Mais Vale Ser São a Acreditar Piamente no Adão

O clima não está a ficar mais estranho. Nova teoria por detrás das alterações climáticas. Imposto sobre as emissões de CO2 sobre a produção de carne e leite poderá ajudar a reduzir a pegada de carbono da Europa. Presidente da Martifer defende imposto sobre as emissões de CO2. Vulcão islandês prestes a entrar em erupção.

As surpresas que o clima nos prega, o CO2, o Homem, o Sol, etc., factores presentes numa “molhada” de teorias sobre as alterações no clima. Umas têm tido direito a parangonas constantes e outras são constantemente votadas ao quase abandono.
Hoje vou escrever sobre uma das teorias que faz décadas que tem sido constantemente votada ao abandono e que só muito recentemente começou a ganha lugar de parangona, ainda um pouco a medo mas já tendo direito a linhas em forma de informação para as massas.

O clima não está a ficar mais estranho, eis o título que dá corpo a uma quase insólita notícia presente no The Wall Street Journal, e que nos apresenta um dos últimos estudos sobre o clima realizados pela NOAAThe Twentieth Century Reanalysis Project -, NOAA que tem sido, até ao momento, uma das mais intransigentes instituições na alteração do método de abordagem às alterações climáticas, e uma das mais proeminentes defensoras da TEORIA do aquecimento global = CO2.
Eis os resultados do seu último estudo:

As descobertas iniciais do projecto, publicadas no mês passado, não apresentam evidencias de uma tendência de intensificação dos padrões do clima. “Nos modelos que usamos para prever o clima, os extremos ficam mais extremados conforme avançamos para um mundo com o dobro de CO2 na atmosfera daqui a cem anos,” (…) “por isso ficámos surpreendidos que nenhum dos três índices principais da variabilidade do clima que usámos apresentasse um aumento da circulação desde 1871.”
In The Wall Street Journal

Portanto, nenhum dos modelos que são usados para analisar os efeitos do CO2 no clima conseguiram reproduzir as alterações que estamos a assistir hoje em dia… hmmm…
Serão fiáveis esses modelos?

“Ainda não temos dados para responder à questão de como a actividade humana afectou os padrões climáticos extremos.”
In The Wall Street Journal

Hmmm… não!
Onde está agora a quase certeza absoluta com que fomos bombardeados quase diariamente durante os últimos anos de que o Homem e o CO2 eram os responsáveis por tudo o que de mal estava a acontecer com o clima neste planeta? Hmmm… onde???

Sabemos que o dióxido de carbono (CO2) e outros gases aprisionam e re-irradiam calor. Também sabemos que os humanos têm emitido um volume cada vez maior desses gases desde a revolução industrial. O que não sabemos é o quão sensível é o clima ao aumento da presença desses gases versus outros possíveis factores – variações solares, correntes oceânicas, ciclos de aquecimento e arrefecimento do Pacífico, as oscilações da gravidade e de magnetismo do planeta, e por aí fora.
In The Wall Street Journal

Portanto, um centro que tem sido um dos maiores alimentadores da TEORIA clima\CO2\Homem, que, nos últimos anos, tem invariavelmente subestimado, até mesmo denegrido, outras teorias mais abrangentes, vem ela agora a público afirmar que analisar este mundo tendo por base apenas premissas básicas e simplistas centradas no Homem como o culpado de tudo, são na sua essência incapazes e provavelmente demasiado optimistas, ou pessimistas, consoante o prisma que se as leia, para prever o que será o futuro do clima.

Se analisarmos os desconhecidos, é possível que mesmo que gastemos milhares de milhões de dólares e abramos mão de mais biliões no futuro, de forma a reduzir as emissões de carbono até aos níveis anteriores aos da revolução industrial, o clima irá continuar a mudar – tal como sempre o fez.
In The Wall Street Journal

Perdoem-me o desabafo: Que lufada de ar fresco!!!!!
Raramente as respostas simplistas e facilitistas, servidas como resposta final para um problema, são na realidade uma resposta cabal, mais ainda quando o analisado é tão dinâmico e variável como o clima… e esse centrar de todos os males no Homem-CO2 de forma simplista e facilitista sempre me fez uma “comichão” dos diabos… uffff…

Uma das TEORIAS que mais tem captado a minha atenção nos últimos anos, tem sido a que baseia os seus estudos na influência e interacção do Sol com o nosso planeta, teoria que tem servido de base às constantes previsões acertadas de Piers Corbyn, acertos que sempre me causaram um pouco de “confusão” quando os comparava com a incapacidade dos modelos que estavam\estão em voga de conseguirem prever sequer com um mês de antecedência como iria estar o clima.

Mas aparenta que as coisas estão a começar a mudar na forma de como se analisa esta questão:

Começam a ganhar forma novas e assustadoras evidências sobre o ângulo de inclinação da Terra, os seus efeitos no clima e o início de uma nova idade do gelo, anunciada por uma série de tempestades monstruosas tais como as que caíram sobre a Inglaterra em finais de 2010, nos Estados Unidos antes do Natal e agora, no início de Fevereiro, no Este da Austrália, primeiro com as piores inundações de que há registo e depois com um ciclone de categoria 5.
In Pravda

Nem tanto ao mar, nem tanto à Terra… esta notícia também expôs isto numa forma simplista e facilitista de análise. O que trás de bom e vivo para o debate sobre um melhor entendimento das dinâmicas do planeta é uma não certeza sobre o que influencia o nosso clima, e essa não certeza é o principal catalisador da ciência… pois sem uma ciência dinâmica e crítica o conhecimento não avança, acabando por estagnar envolto em prosas de circunstância…

Tal como simplista e facilitista, e essencialmente oportunista, é o Homem, ou parte dele, pois consegue quase sempre desenvolver soluções mirabolantes para a resolução dos problemas com que se depara e, ainda mais, consegue encontrar forma de lucrar com eles.
Ora vejamos então:

Enquanto, por agora, na sua grande maioria, estas taxas sobre as emissões de carbono são cobradas aos sectores de transformação e dos transportes, novos estudos sugerem que também poderão ser igualmente efectivas, se não mesmo mais, se forem direccionadas às indústrias agrícola e alimentar. (…) Chegaram à conclusão que se se colocar um imposto de apenas 60 euros por tonelada de dióxido de carbono gerado pelas industrias de processamento de carne e de leite, a maioria dos países europeus conseguiria reduzir a emissão de gases de estufa em aproximadamente 7%, quase da noite para o dia.
In Earth Times

Portanto… mais uma solução mirabolante tendo por base uma TEORIA que poderá estar errada\incompleta para ajudar a reduzir as emissões de um gás que é o mesmo que nós humanos expiramos… muito bom…
Gostava de salientar que um imposto por si só não reduz directamente as emissões, por norma o que acontece é o preço dos bens produzidos reflectirem esse imposto no preço final ao consumidor.
Enfim… as soluções mirabolantes e simplistas… um “já tá resolvido”!

Mas não é só lá por fora que este tema é abordado desta forma simplista, facilitista e economicista. Por cá tivemos esta semana direito a um espaço no espaço público dos meios de comunicação generalistas dado a um Sr. Carlos Martins, Presidente da Martifer…
Pessoalmente nem fazia ideia quem era tal pessoa… talvez seja mesmo alguém com valor técnico para ter direito a espaço de destaque no Expresso… talvez, quem sabe… eu não fazia ideia… eles lá têm os seus barómetros para medir a qualidade dos interlocutores e a quem dão voz…

O presidente da Martifer, Carlos Martins, diz que o Governo português deve criar e cobrar um imposto sobre a emissão de dióxido de carbono, como parte da sua política energética.
In Expresso

Está bem… que mais se pode escrever para além de… para além de ser baseado em TEORIAS vagas e incompletas, tal solução tem o apoio de parte dos barões dos patrões, os mesmos que estão sempre contra todos os aumentos de impostos que coloquem em causa os seus lucros??? Bem, se aqui não está um contrasenso agudo, então podemos estar perante um forte ataque de histeria deste senhor… Há algo que aqui não está lá a bater muito bem… digo eu…

Como todos podem opiniar, ou pelo menos é isso que retiro dos nossos meios de informação para as massas, eu proponho o seguinte cenário como medida para salvar o planeta (caricato): Cobrar uma elevada taxa a todos os países que tenham vulcões nos seus territórios.
É óbvio que estou a brincar com a situação. Esta minha ideia descabida serve para relembrar que basta uma erupção de um vulcão (grande) no mundo para tornar todas as emissões de CO2 por parte do Homem desde a revolução industrial uma mera formiga quando comparadas as suas dimensões… tapem todos os vulcões!!!!
E para nos relembrar que esse potencial poderá estar aí mesmo à porta:

O Instituto de Meteorologia está desde Domingo a avisar sobre o crescente risco de uma erupção no lado noroeste do glaciar Vatnajökull, devido a um recrudescimento da actividade sísmica, e acrescentou: “É claro que apenas o tempo nos dirá se irá acontecer uma erupção ou não nesta área, e se já ou apenas mais tarde.”
Como comparação, o Bárdarbunga faz do vulcão Eyjafjallajökull um anão, o mesmo que encerrou o espaço aéreo no ano passado, depois das suas cinzas terem coberto o continente europeu.
In The Telegraph

Desenvolvam já um imposto para que a Islândia pague pelos danos que os vulcões possam causar!!!!!

Conclusão:
Certezas que são teorias expostas pela sobranceria de uns quantos homens que analisam o mundo como se este girasse em torno do Homem… coitado do Galileu Galilei que tanto lutou para conseguir explicar que o mundo é que girava em torno do Sol… Sol e planeta que podem ser a verdadeira causa para o frio, calor, vento e chuva que demarcam os nossos tempos de vida… vida que uns quantos homens utilizam para que tudo, até mesmo o ar que expiramos, sirva de sustento à sua ânsia de ganância… e enquanto isso, o planeta Terra não segue as leis criadas pelo Homem, continua a avançar no seu passo de imperturbável mudança, mudança, mudança… mudança…
Apetece-me exclamar: Por vezes mais vale ser (meio) são do que acreditar piamente em Adão

Notícia do The Wall Street Journal – The Weather Isn’t Getting Weirder
Notícia do Pravda – Panic stations! New theory behind climate change
Notícia da Earth Times – Climate tax on meat and milk could help reduce Europe’s carbon footprint
Notícia do Expresso – Presidente da Martifer defende imposto sobre CO2
Notícia do The Telegraph – Icelandic volcano ‘set to erupt’

About minhamosca

Em busca de mais conhecimento

Posted on 12/02/2011, in Agricultura, Ambiente, Artigos, Corrupção, Economia, Energias and tagged , , , , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: