Um Mundo pintado a Números

A bomba relógio do desemprego entre os jovens. O porquê da importância da inflação no preço dos alimentos. Especialistas debatem os limites da aquacultura. Governos começam a dar aos seus cidadãos alimentos de graça. Apostas que o petróleo irá chegar aos 250 dólares, por causa dos riscos no canal do Suez. Arábia Saudita não consegue aumentar a produção de modo a controlar os preços no mercado. A teoria dominó e o síndroma saudita.

Os jovens…futuro das sociedades deste mundo… estão cada vez mais perdidos num mundo que está em provável contracção, mesmo que os números económicos queiram expressar exactamente o contrário.
Na Tunísia, no Egipto, em Portugal, na Europa, no mundo ocidental desenvolvido, são os jovens que mais estão a ficar desprotegidos, desamparados, desempregados… isolados… engolidos por uma onda de crescimento (numerário) económico desenfreado, desequilibrado e desprendido dos valores sociais.
Uma “monumental” peça jornalística da Bloomberg explica-nos de forma mais aprofundada esse crescente problema:

Os Hititas (tunisinos) e os Shabab (egípcios) têm irmãos e irmãs espalhados por todo o globo. Na Grã-Bretanha, são chamados de NEETs (Jovens que estão fora do sistema de educação, dos cursos profissionais, ou desempregados). No Japão, são os chamados “freeters” – uma amálgama da palavra inglesa freelancer e da palavra alemã, Arbeitr, ou trabalhador. Os espanhóis chamam-lhes os “mileuristas”, palavra que retracta os jovens que ganham menos de mil euros por mês. Nos Estados Unidos, são os “jovens boomerang”, jovens que terminaram a universidade e voltam para casa dos pais por não conseguirem encontrar trabalho. Até numa China em rápido crescimento, onde a falta de mão de obra é mais comum que o excesso de oferta, tem a sua “tribo-de-formigas”, jovens recentemente graduados que vão viver em grupos para apartamentos baratos nas franjas das grandes cidades por não conseguirem encontrar empregos suficientemente bem remunerados.
In Bloomberg

Isto devia servir de mensagem de alerta para todos os bananas deste mundo… mas não, o numerário económico, o excedente que a banca gere, a dívida para gerar mais crescimento, são invariavelmente preferidas ao abordar deste problema… e isto poderá vir a ter custos muito mais elevados do que os gerados por uma contracção do numerário (por vezes fictício) impulsionada pela contracção do crescimento…

A fissura entre os jovens e os que já não são jovens está a alargar-se. O antigo Primeiro Ministro italiano Giuliano Amato disse ao Corriere della Sera: “As gerações passadas consumiram o futuro das mais jovens”. Na Grã-Bretanha, o Ministro do Trabalho, Chris Grayling, comparou o desemprego crónico a uma “bomba relógio”. A. Jeffrey A. Joerres, chefe executivo da Manpower (MAN), uma companhia de trabalho temporário com escritórios em 82 países, acrescenta: “o desemprego nos jovens irá claramente ser uma epidemia na próxima década, a não ser que o abordemos já no imediato. Não se pode fechar os olhos a isto.”
In Bloomberg

Alguém vê por aí alguém (bananas, instituições internacionais, etc.) a abordar este problema de forma capaz… até mesmo ao de leve?
Eu não! O que vejo são os números… os números da economia a serem abordados de forma quase insana perante a realidade de um mundo que não se contabiliza nas folhas de cálculo de uns quantos economistas viciados no 1, no 2, no 3, na escala dos números, nos números que reflectem mais o mundo dos “eles” do que o verdadeiro mundo de todos nós:

No ano passado a ILO encontrou uma réstia de esperança. Depois de analisar os dados de 56 países, os investigadores estimaram que o número de desempregados entre os 15 e os 24 anos, em 2010, tinha regredido nessas nações, em quase 2 milhões, para menos de 78 milhões. “Inicialmente pensámos ser um bom sinal”, disse Steven Kapsos, economista da ILO. “Parecia que os jovens estavam a conseguir penetrar no mercado de trabalho. Mas depois apercebemo-nos que era o número de trabalhadores em busca de um emprego que estava a declinar. Os jovens estavam a desistir.”
In Bloomberg

Estará este sistema económico a criar párias? Revolucionários? Ladrões e criminosos? Pobres?
Talvez um pouco de tudo… jovens destruídos pela incapacidade de um sistema que se baseia nos números e que se afasta cada vez mais da realidade do real.

E se juntarmos esse cocktail potencialmente explosivo de jovens à deriva com a inflação dos preços do alimentos que está a ocorrer  por todo o mundo, inflação que na sua génese está intimamente ligada aos pacotes de estímulo que foram injectados um pouco por todo o mundo desenvolvido e não só?

Dos dados da inflação são excluídos os preços voláteis dos alimentos e da energia numa tentativa de pintar um quadro mais real a longo prazo. É por isso que Bernanke pode dizer que a inflação continua quase silenciosa. Se retirarmos os preços dos alimentos e dos combustíveis, a inflação é realmente baixa.
Mas até alguns dos economistas “bullish” já não estão a ir na cantiga, como Ed Yardeni, presidente da Yardeny Research. Está a começar a ficar preocupado que Bernanke possa, com o QE2, ter libertado a besta da inflação pelo mundo.
In Daily Finance

Pois é, num mundo pintado e gerido a números, pelas classes banananeiras e casineiras, quase nada mais lógico existirá para eles que criar novos algoritmos que os ajudem a pintar no tom desejado o mundo em que todos nós vivemos, de modo a que o mundo dos “eles”, distante e ilusório para a grande maioria, possa continuar a crescer no papel.
Quem em seu perfeito juízo pode retirar das contas da inflação os alimentos e os combustíveis? Quem se não os doidos, ou os mentirosos?
Eu próprio respondo à minha pergunta: Os bananas e os casineiros!

E como o verdadeiro mundo não se rege pelos números artísticos de uma classe que vive num número próprio, eis que parte dessa classe, a medo depois dos recentes desenvolvimentos e revoluções na Tunísia, no Egipto, etc., resolve começar a doar alimentos à população de modo a tentar controlar possíveis sublevações sociais nos seus feudos. Os mesmo que arriscam a real realidade do mundo numa folha contabilística desvirtuada, apresentam-se a partir de agora como os bons… amigos…

O Ministro do Comércio e Indústria embarcou esta terça-feira numa campanha de distribuição e oferta de provisionamentos alimentares a todos os cidadãos elegíveis para os receber, como parte de uma oferta do Amir HH para o público do Kuwait.
In Arab Times

Hmmm… que mãos abertas… hmmm…
E para quem estiver menos atento e pensar que isto está a acontecer apenas nos países do Médio Oriente, relembro que 15% da população americana recebe do Estado cheques mensais para se conseguir alimentar … 15%!!!!!

Enquanto isso, o mundo das ciências, e as suas constantes evoluções e soluções para quase todos os males que o apoquentam, líderes numa acção maioritariamente benéfica a nível social mas igualmente enganadora, vão também constantemente chocando de frente com os limites físicos de um planeta que não se coaduna com soluções finais e totais.
A aquacultura, método apontado como salvador dos bancos de pesca do mundo, está a chocar de frente com os seus limites:

“Vamo-nos deparar com cada vez mais constrangimentos em termos de espaço disponível, de acessibilidade à água  – principalmente água doce – e também com os impactos ambientais e no fornecimento de rações”, disse o Sr. Cochrane.
In The New York Times

Eis que passadas umas décadas depois de ter sido anunciada como a solução final para os problemas de excesso de exploração dos bancos de pesca do mundo, este mesmo mundo tem de chegar à conclusão que as soluções salvadoras finais não podem\devem ser vistas e analisadas como tal, sob pena de serem quase sempre apenas um engano. O mundo e o Homem são limitados… ilimitados são apenas os sonhos do Homem.
Portanto, para além das “brincadeiras” com os números que estão a levar os preços dos alimentos até ao inacessível a uma boa parte deste mundo, também temos de começar a analisar profundamente que não irão ser apenas os cereais, as frutas, as verduras e a carne que irão aumentar exponencialmente de preço.
É só boas notícias…

E para adicionar um pouco mais de sal a tudo isto, ficamos a saber que há casineiros a apostar que o petróleo irá em breve custar 250 dólares por barril. 250 dólares por barril!!!! Se os “eles” estão a apostar que o barril irá a estar a 250 dólares é porque na mente deles o preço tenderá, muito provavelmente, a passar largamente esse valor:

Os investidores subiram as apostas de que o preço do petróleo poderá chegar aos 250 dólares o barril, preocupados que a revolta no Egipto possa interromper o tráfego marítimo no canal do Suez e alastrar-se até à Arábia Saudita.
In Bloomberg

Quando li isto pensei: “custa-me a acreditar que seja apenas por causa do enunciado nesta notícia… 250 dólares é 150% a mais que o preço actual… é demasiado… e até os casineiros são minimamente sãos das ideias…
E eis que hoje surge algo que me parece bem mais real, para reflectir essas apostas, do que os problemas no canal do Suez:

A revelação do conteúdo de um telegrama liberado pelo Wikileaks urge Washington a levar seriamente em conta um aviso de um executivo petrolífero do governo saudita de que as reservas do reino podem ter sido exageradamente estimadas em mais de aproximadamente 300 mil milhões de barris – quase 40%.
In The Guardian

Bomba!!!! Se as reservas na Arábia forem menos 40% do que ao proclamado, detendo a Arábia as maiores reservas do mundo e sendo o maior produtor e exportador mundial, então este mundo poderá ter menos de 1\5 de todo o petróleo que julga ainda existir por explorar.
Talvez esta informação nos ajude a compreender muitos dos porquês de tantas das coisas que estão a acontecer fora das páginas contabilísticas do mundo dos “eles”. Quase tudo o que temos passado nos últimos tempos, sejam preços, bancos, petróleo, revoluções, dívida, quase tudo poderá não mais ser do que o mundo real a responder à falta do sangue que faz mover este sistema das coisas que nos (des)governa…

E levando tal cenário de menos 40% de reservas em consideração, o que poderemos esperar daqui para a frente?
Guerras? Revoluções? Fome? Colapsos? O quê?
Já assistimos a revoluções, já estamos acostumados a ver a fome, já vimos colapsos… aquilo que ainda não vimos, e que nos conta a História acontecer quase sempre em épocas de contracção, foram as guerras, ou guerra:

Obrigado, Chairman Bernanke, por alegremente ter derrubado o dominó de Eisenhower através de uma estúpida e míope negação dos impactos da sua política monetária no preço global dos alimentos e das energias. Obrigado por assumir o lixo do “hedonismo” que distorce os números da inflação, que também o defende por enviar para a rua desempregados quase esfomeados em áreas altamente instáveis do mundo.
No final do dia, Sr. Bernanke, o único grupo que talvez lhe vá agradecer poderá muito bem ser o complexo industrial militar americano… isto assumindo que a máquina de guerra não irá gripar por falta de petróleo.
In Taipan Daily

Conclusão:
Jovens sem tino nem destino, números de um papel escrito por quem os números são deuses… inflação que é bandeira que corrói e ao mesmo tempo defende os deuses dos números… números que são cada vez menos animadores para os grandes desenvolvimentos em forma de solução total desenvolvidos pelo Homem… os “eles” que de nós quase apenas têm só medo, já dão comida de graça para na graça do Zé Povinho voltarem a cair… e dos números para quem os números são deuses, ficamos a saber que o número para o futuro da nossa vida é imensamente inferior ao proclamado… número que na sua essência poderá mais não ser do que mais um algoriticamente embelezado de modo a pintar o nosso mundo num tom mais suave…
E no final?
No final a História é invariavelmente madrasta com os números… num mundo pintado a ilusões…  só nascem, por norma, desilusões…

Notícia da Bloomberg – The Youth Unemployment Bomb
Notícia do Daily Finance – Why Global Food Price Inflation Really Matters
Notícia do Arab Times – Govt starts giving citizens free food
Notícia do The New York Times – Experts Debate Limits of Fish Farming
Notícia da Bloomberg – Bets on $250 Oil Rise as Traders See Saudi, Suez Risk
Notícia do The Guardian – WikiLeaks cables: Saudi Arabia cannot pump enough oil to keep a lid on prices
Notícia do Taipan Daily – Domino Theory and Saudi Arabia Syndrome

About minhamosca

Em busca de mais conhecimento

Posted on 09/02/2011, in Agricultura, Artigos, Economia, Energias and tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: