Moçambique a Dois Tons

Banco Mundial diz que Moçambique protege os investidores. Violência regressa à capital moçambicana.

Nem sei como qualificar o “timing” usado pelo Banco Mundial para proferir estas palavras… é algo digno de figurar nos anais dos momentos mais inoportunos. Um mundo a dois tons.

Diz-nos o Banco Mundial que a economia moçambicana está a a crescer 6,5%, com um mercado de 25 milhões e que é um país atractivo para o investimento.

Sinceramente nem sei como escrever sobre isto tal a sua insensibilidade social e grotesca forma de análise económica…

Para mim isto é um sinal de medo… medo que as populações possam colocar em causa os investimentos que eles têm por lá… medo que aconteça por lá o que aconteceu na Bolívia, em que o Zé Povinho boliviano, depois de ficar a saber quem era realmente o mau da fita, correu com eles.

O mundo visto pelos olhos destes monstros financeiros tem apenas uma cor, a cor do dinheiro. A sua invulgarmente vulgar forma de análise da vida retira sempre as pessoas da análise. O que interessa que Moçambique esteja a crescer 6,5% se o fosso entre pobres e ricos é cada vez mais acentuado? O que interessam 6,5% se a pobreza extrema é o fato que a maioria da população veste todos os dias? O que interessa 6,5% se a água, o pão e a energia em vez de serem bens para todos, são cada vez mais bens apenas para alguns… mas o que interessa os 6,5%!!!!
Realmente importante e significativo era saber que menos 6,5% da população já não vivia num estado de pobreza extrema… agora 6,5% a mais para os mais ricos é igual a ZERO!

É um paraíso para o investimento… pudera, com tanta pobreza com uns cobres dá para comprar meio mundo… vergonha, vergonha, vergonha!

Moçambique protege os investidores?
E o povo? Onde está a protecção do povo? Tenham dó!!!!

Voltando à Bolívia, vou só relembrar o que por lá se passou, que é exactamente o mesmo que se está a passar em Moçambique, com a única diferença de ser no outro lado do globo:
– Em Setembro de 1998. O Banco Mundial (FMI) aprova um empréstimo de 138 milhões com a condição que o governo boliviano privatize as refinarias petrolíferas e o sistema de águas publicas.
– Em Julho de 1999. O Banco Mundial publica um relatório a dizer que nenhuns subsídios deverão ser aprovados para aliviar o fardo do aumento do preço da água.
– Em Setembro de 1999. O governo boliviano arrenda o sistema de águas a empresas privadas.
– Janeiro de 2000. As populações começam a revoltar-se contra o elevado preço da água.
– Fevereiro de 2000. As manifestações tornam-se violentas.
– Março de 2000. Num referendo, 96% da população diz estar contra a privatização das águas.
– Abril de 2000. As manifestações transformam-se em pequenas revoluções por todo o país, com centenas de feridos e mortos.
– Abril de 2000. O governo cede e volta atrás com a privatização das águas.
– Abril de 2000. O Banco Mundial volta a reafirmar que as águas não deverão ser subsidiadas, porque esse dinheiro é um desperdício económico.
– Agosto de 2000. O Presidente colombiano demite-se.
– Fevereiro de 2002. Aguas del Tunari e Bechtel exigem uma indemnização de 25 milhões de dólares por danos à operação.

Estará isto a ser conduzido de forma diferente em Moçambique?
Serão as imagens de revolta que nos chegam de Moçambique diferentes do que se passou na Bolívia?

Sabiam que o governo do Malawi rejeitou o plano de energia moçambicano, apoiado pelo Banco Mundial, por ser demasiado dispendioso?
Quem acham que está a pagar por isso?

Haverá algum órgão de comunicação em Portugal que tenha “tin-tins” para desmascarar o que se passa em Moçambique e qual a profundidade das acções do Banco Mundial no escalar dos problemas?
Duvido, mas a esperança é a última a morrer, e eu ainda espero estar vivo no dia em que os Zé Povinhos do mundo consigam acabar com a acção destes monstros sanguinários, verdadeiros seres das trevas financeiras, exemplares do pior que existe na nossa espécie…

Notícia do Diário Económico – Moçambique protege os investidores
Notícia do Diário Económico – Violência regressa à capital moçambicana
Notícias de apoio:
Notícia do OJE – Banco Mundial e Moçambique assinam em Junho acordo de 65 milhões de euros para o sector energético
Notícia da Bloomberg – Malawi Rejects World Bank-Backed Mozambican Electricity Plan as Too Costly
Notícia do The Nation – The Politics of Water in Bolivia
Notícia da Reuters – World Bank tried to “blackmail” Bolivia: Morales
Notícia da PBS – Timeline: Coachamba Water Revolt

About minhamosca

Em busca de mais conhecimento

Posted on 02/09/2010, in Banca, Corrupção, Economia, Energias and tagged , , , , , , , , , . Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: