Vãs Memórias de um Passado Recente

A Agência Alimentar americana avisa os países produtores de alimentos em relação ao controlo das exportações. Especulação alimentar: Morrem pessoas de fome enquanto os bancos enchem o pote. Wall Street banqueteia-se em Davos no desvancer do temor da crise. Peter Schift prevê um pesadelo inflacionário nos Estados Unidos, made in China. Jim Rogers: O barril de petróleo pode chegar aos 200 dólares. Sauditas assinam acordo nuclear para reduzir o uso de combustíveis fósseis.

Os últimos dias foram passados e preenchidos com informações sobre as revoluções induzidas pelo aumento do preço dos alimentos – inflação-, e não só, no Norte de África, no Médio Oriente e na África Central.
Estará o mundo a entrar numa nova fase social revolucionária induzida pelo cada vez menor excedente de matérias primas?

Um dos principais medos do mercado, quase totalmente desregulado de matérias primas, é o da regulamentação, devido a isso a Agência Alimentar americana veio a terreiro avisar, em tom de temor, os países produtores para não cederem à tentação de reduzirem as exportações das suas produções de alimentos.
Decompondo o que esta agência está a “pedir”…
Pede aos países produtores que não invertam a tendência inflacionária que começa a surgir nos seus mercados internos de forma a não causar maior tendência inflacionária no resto do mundo.
Irão as populações locais aceitar que os outros possam pagar menos e que eles tenham de pagar mais por causa dos outros?
Irão as elites que governam esses países colocar em causa o seu status quo e deixar os preços dos alimentos disparar para que o resto do mundo possa pagar menos por eles?
Não esquecer que as elites bananeiras fazem de tudo de forma a perpetuar o poder, por isso, digo, o mais provável é o mundo começar a assistir a medidas de controlo das exportações. Quando tal acontecer, a palavra inflação irá em pouco tempo ceder lugar à palavra hiperinflação.

Mas o aviso da agência americana trás consigo um busílis do mercado, os especuladores. Talvez não seja má ideia dizer a essa agência americana que grande parte da responsabilidade do aumento exponencial do preço dos produtos alimentares é culpa de membros da sua sociedade, e que a limitação das exportações por parte dos países produtores não mais será que uma consequência das políticas usadas por esses destacados membros da sua estrutura social.

“(…)entre os negociantes e economistas está a emergir uma nova teoria. Os mesmos bancos, fundos de investimento e financiadores cuja especulação nos mercados financeiros conduziu à crise imobiliária são agora os principais suspeitos pelos preços dos alimentos andarem tipo yo-yo a inflacionar. São acusados de se estarem a aproveitar dos mercados serem desregulamentados para capitalizarem milhares de milhões na especulação dos alimentos, levando a miséria a todo o mundo.”
In The Guardian

Podemos daqui retirar uma pequena mas profunda conclusão: se os mercados voltarem a ser regulamentados o mundo poderá voltar a ter alimentos a preços mais acessíveis.
Porque será que a agência americana não faz menção a este ponto tão significativo?
Estará a soldo dos mesmos interesses que batalharam durante décadas pela eliminações das regulamentações dos mercados internacionais?

“(…) depois de intenso lóbie nos Estados Unidos e em Inglaterra por parte da banca, dos fundos de investimento e de políticos defensores da desregulamentação dos mercados, as regulações nos mercados de matérias primas foram sendo paulatinamente abolidas. Os contratos para compra e venda de alimentos foram transformados em “derivados” que podiam ser comprados e vendidos entre negociantes que nada tinham que ver com a agricultura. Como resultado disso nasceu um novo e irreal mercado de “especulação alimentar”. Cacau, sumos de fruta, açúcar, fibras têxteis, carne e café são hoje em dia matérias primas globais, a par do petróleo, ouro e outros metais.”
In The Guardian

Se não estiver a soldo dos mesmos interesses que têm uma relação directa e evidente com o aumento do preço dos alimentos, então é mais uma instituição internacional composta maioritariamente por pessoas incapazes e incompetentes.

Enquanto tudo isto está a acontecer bem à frente dos nossos olhos, chega-nos o retrato de que em Davos os maiores casineiros do nosso mundo andam de peito feito, quase em festa, pois este ano chegam à reunião anual para debate da economia mundial com lucros recorde e sem o temor da aplicação de novas regulamentações e taxas aos seus movimentos de capital.

“Finucane e outros banqueiros sénior dizem que as lições da crise financeira não foram esquecidas. Dizem também que o processo de reformas ainda não terminou. Muitas das regras exigidas na legislação financeira americana Dodd-Frank têm ainda de ser escritas, e que Basileia ainda tem de desenvolver regras para os bancos denominados “demasiado grandes para falir” e para o nível de capital requerido às unidades financeiras.”
In Bloomberg

Portanto, daqui pode ser concluido que o cancro que se foi desenvolvendo nas últimas décadas continua a crescer sem que haja tratamento para ele, e principalmente que a cura para tal maleita continua a ser adiada na esperança que o doente se cure por si só.

E outro dos factores que a agência americana deixou no recanto do silêncio foi a relação da quantidade de dólares em circulação e a inflação…
Peter Schift:

“A inflação «é consequência dos passos que o governo tomou para tentar estimular a economia», disse, em referência aos gastos com os pacotes de ajuda à economia. Basicamente, o Fed teve de imprimir dinheiro de forma a pagar o enorme défice do país, o que por sua vez fez aumentar o preço de quase tudo o que é tabelado em dólares, que continua a ser a moeda de reserva mundial.”
In Yahoo Finance

Portanto, uma vez mais, as agências internacionais fazem cócegas à verdadeira profundidade dos problemas, fingindo soluções e preocupações, quando na realidade não são nada mais do que representantes dos interesses que ganham com o perpetuar dos problemas sobre os quais afirmam estar preocupadas.
Querem continuar a dar crédito às vozes que de lá palram?
Façam favor…

E vou fechar o texto de hoje com Jim Rogers, a Arábia Saudita e o petróleo…
Jim Rogers, um dos maiores casineiros do mundo diz que o preço do barril de petróleo poderá, ainda este ano, chegar aos 200 dólares.
Jim Rogers:

“(…) o mundo tem cada vez menos reservas de petróleo. Talvez ainda haja muito petróleo no mundo mas, a existirem, não sabemos onde estão ou como o extrair.”
In BBC

Vindo de quem vem e da forma desprendida como o disse… meus senhores agarrem bem o vosso cinto de segurança que a descida da montanha russa irá ser provavelmente violentamente atribulada…

E para reconfirmar um pouco as palavras do Jim, que tal esta coisa estranha da Arábia Saudita andar a assinar acordos de energia nuclear para reduzir a sua dependência dos combustíveis fósseis?
O que me dizem disso?
Talvez seja para ajudar a reduzir o aquecimento global, poderão pensar alguns, levados pela onda de histeria que o assunto está a gerar, mas talvez não faça mal nenhum levantarem esta questão:
Porque razão o país, que nos é dito ter as maiores e mais duradouras reservas de petróleo do mundo, está a gastar parte do seu excedente financeiro e técnico numa energia em que a matéria prima não existe por lá quando tem petróleo a brotar por todos os poros do seu território?
Será a opção da Arábia Saudita pelo nuclear a confirmação não oficial de que o petróleo não é assim tão abundante como o proclamado?
Deixo-vos com esta pergunta…

Conclusão:
Mais uma agência internacional que fala, fala, fala, mas o que diz é apenas e quase só balelas… balelas essas que são apenas e só palavras que o vento vai levar, porque os países que produzem não irão querer ter os outros a comer aquilo que é deles, quando lhes começar a faltar… e isso irá fazer a palavra inflação morrer trucidada pela violência de uma torrente chamada hiperinflação… hiperinflação que será pasto e regalo para os olhos e bolsos dos casineiros que sugam o tutano de um mundo que levantou todas as suas fronteiras para que eles possam passear à vontade a sua ganância e insensibilidade… e por causa deles a montanha russa da hiperinflação poderá estar mais perto do que se imaginava… e aqueles que dizem banharem-se em ouro negro poderão na realidade estar apenas a mergulhar em vãs memórias de um passado recente…

Notícia da NewsDaily – FAO warns against food export curbs
Notícia do The Guardian – Food speculation: ‘People die from hunger while banks make a killing on food’
Notícia da Bloomberg – Wall Street Partying in Davos as Crisis Angst Fades
Notícia do Yahoo Finance – Brace Yourself: Peter Schiff Predicts U.S. “Inflationary Nightmare”, Made in China
Notícia da BBC – Oil ‘could hit $200 a barrel’ says investor Jim Rogers
Notícia do Arabian Business – Saudi signs nuclear deal in bid to cut fossil fuel use

About minhamosca

Em busca de mais conhecimento

Posted on 27/01/2011, in Agricultura, Artigos, Banca, Corrupção, Economia, Energias and tagged , , , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: