geradores de CO2 no planeta?
Pois é. Mas não é só, o banco que foi investigar (Bank Information Centre) as contas apresentadas pelo Banco Mundial diz que não foram apenas 2,6 mil milhões de euros, foram 3,4 mil milhões porque o Banco Mundial não contabilizou os investimentos indirectos na indústria… de carvão… hmmm…
E sabem que parcela representa esse valor do investimento total do Banco Mundial em 2009?
1/4 de todos os projectos de apoio ao desenvolvimento de novas fontes de energia… 1\4…. 40 vezes mais do que o investido há cinco anos! 40 VEZES MAIS!

Bem, se calhar começo a entender o porquê de tudo isto.
Como as industrias mais poluidoras no mundo são as que mais dinheiro fazem com o mercado do CO2, então hoje em dia o investimento mais rentável na área das energias é mesmo nas indústria mais poluidora, porque para além de se ganhar dinheiro produzindo energia também se irá ganhar rios de dinheiro reduzindo as emissões de CO2, ou seja… um verdadeiro 2 em 1 financeiro…
Estes gajos têm mesmo umas mentes brilhantes…

Tenho vindo continuadamente a escrever sobre este assunto porque ele consegue representar a verdadeira face das instituições internacionais, das políticas ditas ambientais e da ciência do consenso obrigatório – aquecimento global\CO2.

Infelizmente cada vez mais tenho a certeza que tudo isto não passa de um jogo financeiro em que as mentes dos Zé Povinhos do mundo foram poluídas com informação “mentirosa”, de modo a ser possível às grandes corporações internacionais ganhar ainda mais dinheiro com um mercado absolutamente abstracto, e que sobre o qual a maioria das pessoas nem faz ideia da sua existência… dinheiro esse que faz falta em muitas coisas muito mais importantes que o pseudo excesso de CO2…

E “prontos”, mais uma pequena imagem daquilo que fazem as nossas mais que tudo instituições internacionais… verdadeiros representantes do ser (des)humano…

A quem ainda não leu aconselho a leitura dos artigos: (Ajudam a explicar as pontas soltas deste)

O IPCC Posto a Nu, ou o Fim das Teorias da Conspiração
O Negócio do Carbono… E Claro a ONU
Piers Corbyn “Esmaga” o Aquecimento Global
O Aquecimento Global e o Esquecimento Mental
A Inquisição, Galileu Galilei, Aquecimento Global e Solar Max. (Uma Explosão a Caminho da Terra)(Actualizado)
O Valor do Contraditório (Aquecimento Global)
E as Vacas (Coitadas) Continuam a Apanhar Pontapés no Estômago

Notícia do Diário de Notícias – Vulcões e Sol regulam o Atlântico
Notícia da Bloomberg – Shell, BP May Reap `Serious Profit’ by Using CO2 in Oil Fields
Notícia do The Sydney Morning Herald – World Bank spends billions on coal power

E Quando Alguém Se Opõe ao Consenso?

O’Leary, o patrão da Ryanair, diz que o aquecimento global é um complô dos cientistas que procuram dinheiro para as suas investigações. Dois professores da Escola de Economia de Columbia foram pagos para rever positivamente estudos que ajudaram à crise.

Ontem escrevi no artigo O Petróleo Paga as Palavras que o jornalismo é apenas o “reescrever comunicados sem questionar o que por lá é dito… sem usar o contraditório.”
Bem, não é bem assim, quando a informação que veiculam vai contra a “moda” utilizam logo o contraditório… é tiro e queda.

O’Leary, o patrão da Ryanair, uma das personagens do momento que anda a disparar em todas as direcções diz:

“Se acredito que existe aquecimento global? Não. Acredito que é tudo um monte de trampa. Mas é espantoso a forma como os guerreiros ecológicos e os média mudaram. Costumava ser aquecimento global, mas agora, como as temperaturas não subiram nos últimos doze anos, dizem «alterações climáticas».”

“Seja como for, a comunidade científica esteve quase sempre errada. Na Idade Média, queriam excomungar Galileu porque a quase totalidade da comunidade cientifica dizia que a Terra era plana… Que dizer, é absolutamente bizarro que pessoas que não nos conseguem dizer que porra de tempo irá fazer na próxima terça-feira possam predizer com rigor absoluto que temperaturas irão estar daqui a cem anos. Isso é esterco.”

In The Independent

Para além destas frases, outras proferiu dentro de um estilo quase desconcertante – vale a pena a leitura do texto original.

Mas eis que o mesmo jornal que ontem publicou as inverdades da BP sem sequer questionar o que por lá era dito, usou hoje a maior arma do jornalismo para “combater” palavras e frases que não são bem aquilo que os média têm vindo a dar lugar de parangona nos últimos anos, usou o contraditório, e dentro do mesmo texto, descredibilizando o patrão da Ryanair e deixando-o com um ar de mais doido do que aquele que já tinha.

Este é apenas  um exemplo de como os meios de informação só usam o conceito de jornalismo de verdade em casos pontuais e quase sempre em casos em que as teorias por eles publicitadas sejam de alguma forma colocadas em causa… Isto tem apenas um nome: MANIPULAÇÃO!

Voltamos ao mesmo: “Onde fica a democracia no meio disto?

Como forma de colocar em causa as teorias vigentes publicitadas pelos meios de comunicação, nada melhor do que usar os exemplos de dois dos mais respeitados economistas mundiais e a forma como carimbaram positivamente estudos que se vieram a revelar fatais para a economia. Esses carimbos foram PAGOS!

Foram eles Frederic Mishkin and Glenn Hubbard.
O primeiro é professor na Universidade de Economia de Columbia e foi membro do painel de governadores da Reserva Federal americana de 2006 a 2008. A segunda personagem é apenas e só o Reitor da Universidade de Economia de Columbia.

Mishkin, em 2006, escreveu um relatório intitulado “A Estabilidade Financeira na Islândia“, pelo qual recebeu 124 mil dólares da Câmara de Comércio da Islândia. Mais tarde escreveu no seu curriculum que o título que tinha dado a esse estudo tinha sido “A Instabilidade Financeira na Islândia“.
Ou seja, recebeu uns bons dólares para pintar um cenário cor-de-rosa e quando a coisa deu para o torto o seu curriculum sofreu uma pequena alteração… coisa de sumenos importância quando falamos de “cientistas”…

Em 2009, Hubbard recebeu 70 mil dólares para ser testemunha de defesa do fundo pensões da Bear Sterns.
Mais uma vez o dinheiro fez maravilhas para pintar de cor-de-rosa o fundo das tensões…

Isto não é caso exclusivo da Universidade de Economia de Columbia… uma das indicações que o estudo às práticas do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas) apresentou foi: “A verificação de conflitos de interesses dos seus membros e limites mais restritos para o seu presidente – posição detida por Rajendra Pachauri.” (No artigo O IPCC Posto a Nu, ou o Fim das Teorias da Conspiração)

A isto chama-se a nova ciência… ciência gerida por outros com resultados pintados da sua cor e cientistas inconscientes em relação à ciência mas bem cientes dos seus bolsos…

A isto chama-se também meios de comunicação modernos, cientes das suas irresponsabilidades mas inconscientes em relação à defesa da democracia…

Não te oponhas ao consenso, não dá dinheiro!

Notícia do The Independent – Global warming? It doesn’t exist, says Ryanair boss O’Leary
Notícia do New York Post – B-school expose

%d bloggers like this: